Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei olha para o alto e contempla o Senhor dos Montes (anotações)



      Anotações para um poema indagativo e inconcluso

Em São João del-Rei, neste primeiro domingo de setembro, a tarde insiste em não cair.
E nem pode. Como resistir ao burburinho da praça - algodão doce, pipoca, criança,
cachorro ... Como fugir do contato com aquela gente feliz, sacudida, que veste roupa
quarada e enxugada ao sol; como negar aos apelos do sino humilde, que toca frágil
como um cordeirinho perdido; como virar as costas para a igrejinha bicentenária e
modesta, pontilhada de luzes, eternizada pelo momento ímpar? A noite apressa-se,
interessada, mas a tarde resiste e ignora a ordem natural. É dia do Senhor dos Montes!

De repente, cometas de pólvora cortam o céu ainda azul, deixando o rastro prateado,
para explodir onde a vista alcança. A banda toca uma marcha gloriosa, notas robustas
saindo das tubas, das trompas, dos trombones, dos tambores. Foguetes  velozes pontuam
o universo sonoro com exclamações, vírgulas, ponto e vírgulas, interrogações, reticências...

A cruz paroquial aparece na porta da igreja, ladeada por duas fileiras de "irmâos".
No auto-falante ouve-se muitos vivas ao Senhor Bom Jesus dos Montes.
O Céu desce ao chão.

Alegre, procissão ganha as ruas. Nossa Senhora das Dores, pequenina, vem na frente,
carregada em andor por quatro moças. Anjos morenos e maduros, esculpidos em carne
e osso pelo sobe-e-desce ladeira, entre a panela de pedra no fogo, a bacia de roupa
no quintal e a tela da TV. Outras quatro carregam lanternas. Neste dia de festa haverá
trevas a clarear?

Sobre os ombros de quatro homens, Nossa Senhora da Piedade levita, com o corpo
de Cristo defunto a seus pés. Seu olhar é um brilho reto, infinito, a desnudar e
abrandar desejos, intenções e pensamentos, sem atenção nenhuma para o Cruzeiro
do Sul nem para as orquídeas que lhe espalharam pelo caminho.

Deitado na cruz, recostada entre muitas flores, vem mais atrás, antes do pálio,
o Senhor Bom Jesus. Vitorioso - apesar do sangue na face, dos cravos e da coroa
de espinhos - não se vanglorianem padece de qualquer sofrimento. Pelo contrário,
segue cordioso, misericordioso, entusiasmado e decidido por ladeiras íngremes,
ruelas curvas, de casas simples, enfeitadas com flores, bandeirinhas, balões,
quadros de santo e imagens na janela, velas acesas, desenhos de serragem colorida
no chão. No embalo de seu povo, platônica paixão, Senhor dos Montes,
em amor recíproco, hoje e sempre, é só paciência, esperança, bondade e perdão.


Leia também
.........................................................................
Fotoparticipação: Andrea, do blog  http://meucantinhodeleituraeescrita.blogspot.com/
                               Valeu, Andrea, obrigado!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …