Pular para o conteúdo principal

No Carnaval de São João del-Rei, não tem "Surpresa". "Tudo é Ilusão". Triângulo amoroso no samba.



Não é segredo para ninguém. Mesmo nas melhores famílias, de vez em quando um triângulo amoroso acontece, transformando em infortúnio e desgosto uma história de amor que tinha tudo para chegar ao final feliz. A vida é assim. Ainda mais quando o samba está por perto. Que o digam Paulinho da Viola, João Bosco, Chico Buarque e Aldir Blanc.

Há tempos atrás, um estranho triângulo amoroso aconteceu em São João del-Rei e, certamente, o fato ainda hoje é lembrado por são-joanenses que já cruzaram a faixa dos cinquenta anos. Os personagens? O compositor-coveiro-carnavalesco Agostinho França, a música Surpresa e a indústria fonográfica.

Para os são-joanenses o samba Surpresa, normalmente cantado nos desfiles carnavalescos dos anos sessenta como hino da Escola de Samba Depois Eu Digo, fora composto por Agostinho França. Tanto que a letra, conhecida de cor na cidade pelos mais antigos, finalizava com a sequinte quadra:
 
                            "Toda vida trago comigo
                             a Escola de Samba Depois Eu Digo.
                             Será sempre imitada
                              mas nunca será igualada!"

Para surpresa geral (o trocadilho é propositado), nos anos setenta, Surpresa mudou de cidade e de nome. Como quem foge sorrateiramente e não quer ser reconhecido, passou a se chamar Tudo é Ilusão. Escolheu o Rio de Janeiro como novo domicílio. De lá, correu o Brasil na voz de Clara Nunes e de Dalva de Oliveira, declarando ser fillha de Anibal Silva, Eden Silva e Tufir Lauar - seus autores / compositores oficiais. O verso-homenagem à escola de samba, órfão abandonado, coitado, ficou em São João del-Rei. Abandonada também ficou a paternidade de Agostinho França.

Volta e meia Tudo é Ilusão é regravada, como o foi há pouco tempo, na voz da grande cantora Teresa Cristina. E de tempos em tempos continuará sendo, tamanha sua beleza poética e melódica. Seguirá correndo o Brasil e o mundo. Mas para São João del-Rei continuará sendo a ingrata e querida filha pródiga chamada Surpresa que, sem retorno nem saudade, abandonou para sempre o coração e os carinhos do negro pai Agostinho França - Deus o tenha, o conforte e o recompense...


Ouça, no link abaixo, uma montagem da gravação de Tudo é Ilusão (para nós, Surpresa!), nas vozes de Dalva de Oliveira e de Clara Nunes.

Comentários

  1. Alguns historiadores contestam o fato. Mas para mim são-joanense, essa é uma daquelas verdades que não me importa. Quando eu ouvir o belo samba 'Tudo é ilusão' vou comentar com quem estiver ao lado: "Este samba é de um compositor são-joanense, Agostinho França, e foi copiado" assim como me foi contado!
    Em tempo, Agostinho França é citado no samba do Bloco unidos do Cambalhota deste ano "Alma barroca, sagrada e profana" http://www.unidosdacambalhota.com.br/ ouça o samba, acho que vai gostar. Foi inspirado na crônica do 'Ambição Literária' http://ambicaoliteraria.blogspot.com/2011/03/alma-barroca-sagrada-e-profana.html
    Importa que Agostinho França foi um grande compositor e merece ser lembrado!
    Bom carnaval para vc Emilio e para todos leitores do blog!
    Abraços, KK

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …