Pular para o conteúdo principal

Que em 2012 os anjos, iluminados, digam "Amém" à arte, à vida e à cultura em São João del-Rei

Dois mil e onze foi um ano próspero para a cultura de (e em) São João del-Rei. De janeiro a dezembro, das folias de Reis que alegram a cidade no primeiro mês do ano às comemorações natalinas, a cidade desenvolveu uma vasta, rica e complexa programação cultural nas mais diversas frentes - tão extensa e diversificada que é impossível descrevê-la neste espaço.

Tudo com muita autenticidade, resgatando, preservando e mantendo o que precisa ser conservado, acrescentando tons contemporâneos quando não descaracterizam e constituem enriquecimento, abrindo novos horizontes culturais, novos olhares, novos caminhos para o saber. A arte a se firmar como fator de inclusão, não apenas social e econômica, mas também como elemento de re-ligação do homem são-joanense consigo mesmo, com seu mundo e com o "mundo, mundo, vasto mundo", como falou Carlos Drummond de Andrade.

Viu-se a arte e a cultura são-joanenses se expandirem, valorizando a etnicidade da formação cultural de São João del-Rei, sobretudo no que diz respeito à vertente africana. Sem ressentimentos - ao contrário - com grande naturalidade e espontaneidade. Reparação? Não, reconhecimento...

Eventos culturais (no sentido mais amplo do conceito de cultura) quase que diários nas igrejas, nos teatros, nas praças públicas, enfim, em toda parte. Concertos, conferências, lançamento de livros, de CDs, de DVDs, exposições, recitais, novenas, folias, festivais, procissões, palestras, tapetes de rua, toques de sino, gastronomia marcante, restaurações, revitalizações e reapropriações. Poucas cidades do mundo, do porte de São João del-Rei, tiveram e tem programação tão extensa, tão intensa e tão frequente.

A cidade cada vez mais se materializa e ganha presença no universo virtual, propagada e difundida por são-joanenses e visitantes, na forma de vídeos e documentos diversos, nos mais diferentes canais eletrônicos. Isso não pode ser desprezado.

Diante de tanta grandiosidade e de tanta profusão, tão próprias da alma barroca de São João del-Rei, uma iniciativa implementada no mês de dezembro, pela modéstia, simplicidade e singeleza, se destaca: a restauração e revitalização do Presépio da Muxinga.

Em tudo, esta conquista deve servir de exemplo. Desde a espontaneidade da criação do Presépio, pelos irmãos Teixeira, no começo do século XX, até a ação voluntária e cidadã das pessoas que, contemporaneamente, se empenharam e viabilizaram sua restauração e retorno ao local de origem, na ladeira da Muxinga. Voluntariado e cidadania que espelham também a abnegação da família dos criadores Teixeira, ao tornar coletivo um patrimônio particular, possibilitando, inclusive, que o Presépio fique em exposição permanente, aberto para visitas nos feriados e fins de semana, à tarde.

A revitalização do Presépio da Muxinga talvez possa ser considerada um dos mais representativos símbolos das conquistas culturais de São João del-Rei em 2011. Que contemplando esta iniciativa e nela inspirados, todos os são-joanenses se unam para novas conquistas e realizações culturais em 2012!
...........................................................................
Ilustração: detalhe da ferragem da antiga Leiteria de São João del-Rei, hoje agência Bradesco, ao lado do Teatro Municipal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …