Pular para o conteúdo principal

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibilização, da mobilização, da iniciativa, do empenho e do esforço do poder público municipal, das instituições culturais e da comunidade são-joanenses.


Comentários

  1. Antonio, sou sanjoanense, seguidora e leitora assídua do seu blog e gostaria de lhe pedir um favor. Olhos sexagenários, já meio cansados, têm muuuuuita dificuldade para ler branco sobre fundo preto. Por favor, pense na possibilidade de, por favor, mudar o visual do "Tencões e Terentenas" .
    Muito obrigada, um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Egléa, vou pensar nisto sim, afinal se o que se faz não for útil ou acessível, para que serve então, não é mesmo? Alterar projeto visual não é fácil, você sabe, mas vou levar em conta sua consideração, logo que puder fazer a mudança. Conto sempre com suas visitas e sugestões. Obrigado e grande abraço!

      Excluir
  2. Onde se encontra essa beta para visitação? Meu marido é historiador e gostaria de conhecer. Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aryane, obrigado por seu contato.

      Esta beta fica na Bica da Prata e tem acesso pela Rua Padre Faustino / esquina com o Pau d'angá e também pela subida do Senhor dos Montes.

      Não sei se vcs são de São João del-Rei, mas na Agência Rotas em Rumos (Rua da Prata) eles informam como ir e talvez até um guia que os leve lá, o que pode ser melhor.

      Conto com suas visitas e divulgação deste almanaque eletrônico. Grande abraço.

      Excluir
  3. sou sanjoanense e gostaria de saber se vc também, pois se for obrigado por nos contar essa história de são joão, pois sou apaixonado por nossa cidade e não sabia do que relatou, se não for sanjoanense agradeço mais ainda por ter interesse nessa cidade que tanto amo e representa para todo o país uma cidade histórica que tem que ser mais valorizada por nós e aprese4nta para o mundo. obrigado por sua dedicação a nos informar sobre nossa história o que devia ser feito nas escolas.

    ResponderExcluir
  4. Rodrigo, tb sou são-joanense e também com muito orgulho.

    Minha intenção, quando criei este almanaque eletrônico era, de fato, além de divulgar aspectos interessantes de nossa história e de nossa cultura, produzir um material didático-pedagógico, para servir de suporte e apoio aos professores que ensinam a história local. Quem sabe isto ainda aconteça.

    Agradeço seu contato e gostaria de receber sempre sua visita neste almanaque eletrônico. E se você gostou, ajude a divulgá-lo aos seus amigos, no Facebook, e em outros meios que puder. Grande abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O dia em que os sinos de São João del-Rei chamaram para um programa de televisão

Para quem nasceu, viveu ou vive em São João del-Rei, o toque de um sino é sempre um chamado: para uma missa, para uma novena, para uma procissão, para um enterro, para uma bênção, para uma Via Sacra, para um Te Deum.

Mesmo quando não se está na cidade é assim. Assistindo a qualquer filme ou vídeo lá gravado no centro histórico, é possível saber a que horas ocorreu aquela cena simplesmente ficando atento às pancadas que de vez em quando bate o sino-relógio da Matriz do Pilar.

Na quarta-feira da semana passada, dia 16 - coincidentemente dia festivo na cidade, consagrado a Nossa Senhora do Carmo - os são-joanenses em São João del-Rei e em todas as partes do Brasil, na metade da manhã, surpreenderam-se com o toque dos sinos chamando-os para um lugar inusitado: para a frente da televisão.

Não que o aparelho estivesse no alto de uma torre ou sobre um altar, mas é que em sua tela a apresentadora Ana Maria Braga e seu "escudeiro" Loro José apresentaram uma reportagem de oito minuto…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Santa Clara, clareai minha São João del-Rei!

São João del-Rei é um lugar onde o viver feliz requer, dia e noite, céu aberto. Suas ruas estreitas e sinuosas, seus becos, jardins e largos são palcos públicos onde desde sempre tudo acontece, para todos. O entusiasmo, a vitalidade e a alegria dos são-joanenses precisam de céu limpo para se materializar como procissões, desfiles de carnaval, cortejos, concertos, serenatas, cinema,teatro, recitais e retretas - tudo ao ar livre.

Antigamente, nos tempos românticos que duraram até os anos setenta, era comum as pessoas ficarem nas janelas ou sentadas na calçada ou soleira da porta de suas casas, olhando o tempo e a vida passar. Algumas vezes por dia iam dar uma volta na rua, para comprar a verdura e a carne do almoço, encontrar com os conhecidos, ler o Jornal do Poste, saber quem morreu ou se internou e mandar lembrança para os amigos.

Tudo a céu aberto. Podiam até levar sombrinha ou guarda-chuva, tanto se prevenindo de algum aguaceiro quanto se protegendo do sol forte. Dor de cabeça? Me…