sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Nhá Chica cai no samba do Rio de Janeiro. E leva consigo São João del-Rei...


Pode alguma cidade sair do lugar, para desfilar no carnaval de outra? São João del-Rei pode. E faz isto de vez em quando. Volta e meia esta cidade, que é um dos berços de Minas, atravessa a Serra do Lenheiro e vai desfilar, como enredo, no Sambódromo do Rio de Janeiro. Não há nisto nenhum milagre...

Em 2015, por exemplo, na capital do carnaval, o templo universal do samba vai reverenciar Nhá Chica, a são-joanense que nasceu no distrito de Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno e desenvolveu vida religiosa em Baependi. Nhá Chica é a primeira beata negra brasileira e, por suas intercessões junto a Deus em favor dos devotos, caminha a passos largos para a santificação. Quando este dia chegar, vai haver muita festa, na terra e no céu.

Somente no século XXI, São João del-Rei já foi homenageada três vezes no Rio de Janeiro, pelas seguintes escolas de samba:

. 2002 - Unidos da Ponte, com o enredo De Minas Gerais para o Brasil: Tancredo Neves, o mártir da Nova República
. 2006 - União da Ilha do Governador, com o enredo Das Minas del-Rei São João
. 2015 - Tradição, com o enredo Nhá Chica: a beata negra e guerreira do Brasil

Veja, abaixo, o samba-enredo 2015 do Grêmio Recreativo Escola de Samba Tradição


terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Nhá Chica do Rio das Mortes. Fé e bondade nascida em São João del-Rei


No dia em que Nossa Senhora da Conceição vier a São João del-Rei, certamente fará questão de visitar o distrito são-joanense de Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno, ou simplesmente Rio das Mortes. Lá, tomará pela mão sua afilhada e com ela caminhará por uma estrada de terra, até chegar à sombra de um bambuzal e à margem de um rio, onde as ruínas de uma igreja emanam perfume de sereno, orvalho e inocência. E então a menina lhe mostrará o local exato onde, no começo dos anos oitocentos, foi batizada Francisca de Paula de Jesus - a hoje Beata Nhá Chica, afilhada de Nossa Senhora.

O Rio das Mortes é um lugar claro e iluminado. Seu povo alegre e gentil sabe a graça divina que é viver no local onde nasceu Nhá Chica. E compartilha isto com todos que visitam o lugar, para agradecer favores ou em busca de intercessões da santa contra dificuldades e aflições. Logo que alguém desconhecido se aproxima do portão e do cruzeiro para olhar a igreja de Santo Antônio, algum morador logo aparece e busca outro, que tem a chave da sacristia, abre a porta e conduz o visitante pelo batistério, pela capela do Santíssimo Sacramento e pela nave da igreja, com suas muitas e grandes imagens barrocas e quatro afrescos contando a vida de Santo Antônio. Seus milagres, dois deles muito interessantes. Em um deles, o santo de Pádua fala com um burro e no outro, advoga contra o demônio em favor de uma alma. Ao que tudo indica, é uma das únicas igrejas do mundo que possui o Espírito Mau em sua decoração, dizem...

Naquele distrito de São João del-Rei - outrora famoso pela produção do sabão de bola, feito com cinza e sebo de boi e embalado em palha de milho, e pela massa de bolinho de feijão, ralado na pedra - o senhor Quico se dispõe a, voluntariamente, levar o visitante, devoto ou turista a dois lugares religiosamente ímpares na história da Beata Nhá Chica: o provável local onde ela nasceu para a vida humana e o local onde, pelo batismo, ela nasceu para a vida celeste.

Todos os dois são ambientes telúricos e humildemente delicados, a singela natureza do campo orvalhada de simplicidade e paz. Especialmente as ruínas da igreja, onde recentemente se descobriu, durante recente escavação, o piso de pedra do batistério, encoberto de terra pelas enchentes do rio e pela ação do tempo, do sol e do vento.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

São Sebastião: valente guerreiro do reino de Deus e de São João del-Rei

Junto com o Dia de Reis, o Dia de São Sebastião é uma das duas datas mais importantes do calendário religioso de janeiro em São João del-Rei.

A "festa" de São Sebastião, como é popularmente conhecida, dura dez dias: nove com toque de sinos em horários especiais e uma novena noturna muito antiga, que começa no dia 11, Grande parte do repertório musical foi composta pelo compositor são-joanense Padre José Maria Xavier. São peças sofisticadas, como por exemplo a célebre antífona O Beate Sebastiane, que harmoniza vários compassos e ritmos na  melodia barroca.

Em tempos passados, a festa de São Sebastião tinha ainda mais representatividade para os são-joanenses, considerando a força sebastiana contra a peste, a fome e a guerra. Atrás da Matriz montavam, inclusive, barraquinhas de guloseimas, jogos inocentes e leilão, o que dava àquele largo o clima de quermesse. Também era comum ver, como pagamento de promessas, meninos vestidos de São Sebastião, com a faixa vermelha atravessando-lhes o torax e carregando três flechas, lembrando o sacrifício do santo mártir. Ainda hoje muitos devotos acompanham o santo vestidos de vermelho.

Atualmente fazendo menor trajeto (atrás da Matriz, Largo das Mercês, Rua da Graça, Rua São Miguel, Largo da Cruz, Rua Resende Costa, Largo do Carmo e Rua Direita) é uma procissão alegre e tem certo tom marcial, sobretudo pelo ritmo das marchas que a banda toca. Aludindo ao espírito guerreiro de São Sebastião, o andor, enfeitado de palmas vermelhas, é conduzido por quatro soldados do Batalhão de Montanha.

A frente do andor, entre as alas das irmandades e em silêncio, segue com seu estandarte a Folia de São Sebastião. Caixa, sanfona, cavaquinho, triângulo, viola caipira, os instrumentos só ecoam junto com as vozes no adro da Matriz, depois que o santo entra no templo e terminam Te Deum e bênção do Santíssimo Sacramento. Tradição antiga diz que os instrumentos da folia são profanos...

....................................................
Na ilustração, uma homenagem ao cônego Sebastião Raimundo de Paiva, dedicado entusiasta da festa de São Sebastião que, após seis décadas de serviços religiosos, sociais e culturais humildemente prestados a São João del-Rei, partiu para o Reino de Deus em março do ano passado.



sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Deus salve São João del-Rei!



                           Vendo as montanhas 
                            de ferro e de tempo
                            serem arrastadas de trem
                            deixando ausência 
                            em imensas crateras
                            me veio um mau pensamento:

                            Pelo jeito, um dia 
                            Minas vai ser apenas
                            lembrança e memória.
                            Depois, nem saudade!

                            Sinceramente, tive medo...

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Herança e lembrança de São João del-Rei - Silenciosa balada do são-joanense ausente



Estes versos mancos, de minha autoria, foram escritos por ocasião das comemorações dos trezentos anos da elevação do Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes à Vila de São João del-Rei. Eles bem poderiam chamar-se Balada do São-Joanense Ausente, visto que retratam como o homem aqui nascido, quando transplantado para outras terras, leva consigo, em sua alma, a alma de São João del-Rei.

Herança e lembrança de São João del-Rei

Quando penso em São João del-Rei
em meu peito bate um sino.
Sonoro e feliz como um menino,
criança distante que guardo e sei..

Quando penso em São João del-Rei
em minhas veias corre um trem.
Maria fumaça fugindo pr'além.
Vagões alegres, fornalha em brasa, torpor intenso
chaminé dourado, esbravejando alto nuvens de incenso.

Se me esqueço de São João del-Rei
minha alma esfria e escurece.
A lua não vem, a noite desce,
sereno frio, nada me aquece.
Meu dia nasce cinza e triste, 
sem clave de sol!

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

As boas coisas de São João del-Rei 8 - Empório Gourmet tem cervejas do Éden


Entre os barrocos templos magnificos de São João del-Rei existe um outro, moderno e minimalista, dedicado ao culto de cervejas especiais. Alquimias milagrosas que misturam hibisco com pétalas de rosas, gengibre com erva doce, abóbora com capim cidreira.  Todas preparadas na mesma fase da lua em que os produtos foram plantados e colhidos. É o Empório Gourmet Del Rei.

Mescla de armazém, bistrô e taberna, o empório é um lugar intimista e contemporâneo.  Funciona no térreo de um casarão da Rua Direita, apenas enquanto brilha o sol correndo o horizonte de ponta a ponta, com hora extra até a lua começar sua noturna jornada. Fica no caminho sagrado que liga a Matriz do Pilar à igreja do Carmo.

