Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei, salva-te a ti (e de ti!) mesma...


Na próxima quarta-feira, dia 14 de setembro, a população do bairro de Matosinhos, em São João del-Rei, estará comemorando uma festa religiosa muito importante: o Jubileu do Senhor Bom Jesus de Matosinhos.

A devoção ao Senhor de Matosinhos em São João del-Rei é muito antiga, pois a cidade ainda era uma vila quando, em 1771, no dia 6 de setembro, foi autorizada a construção da igreja. Da autorização ao começo da construção passaram-se menos de dois anos, pois o padre Dr. Matais Antônio Salgado, em 6 de maio de 1773, doou o patrimônio que viabilizou a empreitada(1).

Desde o início, as homenagens ao crucificado de Matosinhos de São João del-Rei atraíam grande multidão. Numerosas romarias, de 5 a 13 de setembro, para ali deslocavam-se das mais diversas localidades e pelos mais diferentes meios, para pagar promessas, agradecer graças, renovar a fé e pedir proteção. A simplicidade, sinceridade e espontaneidade conferiam à "festa" caráter despojado e popular, bastante diferente das celebrações pomposas, promovidas pelas irmandades da Paróquia de Nossa Senhora do Pilar.

Três séculos se passaram, Matosinhos se urbanizou, ganhou ares industriais e hoje é um dos bairros mais movimentados de São João del-Rei. Mas a festa do padroeiro não se intimidou com o desenvolvimento. Ao contrário, também ela se adequou aos novos tempos, acompanhando o modo de vida do povo daquele lugar, sem, contudo, desvirtuar-se ou perder-se de seu espírito original. Continua viva. Este ano, por exemplo, na abertura teve até um passeio ciclístico na manhã do dia 4, com centenas de bicicletas enfeitadas com fitas e balões vermelhos e amarelos - cores locais do Bom Jesus.

A igreja do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, construída no século XVIII, não teve a mesma sorte da festa. Por iniciativa e empenho do pároco Jacinto Lovato, foi demolida em 1970, apesar de São João del-Rei já ter sido tombada como patrimônio histórico em 1938 e já haver no Brasil, na década de setenta, consciência e responsabilização do poder  público pela preservação da memória nacional. Hoje em seu lugar existe, edificada, uma igreja grande, moderna. O que um padre generoso, por amor e fé, construiu outro, ambicioso - por ignorância e prepotência - destruiu.

A demolição da igreja original daquele Bom Jesus cristalizou-se como  lembrança dolorosa na memória de São João del-Rei. Chaga viva no coração de Matosinhos. Lágrima amarga na face da imagem crucificada e atônita de Nosso Senhor.

(1) www.ograndematosinhos.com.br/bom_jesus.htm
...........................................................................
Leia também
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com/2011/05/menos-de-cem-anos.html
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com/2011/05/sao-joao-del-rei-em-festa-salve-o.html

Comentários

  1. Sinto uma tristeza tão grande quando vejo alguma imagem dessa igreja e lamento nunca ter podido conhecê-la. Felizmente essas coisas não acontecem mais por aqui. E aquele assunto da portada que está em uma fazenda no interior de São Paulo? A última notícia que tive era de que os herdeiros já haviam concordado com a devolução. Você sabe mais alguma coisa sobre isso?
    Um abraço e até mais

    ResponderExcluir
  2. Andrea, tenho uma vaga lembrança da igreja, barroca mas meio rústica, sempre cheia de gente - forte expressão da religiosidade católico-popular. Não há, hoje, pessoa sensata que não lamente sua demolição.

    Sobre o retorno da portada para São João del-Rei, Dr. Wainer Ávila escreveu, em junho de 2010, um artigo elucidativo sobre a questão. Foi publicado em http://www.ihgsaojoaodelrei.org.br/?Pagina=apresenta_noticia&Id=79.

    Lendo-o, porém, fiquei com uma dúvida: a portada já está em São João e só ainda não pode ser vista pelo público por não terem definido sua destinação?

    Se voê descobrir algo a respeito, me informe.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Pois é Antônio, fica aí a dúvida, foi exatamente nesta matéria que tomei conhecimento do ganho de causa, mas já se passou mais de 1 ano e não ouvi falar nada além. Não acredito que ela já esteja em São João del-Rei, algo assim não ficaria escondido por tanto tempo. Ficamos então no aguardo, se ficar sabendo alguma novidade informo.
    Um abraço e até mais

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …