Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2011

Semana Santa em São João del-Rei. Festa de Passos é Fé, Tradição e Cultura

As Comemorações dos Passos de Nosso Senhor Jesus Cristo a Caminho do Calvário constituem um marco nas cerimônias que antecedem a Semana Santa em São João del-Rei. Esta condição ganha maior destaque considerando que não possui similar nas demais cidades históricas mineiras nem em outras cidades brasileiras nascidas no tempo colonial. Além disso, não são unicamente representações culturais, mas continuam vivas, como manifestações de religiosidade que reúne, organiza, articula e propaga uma infinidade de signos, símbolos e sinais que, integrados, formam uma linguagem e um discurso muito próprios. Tanto que a Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Passos, promotora da “Festa”, com muita propriedade, fez constar no programa de divulgação das solenidades, o slogan “Fé. Tradição. Cultura.” A realização litúrgica envolve todos os sentidos, conjuga muitos elementos, que possuem os mais diversos significados. Vários são explícitos e consagrados pela percepção inequívoca e inquestionável; outros deixa…

Semana Santa 2011 - Em São João del-Rei, pranto setecentista a embalar nossos dias

Miserere, do compositor setecentista Manoel Dias de Oliveira, é expressão perfeita do sentimento / alma da Semana Santa de São João del-Rei, sobretudo da Festa de Passos. Clamor profundo, impossível definí-lo.

Quase todos os são-joanenses sabem o moteto - com arranjo vocal elaborado - de cor, em latim e em português.

É a trilha sonora ideal para os dias que antecedem as procissões das Dores, dos Passos e do Encontro (1o, 2 e 3 de abril). E também para se contemplar e meditar sobre a foto publicada neste almanaque eletrônico Tencões & terentenas, ontem, 28 de março.

Para ouvir o moteto Miserere, em versão raríssima, clique na imagem abaixo .

Sensibilizado pela música, leiaMiserere Mei São João del-Rei e veja foto citada, acessandohttp://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com/2011/03/miserere-mei-sao-joao-del-rei.html

Miserere mei ... São João del-Rei

No próximo fim de semana, de sexta (1º) a domingo (3), o centro histórico de São João del-Rei será palco perfeito de cinco procissões que muito bem representam um drama que aterroriza a humanidade. A violência. No caso, a representação é extremada, porque é elevada à potência divindade e a vítima, o homem-deus.  Velários roxos, estandartes roxos, incensos, rosmaninho, manjericão, velas, palmas portuguesas, orquídeas, avencas, hortências, galões dourados, espadas de prata, resplendores de prata, coroa de estrelas de prata, coroa de espinhos. Sinos pungentes, motetos lamentosos, lágrimas de diamante, sangue de rubi. Todos estes elementos barrocos tornam ainda mais trágico o teatro sagrado. É a estética a sensibilizar para a conversão, para a reflexão e para a aproximação do humano com o divino.

Mas a violência nossa de cada dia não tem alegorias. O que se vive hoje nas avenidas, nas pontes, nos becos, nos mercados, nos bancos, nos lares não tem recursos teatrais nem elementos cenográfic…

Paulo Mendes Campos morou em São João del-Rei

Às vezes, no entusiasmo do sentimento nativista e valendo-se da força das palavras, alguns são-joanenses chegam a dizer que "São João del-Rei é um dos berços da arte". Esta declaração de amor pela cidade não é de todo desmedida: desde a criação da Vila de São João del-Rei até nossos dias, muitas pessoas que aqui nasceram ou viveram nesta cidade deram importante contribuição para o desenvolvimento cultural do país, destacando-se no campo das artes plásticas, da pintura, da literatura, do cinema e até, mais recentemente, da arte midiática.

Entre os vários escritores que viveram em São João del-Rei, Tencões & terentenas destaca aqui o nome de Paulo Mendes Campos.  Nascido em Belo Horizonte a 28 de fevereiro de 1922, começou seus estudos na capital mineira, prosseguiu em Cachoeira do Campo (onde o padre professor de Português lhe vaticinou: "Você ainda será escritor") e terminou em São João del Rei.

 Muito moço ainda, ingressou na vida literária, juntando-se à trupe…

Você já viu sino tocar “em feitio de oração”? Na Semana Santa de São João del-Rei, tem...

Com o aproximar da Semana Santa, dia a dia o clima introspectivo e místico da Quaresma cada vez fica mais denso em São João del-Rei. Quaresmeiras floridas espalham roxo por toda parte. Cartazetes da Festa de Passos - em preto, roxo e dourado – estão afixados em jornais murais, ocupam quadros de aviso de locais públicos, estampam vitrines das sapatarias, paredes de bares, balcões de verdurarias, prateleiras de supermercados, caixas de padaria... Impossível não se lembrar! Duas Vias Sacras Solenes já se realizaram; duas Encomendações de Almas também. Na próxima sexta-feira, dia 25, acontecem a última Via Sacra de Rua, saindo da Matriz do Pilar às 19h30, e a última Encomendação de Almas, que parte do Cemitério do Quicumbi às 23h. Na trilha sonora de ambas , os Motetos dos Passos, do compositor são-joanense Martiniano Ribeiro Bastos, além de orações próprias, para uma, nas capelas-passos, e para outra, nos cemitérios, encruzilhadas, cruzes e cruzeiros. Esta função não termina antes da 1h d…

Patrimônio cultural de São João del-Rei faz sorrir milhões de brasileiros (2)

A Cera Dr. Lustosa, medicamento milagroso contra a dor de dente, não foi famosa somente entre a população menos favorecida, que muito sofria pela falta de cuidados com a saúde bucal, entre eles escovar os dentes após as refeições.

Intelectuais e escritores mineiros também conheceram e até escreveram sobre o medicamento infalível, como por exemplo Fernando Sabino, na menção, transcrita abaixo, que fez a São João del-Rei no livro A Chave do Enigma:

"Caminhando pelas ruas de São João del-Rei. Uma dor de cabeça renitente pede com urgência um comprimido. Se fosse dor de dente, pediria Cera Dr. Lustosa. Ainda há em São João quem se lembre do próprio Dr. Lustosa, criador da milagrosa cera, cujo cheiro característico me vem da infância..."

Patrimônio cultural de São João del-Rei faz sorrir milhões de brasileiros

As novas gerações talvez não a conheçam, mas a Cera Dr. Lustosa é valioso patrimônio cultural de São João del-Rei. Criada pelo Dr. Paulo Lustosa e utilizada largamente para aliviar a dor de dentes em uma época em que poucos conheciam a escova de dentes, o produto parecia milagroso pelo resultado imediato. Bastava aplicar uma pequena “bolinha” da cera sobre a cárie que, em poucos segundos, adeus dor de dente...

A Cera Dr. Lustosa tem quase cem anos, pois a fórmula final foi registrada em 21 de janeiro de 1922. Mas seis anos antes dela, o dentista são-joanense, formado em 1906, após muitas pesquisas – visando aliviar o sofrimento causado tanto pela dor de dentes quanto pelos medicamentos líquidos de uso local que queimavam a boca e tinham efeito breve - produziu a pasta antissepticaPauber, que trazia no nome partes do nome do criador e de sua esposa Bertha. Sempre dedicado à causa e, por isso mesmo, avançando em seu trabalho,  em 1932,Dr. Paulo criou a Gutha Percha, produto que, aplicado…

São João del-Rei restaura igrejas de Ouro Preto

A qualidade, competência e especialização de artistas, técnicos e empresas de São João del-Rei na restauração de obras de arte e edificações coloniais são reconhecidas nacionalmente. Tanto que cada vez mais aumenta o número de monumentos e edifícações históricos religiosos e civis restaurados com a participação de são-joanenses.

Atualmente, por exemplo, uma empresa de São João del-Rei é responsável pela restauração da porta de  um dos mais importantes exemplares da arquitetura religiosa barroca brasileira: a Matriz de Nossa Senhora do Pilar de Ouro Preto. Também a capela de São João, da mesma cidade, está sendo restaurada com a participação da empresa são-joanense , conforme matéria que você pode ler acessando http://www.ouropreto.com.br/noticias/detalhe.php?idnoticia=4463

Desde 1717, a música é a mãe das artes em São João del-Rei

Aproximando da ilustração de que Deus, no ato da Criação, após moldar o homem de barro e falar-lhe algumas palavras, deu-lhe vida com um sopro e, desta forma, colocoudentro dele todo o universo, que o perpassa por meio da respiração, a história mostra que, em São João del-Rei, a música foi e ainda é o sopro vital de todas as artes. Refletindo a este respeito, Antonio Guerra, na obra Teatro, Circo, Música e Variedades em São João del-Rei -1717 a 1967, inspirado no historiador são-joanense Fábio Nelson Guimarães, escreveu: “São João del-Rei pode se ufanarde ter sido o berço ou a segunda infância das artes nas terras de Minas Gerais, no século inicial da colonizaçãodo Estado. O espírito artístico germinou no seio das corporações musicais, concorrendo como moldura incentivadora para a implantação das artes cênicas. O ouro das serras ergueu e ornou os templos, semeados pela crença inata dos reinóis, criando obrasem arquitetura e escultura. Surgiram, então, a música e outros trabalhos com car…

Musicalidade de São João del-Rei corre o mundo. Mais do que se imagina...

Nesta noite, no Espaço Cultural Calêndula, o almanaque eletrônico Tencões & terentenas saúda os calouros do curso de Música da Universidade Federal de São João del-Rei – UFSJ, apresentando-se como um canal de interação, entretenimento, informação e diálogo com os estudantes que nos próximos anos dedicarão sua vida acadêmica a uma atividade que é a própria alma de São João del-Rei: a Música. São João del-Rei é uma cidade viva, culturalmente pródiga, e singular, pois mais que qualquer outra pulsa sonoridade. Assim, é um universo rico e fértil para quem deseja estudar música que, aqui, transcende instrumentos convencionais e partituras e se alastra na forma de apitos de trem, toques de sino, ensaios musicais, foguetes e de uma infinidade de sons muito próprios. Tencões & terentenas valoriza muito este aspecto da cultura são-joanense e, periodicamente a contempla em suas postagens, disponibilizando fontes, estudos, produções acadêmicas, gravações e vídeos que documentam a sonoridade…

Todos estão ligados e de olho na riqueza patrimonial de São João del-Rei

Recentemente, na primeira semana de março, osolhos são-joanenses se voltaram comatenção e cuidado para um dos mais importantes templos do barroco mineiro, aqui edificados: a Matriz do Pilar. As chuvas intensas e fortes que por longo período caíram na região favoreceram um pequeno desmoronamento externo na quina da parede da igreja, no ângulo esquerdo do andar superior da fachada lateral, sob o qual há um vestíbulo de acesso à sacristia da Boa Morte, à capela do Santíssimo Sacramento e ao interior do templo, na altura do arco-cruzeiro. Se o fato trouxe surpresa, a resposta não tardou. Demonstrando responsabilidade, zelo e competência em relação a tão importante patrimônio religioso e histórico-cultural, o pároco do Pilar e o representante do IPHAN na cidade imediatamente se pronunciaram. Tranquilizaram a população quanto ao diagnóstico do estrago - suas causas e consequências - e informaram as providências que seriam adotadas, inclusive estabeleceram prazos. Foi um posicionamento sério …

Tencões & terentenas no Espaço Cultural Calêndula, em São João del-Rei

Apresentação presencial de um canal de comunicação virtual. Isto é um contra-senso, um disparate, um despropósito? Não. Pelo contrário, é a oportunidade de aproximação, diálogo e comunicação face a face,  superando algo que, se por um lado é a grande possibilidade da internet, por outro é sua principal limitação: a virtualidade.

Com este objetivo, na próxima sexta-feira, 18 de março, às 22 horas, o almanaque eletrônico Tencões & terentenas será presencialmente apresentado em São João del-Rei, no Espaço Cultural Calêndula, em uma programação de boas-vindas aos novos alunos do curso de Música da Universidade Federal de São João del-Rei. Você está convidado!

A breve apresentação, em um bar tão interessante, será a abertura de uma festa participativa e democrática, plena de arte, música e poesia - linguagens que muito se afinam aos propósitos deste almanaque eletrônico. Tanto se afinam que o nome Tencões & terentenas é referência e homenagem aos toques de sinos sãojoanenses, em es…

Paisagem de São João del-Rei é caleidoscópio mágico. Mistura imagens de três séculos...

A contemporaneidade e o espírito de vanguarda de São João del-Rei não são recentes e surpreendem quem espera encontrar aqui uma paisagem arquitetonicamente homogênea, que espelha apenas o ciclo do ouro. Tendo sempre evoluído a partir de uma visão dinâmica da realidade, São João preserva seu centro histórico como uma joia formada por diferentes pedras preciosas, cada uma de uma época. Isto se reflete, e é muito visível, na arquitetura e no urbanismo são-joanenses. Em São João del-Rei, por exemplo, é possível encontrar, lado a lado com construções dos tempos coloniais e imperiais, edificações que retratam as transformações urbanas, sociais, econômicas, culturais, políticas, industriais e outras que modificaram o país ao longo dos últimos trezentos anos. É natural que em uma cidade com desejo desenvolvimentista (São João del-Rei não se estagnoucom o declínio da mineração e criou alternativas para superar esta dificuldade) muitas construções dos séculos XVIII e XIX dessem lugar a outras, de…

