Pular para o conteúdo principal

Assim como os modernistas, tropicalistas também passaram por São João del-Rei. E deixaram compromissos e saudades!

São-joanenses menores de 55 anos certamente não se lembram, mas a dois de outubro de 1973 o Teatro Municipal de São João del -Rei  foi palco de um dos mais importantes  shows  do movimento tropicalista. Naquele dia, o antológico Índia, de Gal Costa, passou pela cidade.
O espetáculo foi um marco na trajetória da música popular brasileira. O repertório resgatava Cascatinha e Inhana, Dalva Oliveira, Lupicínio Rodrigues, Adoniran Barbosa, Geraldo Pereira e Luiz Gonzaga, mesclando-os com  os vanguardistas Wali Salomão e Jards Macalé, com os exilados Caetano Veloso e Gilberto Gil – todos em volta do até então desconhecido Luiz Melodia.
Desde aquele tempo musa e ícone, Gal Costa mostrou-se impacto, ruptura, re-ligação, sensualidade, inesperado e surpresa. O avesso do óbvio. Vasta e volumosa cabeleira, enfeitada por um cravo e uma rosa. Branco e vermelha.  O  vermelho da rosa tingia de vermelho o batom, que  escorria para o vermelho do vestido, generoso no decote e nas múltiplas e infinitas fendas, que deixavam, desde a raiz, coxas à mostra, costas desnudas, pés descalços. Censura 18 anos, rapazes tímidos, diante do encantamento aliciante e sedutor, também ficavam vermelhos, perdiam o ar.

Suspiros e silêncio, quando no tamborete, com violão, marcava tempos e compassos com o movimento horizontal dos joelhos. Da Maior Importância, Presente Cotidiano, Trem das Onze, Desafinado, Ave Maria do Morro, Volta, Vapor Barato. Hipnose absoluta na plateia quando, elétrica, corria e girava por entre os músicos no palco, Dê um Rolê, Milho Verde, Baby, Assum Preto, Passarinho, Como Dois e Dois, Divino Maravilhoso, Falsa Baiana, Meu nome é Gal. Fatal.
Não ficou, na cidade, registro nenhum da passagem de Gal Costa por São João del-Rei. Foto, cartaz, ingresso, contrato, nota fiscal, autógrafo... Se existe alguma coisa, é segredo valioso, guardado a sete chaves, pois ninguém o conhece e nem nisso se fala. Quem tiver, ou souber, seja generoso, os apresente.

Mas quem assistiu ao show India no Teatro Municipal são-joanense, naquele distante dois de outubro, tem na memória, inapagável, a magia transgressora e poética de uma proposta artística antropo-auto-fágica, que buscava no ontem musical do país força para enfrentar e sobreviver à repressão absoluta  e homicida dos anos de chumbo. Ao resgatar, reler, decodificar, recodificar e ressignificar os patriarcas musicais, os tropicalistas, inspirados nos modernistas, sabiam estar abrindo trilhas para um futuro de dignidade e democracia.
De uns e de outros, São João del-Rei foi testemunha.  Agora, que venham – ou brotem daqui mesmo! - pós-modernistas e neo-tropicalistas!

Enquanto eles não chegam, vejamos os vídeos com a tela no tamanho máximo e o som no mais alto volume. Barato Total!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …