terça-feira, 9 de junho de 2015

Padre Pedro Teixeira se foi. Ficou na estrela vespertina, no céu de São João del-Rei



Sem nenhuma alegria, desde ontem os sinos de São João del-Rei estão dobrando contrariados. Dobram para dentro de si mesmos, no intuito de desmentir a triste notícia que são fadados a espalhar: Padre Pedro Teixeira foi-se embora deste mundo.

Triste junho. Do Coração de Jesus traspassado pela lança do centurião hoje não escorre um fio de água e sangue. Escorre uma única lágrima. Discreta, humilde e silenciosa. Jesus é piedoso e complascente e sente a saudade que os são-joanenses sentirão de Padre Pedro: o mensageiro da Eucaristia, que, durante muitas décadas, toda manhã, com sua batina preta, ia a pé de casa em casa visitar os enfermos, levando conforto e esperança na forma de hóstia consagrada. Além de Cristo, no bolso esquerdo e interno do paletó, levava consigo um castiçal, um crucificado, uma pequena toalha branca, fósforo, uma vela e algumas estampas de Nossa Senhora Auxiliadora, tendo no verso a oração.

Findo o ofício e dada ao doente a comunhão, em geral pedia que ele soprasse a vela, para estimular o pulmão. - Ê Padre Pedro, o senhor vai fazer muita falta!

Com sua simples presença ele exorcizava, dos doentes crepusculares, a dor da desesperança, a friagem da solidão, a fraqueza do abandono, a treva que sem pausa rondava o coração de quem, já no adiantado da vida, via o sol cada vez mais se afastar e se apagar.

Agora, face a face, Jesus e Padre Pedro se contemplam e o Senhor, sempre generoso, mais uma vez se condoi dos são-joanenses em sua dor. E então o brilho manso, doce e luminoso do olhar que sempre mirou a cidade vira estrela vespertina no céu azul de São João del-Rei.

................................................................................
Foto: Marcinho Lima