Pular para o conteúdo principal

Em São João del-Rei, sino que não se comunica, se trumbica!

Há dois anos, exatamente no dia 3 de dezembro de 2009, São João del-Rei recebeu uma boa notícia, há muito esperada: o tocar dos sinos de nossas bicentenárias igrejas foi finalmente reconhecido pelo Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN como patrimônio imaterial brasileiro. Passou, assim, a integrar a pequena lista dos bens culturais imateriais classificados como riqueza cultural de nosso país.

Como se trata de uma valiosa conquista para a cultura e para a memória de São João del-Rei, pelo que representa em termos de salvaguarda, preservação, divulgação e difusão de expressão tão peculiar de nossa terra, data e fato não podem ser esquecidos. Ao contrário, precisam ser sempre lembrados, pois os toques dos sinos tão incorporados estão ao cotidiano são-joanense que muitos da terra, tão ordinariamente acostumados aos seus ritmos e  sonoridades, neles não percebem mais nada de excepcional.

Pouco a pouco a linguagem dos sinos de São João del-Rei vem ganhando cada vez mais notoriedade e visibilidade, mas esta repercussão ainda não é o bastante para fazer jus ao seu real significado e importância como expressão artística e cultural. Em sua maioria, os registros produzidos e existentes são isolados e afetivos, o que lhes garante grande espontaneidade mas os priva de qualidade técnica e concepção estratégica. Há clips interessantes sobre os sinos são-joanenses voluntariamente produzidos e postados no Youtube; há alguns anos foi produzido o DVD Entoados, há pequenos estudos publicados na internet, mas falta, por exemplo, um CD com o registro dos toques mais sofisticados e expressivos e um documentário, com base em estudos históricos e na história oral sobre a atividade sineira em São João del-Rei.

Fazendo modestamente (e com bastante humildade) sua parte,  o almanaque eletrônico Tencões & terentenas, a partir desta edição, divulgará um abecedário dos toques sineiros de nomes mais pitorescos e originais executados em São João del-Rei. Vamos a eles:

 Agonia (toque) - Nove pancadas no sino principal da irmandade ou confraria a que pertence o irmão agonizante. Normalmente o espaço entre as pancadas corresponde ao tempo de se rezar uma Ave Maria. Por origens históricas, não é incomum que esse toque seja feito no sino da Igreja de Nossa Senhora das Mercês independentemente de o cristão doente ser ou não filiado à irmandade ali sediada.

Almas  (toque) - Assim é chamado o último Angelus do dia, executado em horários diferentes, segundo duas estações do ano: às 21 horas no verão e às 20 horas no inverno. Possivelmente a dicotomia verão / inverno foi a forma encontrada para identificar a diferença dias mais longos, mais regidos pelo sol, e dias mais curtos, quando anoitece mais cedo.

Angelus (toque) - Nove pancadas espaçadas no sino principal das igrejas, ao meio dia, às seis da tarde e às 20 ou 21 horas. Do mesmo modo que o toque das Almas, o toque do Angelus é executado diariamente durante todo o ano, exceto na Sexta-Feira da Paixão e no Sábado de Aleluia.

Canjica queimou, Pé de galinha ou Canjiquinha (repique) - Bastante movimentado e alegre, é usado nos finais de festa em todas as igrejas, exceto na Matriz de Nossa Senhora do Pilar.

Chagas ou Morte do Senhor (toque) - Quatro dobres bem espaçados de uma pancada no sino da Irmandade de Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos da Matriz do Pilar, seguidas do "descaimento" do sino. É executado às três horas da tarde de todas as sextas-feiras do ano, exceto na Sexta Feira da Paixão.

Cinzas (dobre) - Dobre duplo bastante compassado e pungente, executado no sino do Santíssimo Sacramento da Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar, na Terça-Feira de Carnaval (Terça-Feira Gorda), às 21 horas, durante cerca de 10 minutos, como aviso de que haverá missa no dia seguinte. Tocado várias vezes, desde a manhã da Quarta-Feira de Cinzas, anuncia a realização de missa noturna e, durante a missa, é executado desde seu início até o final da imposição das cinzas. Finda quando se descai o sino.
...........................................................................
Fonte: http://www.horizontegeografico.com.br/index.php?acao=exibirMateria&materia%5Bid_materia%5D=1226

Sobre o mesmo assunto, acesse também:
. http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com/2011/08/tencao-do-rosario-de-sao-joao-del-rei.html
. http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com/2011/04/na-semana-santa-de-sao-joao-del-rei_20.html
.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …