Pular para o conteúdo principal

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibilização, da mobilização, da iniciativa, do empenho e do esforço do poder público municipal, das instituições culturais e da comunidade são-joanenses.


Comentários

  1. Antonio, sou sanjoanense, seguidora e leitora assídua do seu blog e gostaria de lhe pedir um favor. Olhos sexagenários, já meio cansados, têm muuuuuita dificuldade para ler branco sobre fundo preto. Por favor, pense na possibilidade de, por favor, mudar o visual do "Tencões e Terentenas" .
    Muito obrigada, um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Egléa, vou pensar nisto sim, afinal se o que se faz não for útil ou acessível, para que serve então, não é mesmo? Alterar projeto visual não é fácil, você sabe, mas vou levar em conta sua consideração, logo que puder fazer a mudança. Conto sempre com suas visitas e sugestões. Obrigado e grande abraço!

      Excluir
    2. Egléa, veja o fruto de sua mensagem. Espero que goste. Desculpe a demora e obrigado por sua sugestão. Grande abraço!

      Excluir
  2. Onde se encontra essa beta para visitação? Meu marido é historiador e gostaria de conhecer. Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aryane, obrigado por seu contato.

      Esta beta fica na Bica da Prata e tem acesso pela Rua Padre Faustino / esquina com o Pau d'angá e também pela subida do Senhor dos Montes.

      Não sei se vcs são de São João del-Rei, mas na Agência Rotas em Rumos (Rua da Prata) eles informam como ir e talvez até um guia que os leve lá, o que pode ser melhor.

      Conto com suas visitas e divulgação deste almanaque eletrônico. Grande abraço.

      Excluir
  3. sou sanjoanense e gostaria de saber se vc também, pois se for obrigado por nos contar essa história de são joão, pois sou apaixonado por nossa cidade e não sabia do que relatou, se não for sanjoanense agradeço mais ainda por ter interesse nessa cidade que tanto amo e representa para todo o país uma cidade histórica que tem que ser mais valorizada por nós e aprese4nta para o mundo. obrigado por sua dedicação a nos informar sobre nossa história o que devia ser feito nas escolas.

    ResponderExcluir
  4. Rodrigo, tb sou são-joanense e também com muito orgulho.

    Minha intenção, quando criei este almanaque eletrônico era, de fato, além de divulgar aspectos interessantes de nossa história e de nossa cultura, produzir um material didático-pedagógico, para servir de suporte e apoio aos professores que ensinam a história local. Quem sabe isto ainda aconteça.

    Agradeço seu contato e gostaria de receber sempre sua visita neste almanaque eletrônico. E se você gostou, ajude a divulgá-lo aos seus amigos, no Facebook, e em outros meios que puder. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Fui a S. João Del-Rei e infelizmente não tinha conhecimento desse patrimônio da maior importância,acho incrivel como não se divulga as partes mais importantes da História de nosso país. Me sinto realmente lesada,pois gastei tempo e dinheiro pra não conhecer o que de mais interessante existe ali. Se um dia voltar,pois moro bem longe,vou explorar com mais cuidado esta cidade fascinante.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…