Festa de Passos: tradição mais pura da Semana Santa de São João del-Rei

Começou, na sexta-feira, 11 de março, a mais longa celebração religiosa de São João del-Rei: a Comemoração dos Passos de Nosso Senhor Jesus Cristo. Aqui conhecida simplesmente como Festa de Passos, é realizada em período de exatos 36 dias – desde a primeira sexta-feira da Quaresma até a última sexta-feira antes da Semana Santa, que oficialmente começa no Domingo de Ramos. Além de ser a celebração religiosa são-joanense que ocorre em maior período de tempo, a Festa de Passos, promovida pela Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Passos, reúne também o maior número de solenidades. Ao todo, 11. São 3 vias sacras externas, 2 depósitos das imagens, 2 rasouras, 1 adoração da Santa Cruz, 2 procissões e um Setenário, que é o nome à cerimônia que se repete por sete dias, no caso para rememorar as 7 dores de Maria Santíssima. A Festa de Passos é uma das mais autênticas e legítimas tradições da Semana Santa de São João del-Rei. Tanto as imagens do Senhor dos Passos e de Nossa Senhora das Dores, quanto …

Na Semana Santa de São João del-Rei, Encomendação de Almas é lição de vida!

Mistério, segredo, sagrado, ancestral. Este pequeno conjunto de palavras muito bem define o que são
as Encomendações de Almas de São João del-Rei, que acontecem na calada da noite das três primeiras sextas-feiras da Quaresma. Manifestação religioso-cultural única no mundo, por sua ritualidade e musicalidade, as Encomendações de Almas percorrem trajeto definido que prevê paradas, com orações e cânticos, em cemitérios, portas de igrejas, cruzes, cruzeiros e encruzilhadas do centro histórico e de dois bairros desta cidade mineira, fundada em 1705. As Encomendações de Almas de São João del-Rei são rituais bicentenários, católicos, promovidos pela Orquestra Lira Sanjoanense, que se corporifica no cortejo com maestro, cantores e instrumentistas (contrabaixo, trompete, trombone, flauta transversa, clarineta e matraca). Por não ter a presença de sacerdote celebrante, o maestro conduz o rito, fazendo em latim saudações fúnebres próprias e, em português, orações póstumas. Também rege a música b…

Semana Santa 2011 - A fé, a música e a lua nova em Via Sacra barroca nas ruas de São João del-Rei

Perpetuando uma tradição que deve ter quase trezentos anos, a noite de sexta-feira (11/03) começou, em São João del-Rei, com uma "solene" e barroca Via Sacra. Única em todo o mundo porque pontuada por motetos compostos especialmente para estas cerimônias são-joanenses, estas Vias Sacras são realizadas exclusivamente pela Irmandade dos Passos de São João del-Rei, nas três sextas-feiras seguintes ao Carnaval, anteriores ao fim de semana em que acontece a Festa de Passos, que será assunto de outra postagem, mais no fim do mês.

Para quem não conhece, as vias sacras "de rua", como são popularmente conhecidas em São João del-Rei, são procissões, que têm à frente uma grande cruz, da qual pende um lençol branco, ladeada por duas lanternas, que puxam cada uma uma guarda dos irmãos e irmãs dos Passos, com suas opas (homens) e "capinhas" (mulheres) roxas, todos carregando tochas com velas acesas. Mais ao final, um irmão carrega, elevado pela base da cruz, um Cristo …

Semana Santa 2011 - Já na Quarta-feira de Cinzas, começou 'A Paixão segundo São João' (del-Rei)

Em São João del-Rei, a Quaresma é, de fato, um tempo sagrado. Tanto que não é exagero dizer que, naquele dia, aqui começou "A Paixão segundo São João del-Rei", tamanhas a frequência, a intensidade e a eloquência das liturgias, solenidades e celebrações religiosas que, iniciadas na Quarta-Feira de Cinzas, se sucederão por quarenta dias, até a Semana Santa, para lembrar o sofrimento e a morte de Cristo. Tudo em linguagem barroca tão peculiar, tão única e tão própria que extrapola os aspectos locais e até nacionais para alcançar a universalidade.

Mesmo quando no calendário ainda é fevereiro, na Serra do Lenheiro, arnica e rosmaninho já estão prontas para serem colhidas no tempo santo e perfumarem o chão das igrejas e das ruas de São João del-Rei. Nas encostas dos arredores da cidade, os espinheiros brancos se adiantam em florir, desejando lembrar aos genuínos são-joanenses que é tempo de penitência e meditação. Nos quintais, manjericões brancos e roxos estão altos e viçosos, an…

No Bloco dos Caveiras, até a morte 'dança' no carnaval de São João del-Rei

Imagine numa cidade católica como São João del-Rei, o Diabo de chifre e rabo andar tranquilo pelas ruas, atravessar multidões, sorrir para crianças e saudar e piscar o olho para o cidadão contrito que há pouco saiu da Adoração do Santíssimo. Imagine também a Morte, de cumprida túnica preta, esticar longamente o cabo  de sua foice prateada, como a ceifar o pescoço esganiçado de senhoras espantadas.

E pequenos diabinhos, saltitantes, distribuindo balas para as crianças. Mais: alas de caveiras carregando ossos animais, grandes estandartes com mensagens fúnebres, agentes funerários correndo de um lado para outro com valises e fitas métricas, um defunto imponente e deboçado em seu caixão, seguido por um séquito de assanhadas viúvas, que vez em quando esquecem do morto para se insinuar e até se atirar nos braços de pais de família e rapazes enamorados com suas noivas. Bruxas, feiticeiras, enforcados, degolados, fantasmas, monstros noturnos. Trilha sonora para tudo isso, uma bandinha no me…

Mozart no samba? Só no carnaval pós-moderno de São João del-Rei...

Quem acredita que carnaval é só samba não sabe o que pode acontecer no carnaval de São João del-Rei. E acontece... Alguém já pensou em misturar violino, executando clássicos de Mozart, e tamborins, surdos, frigideiras  e tudo o que tem uma bateria de escola de samba, tocando juntos, entre sobrados e  lampiões coloniais, numa paisagem noturna de beleza sem igual?

Pois é, isso aconteceu durante o desfile do bloco Unidos do Gato de Botas, que proporcionou a mais de 5 mil pessoas, em um dos mais belos cenários barrocos de Minas Gerais [as imediações da igreja do Carmo de São João del Rei] um espetáculo surpreendente: a união da música erudita de Mozart com o samba. Era a esfusiante e arrebatadora percussão carnavalesca conversando alegremente com a sinfonia sedutora de sonoros violinos.

Na terra da música, isso é possível, pois os vários tipos de música - cada qual com sua linguagem e seu estilo -  dialogam em grande harmonia. Mostrando visão plural e a possibilidade de grande evolução…

De São João del-Rei a Paris, via carnaval

Em São João del-Rei, por mais animada que esteja a folia de rua, sempre é possível dar uma escapada na noite para encontrar, em um canto tranquilo, um bar agradável ou uma roda de amigos, tocando e cantando música amena, às vezes com a ajuda de um violão e, até, de um saxofone.

Duvida? Então faça o teste apurando o ouvido e o olhar e prestando melhor a atenção no que se passa em sua volta, nas pequenas praças, nos jardins, bares mais sossegados, nas varandas e nos terraços. Não vai ser muito díficil, em pleno carnaval, se surpreender com música de primeira.

Se é isto o que você quer, enquanto não encontra, ouça abaixo A Noite dos Mascarados, de Chico Buarque, cantada em francês, por Elis Regina com Pierre Barouh.


Carnaval de São João del-Rei vira o mundo de pernas pro ar

 Tradicionalmente, quando se pensa em carnaval, a primeira coisa que vem à mente é o samba. Porta-bandeiras, mestre-salas, passistas, cabrochas, mulatas, destaques, baianas, carros alegóricos, as baterias e suas madrinhas estonteantes. O maior espetáculo da terra a contar estórias e histórias, ora fabulosas, ora cotidianas.

Também se lembra do frevo autenticamente pernambucano e dos blocos de axé que, criados na Bahia, como produtos industriais e de massa são reproduzidos nos estados brasileiros em que é pouco expressiva a cultura do carnaval.

A imagem de fantasiados, de blocos de sujo e do espontâneo carnaval de rua, sem esforço, também vem à nossa lembrança. Mas alguém já pensou em brincar o carnaval virando cambalhotas? Girando verticalmente 360 graus em torno de si próprio, só pra ver o mundo de cabeça pra baixo? Alguns são-joanenses pensaram.

E não só pensaram quanto há onze anos comemoram, deste modo, o reinado de Momo. É o blocoUnidos da Cambalhota!

Predominando a cor azul, num…