Esta taberna/bistrô nada mais é do que um pequeno e gentil espaço de refinada degustação e compra das 150 mais conceituadas cervejas artesanais, queijos raros, cortes especiais para churrasco e, até mesmo, de uma elegante cachacinha. Como internamente comporta apenas 12 pessoas - amigas e / ou desconhecidas - é um ambiente para conversas amistosas e cordiais, em tom e volume suaves - como é próprio das pessoas que sabem desfrutar mansamente as boas coisas da vida. 

Oratório minimalista das melhores cervejas artesanais de Minas, o Empório Goumet bem faz parte da via gloriosa do sabor de São João del-Rei. 

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

A estrela de Davi, a Epifania e os Reis Magos em São João del-Rei

Por mais que se pense conhecer a riqueza cultural de São João del-Rei, constantemente uma antiga, mas impensada, prática cultural se mostra, revelando que a memória da cidade é imensurável e inesgotável.

No conjunto das manifestações religiosas do ciclo natalino, é tradição, no dia seis de janeiro - Dia dos Santos Reis - as pessoas escreverem, no lado de dentro da porta principal de suas casas, o nome dos três reis magos do Oriente que foram ao encontro de Jesus recém-nascido: Gaspar, Baltazar e Belchior (ou Melchior). Esta prática é conservada principalmente pelas pessoas mais velhas e em alguns casos inclui até o desenho de uma estrela de seis pontas - a estrela de Davi - entre os mais simples conhecida como "cinco Salomão" (signo de Salomão). É possível que este símbolo judaico tenha a intenção de lembrar a estrela de Belém, que guiou os magos em sua longa jornada pela noite escura.

O que nem todo mundo sabe é que tal inscrição (nomes e símbolos), para ter efeito protetor contra males espirituais, precisa ser feita com giz bento na missa do domingo que antecede o dia de Reis. A preferida, em São João del-Rei, é a celebrada na igreja do Rosário, diante da imagem do Menino Jesus que, sentado em um trono, sai em rasoura em redor do mais antigo templo da cidade. Esta pequena procissão comemora a Epifania (batismo de Cristo).

Na cerimônia, os pequenos pedaços de giz são levados ao sacerdote em seculares salvas de metal banhado de prata e a bênção empoderadora é feita com oração própria e aspersão de água benta, ao som de antífonas tocadas pela Orquestra Lira Sanjoanense.


domingo, 4 de janeiro de 2015

Almanaque Eletrônico Tencões & Terentenas: 4 anos badalando a cultura e a história de São João del-Rei

Às 13 horas e 26 minutos deste domingo, quarto dia do mês de janeiro do 2015º ano do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo, este Almanaque Eletrônico Tencões & Terentenas completou quatro anos na blogosfera.

Na humildade do que representam 1.460 dias diante dos três séculos de história e cultura que pretende divulgar, Tencões & terentenas publicou na internet 700 posts exclusivamente sobre São João del-Rei: suas tradições, suas peculiaridades, seu povo, sua interpretações, sua arte, curiosidades, fatos interessantes, gastronomia, expressões e manifestações culturais - enfim tudo o que faz da "terra onde os sinos falam" um território especial.

Fruto de pesquisa e ousadia, o almanaque encontrou uma linguagem própria para dar seu recado, na busca de conquistar e envolver o internauta, transformando-o em agente de preservação, divulgação e difusão da cultura são-joanense. Ao povo desta terra, Tencões & Terentenas busca aumentar a auto-estima sociocultural-cidadã, tornando-o guardião de sua riqueza cultural, o que - inegavelmente - reflete na melhoria de seu bem-estar e qualidade de vida.

Modestamente e aos poucos, este almanaque eletrônico está conseguindo cumprir a missão a que se propõe. Ao completar quatro anos, sua contabilidade se aproxima de 130 mil acessos, ou seja, 90 acessos / dia ou, ainda, 4 acessos / hora, o que representa um acesso a cada 15 minutos. Frequentemente é reproduzido em outros blogs, sites e no Facebook e já foi citado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural de São João del-Rei - com reprodução de trecho de matéria - na "Solicitação de Tombamento do Laboratório Cera do Doutor Lustosa".

Uma aspiração ainda não alcançada é servir de instrumento de apoio pedagógico nas ações de educação patrimonial e de ensino formal da história e da cultura de São João del-Rei, nas salas de aula das escolas de ensino fundamental e médio da cidade. Mas um dia, mais cedo ou mais tarde, isto ainda acontece...