Pular para o conteúdo principal

A poesia se debruça nas janelas dos becos de São João del-Rei


Sedutora, São João del-Rei é cidade recatada

Não expõe despudoradamente sua beleza de casas em ruas de discreto desalinho
Igrejas brancas, redondas e soltas passeiam nos largos, que nem pombas
Sua beleza, esconde-a, em cores suaves, furtivamente, atrás de esquinas, 
por entre-becos. Beco da Romeira. Beco do Salto. Beco do Cotovelo. Beco da Escadinha. 
Beco do Rosário. Beco da Matriz. Beco da Muxinga. Beco do Bispo. Beco do Teatro. 
Beco Estreito. O soturno e tenebroso - hoje rebatizado - Beco do Capitão do Mato.
No alto de um morro, sobre uma beta de ouro, Beco Sujo.

Entre portas cerradas, janelas encostadas, o olhar entreaberto tudo vê
O segredo é secreto; todo mundo sabe e ninguém conta, pra ninguém. 
Na cidade suspensa, de tão leve desenho, as sacadas de ferro, sem peso,  
flutuam no vento, arabescos de ar. Terra de sonho só quer iludir, encantar, enganar.

Pra depois, desmanchar o devaneio, lá isso tem: apito de trem, apito de fábrica, 
ouço sino a dobrar, ecos de banda de música, foguetório a o céu estrelar
Tudo de uma janela. Azul. Entreaberta, num entre-beco bucólico, com olhos semicerrados...


Texto e foto: Antonio Emilio da Costa

       Janela (Adélia Prado)

Janela, palavra linda.
Janela é o bater das asas da borboleta amarela.
Abre pra fora as duas folhas de madeira
à-toa pintada, janela jeca, de azul.
Eu pulo você pra dentro e pra fora,
monto a cavalo em você,
meu pé esbarra no chão.
Janela sobre o mundo aberta       

             (...)

Ô janela com tramela,
brincadeira de ladrão,
clarabóia na minha alma,
olho no meu coração.

.........................................................................................................
PRADO, Adélia. Janela, in Poesia Reunida. Edições Siciliano. São Paulo: 1991.

Ilustração: Duas sacadas do Solar dos Viegas, em São João del-Rei. (Foto do autor)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O dia em que os sinos de São João del-Rei chamaram para um programa de televisão

Para quem nasceu, viveu ou vive em São João del-Rei, o toque de um sino é sempre um chamado: para uma missa, para uma novena, para uma procissão, para um enterro, para uma bênção, para uma Via Sacra, para um Te Deum.

Mesmo quando não se está na cidade é assim. Assistindo a qualquer filme ou vídeo lá gravado no centro histórico, é possível saber a que horas ocorreu aquela cena simplesmente ficando atento às pancadas que de vez em quando bate o sino-relógio da Matriz do Pilar.

Na quarta-feira da semana passada, dia 16 - coincidentemente dia festivo na cidade, consagrado a Nossa Senhora do Carmo - os são-joanenses em São João del-Rei e em todas as partes do Brasil, na metade da manhã, surpreenderam-se com o toque dos sinos chamando-os para um lugar inusitado: para a frente da televisão.

Não que o aparelho estivesse no alto de uma torre ou sobre um altar, mas é que em sua tela a apresentadora Ana Maria Braga e seu "escudeiro" Loro José apresentaram uma reportagem de oito minuto…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Santa Clara, clareai minha São João del-Rei!

São João del-Rei é um lugar onde o viver feliz requer, dia e noite, céu aberto. Suas ruas estreitas e sinuosas, seus becos, jardins e largos são palcos públicos onde desde sempre tudo acontece, para todos. O entusiasmo, a vitalidade e a alegria dos são-joanenses precisam de céu limpo para se materializar como procissões, desfiles de carnaval, cortejos, concertos, serenatas, cinema,teatro, recitais e retretas - tudo ao ar livre.

Antigamente, nos tempos românticos que duraram até os anos setenta, era comum as pessoas ficarem nas janelas ou sentadas na calçada ou soleira da porta de suas casas, olhando o tempo e a vida passar. Algumas vezes por dia iam dar uma volta na rua, para comprar a verdura e a carne do almoço, encontrar com os conhecidos, ler o Jornal do Poste, saber quem morreu ou se internou e mandar lembrança para os amigos.

Tudo a céu aberto. Podiam até levar sombrinha ou guarda-chuva, tanto se prevenindo de algum aguaceiro quanto se protegendo do sol forte. Dor de cabeça? Me…