Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei amanheceu em estado de graça para a festa de Nossa Senhora das Mercês!

Uma igrejinha colonial alegre, singela e delicada, junto ao cruzeiro e ao cemitério, um pouco acima do Passinho da Paixão, mais alta do que todas as monumentais igrejas barrocas do centro histórico de São João del-Rei. Tão mais alta que a ela se chega subindo uma larga e elegante escadaria. Atrás dela, como proteção, a Serra do Lenheiro é uma muralha abissal e a seus pés derrama-se a cidade brotada em 1703. Assim pode ser descrita a igreja de Nossa Senhora das Mercês.

A partir do entardecer de hoje ela estará ainda mais iluminada, mais visível de todos os pontos da cidade, para avisar, aos são-joanenses, que a Festa de Nossa Senhora das Mercês está começando. E que durante os próximos dez dias vai movimentar aquela colina e o seu grande largo - que é quase uma esplanada - com música barroca, novena, barraquinhas, foguetórios, banda de música, coloridos fogos de artifício e todos os encantamentos que deixam São João del-Rei em estado de graça.

Por dentro, a igreja parece um recorte do céu. Tem altar-mor azul claro e dourado e, nele Nossa Senhora das Mercês, com sua coroa de prata e grinalda de flor de laranjeira, equilibradas sobre o rosto pendido como para um terno abraço. Para isso, os braços estão abertos, tendo em uma das mãos, como presente para os são-joanenses, um buquê de cravos, graças, mercês e favores. Em nichos laterais, São Pedro Nolasco e São Raimundo Nonato, como escudeiros, tudo assistem. Pouco mais abaixo, na linha do arco-cruzeiro, dois altares laterais lembram, em cenas da flagelação de Cristo e do Calvário, que a igrejinha das Mercês é templo do amor de Deus em favor dos homens.

Com suas missas, novenas barrocas, terços, leilões, procissões, música e divertimento, a festa das Mercês acontece há séculos em São João del-Rei. Outrora, além da importância religiosa, desfrutava também de muito prestígio social, sendo marca importante na contagem do tempo pelos são-joanenses. Era ocasião de se mostrar, ver e ser visto. Na modernidade de nossos dias, muita coisa mudou, mas a festa continua firme, hoje não só como expressão de fé e religiosidade, mas também como manifestação cultural que é patrimônio da "terra da música, onde os sinos falam".
............................................................................
Leia também
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com/2011/09/seria-hoje-em-sao-joao-del-rei-um.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …