Pular para o conteúdo principal

Bloco dos Caveiras de São João del-Rei. Primeiro foi devoção. Agora é debochada diversão...

Nos quintais dos casarões coloniais do Largo da Cruz, do Largo do Carmo, do Largo das Mercês, do Largo do Rosário, sob a imponência das torres das belas igrejas e ao som quartorário de seus sinos, caveiras brancas estão secando ao sol. Grandes túnicas pretas e roxas estão sendo costuradas. Letras tornam altos estandartes mensageiros de legendas funestas, advertências ameaçadoras. Ossos animais se descarnam ao tempo para mostrar, em certa noite carnavalesca suas cruentas articulações. Uns, murchos e amarrotados nos cantos, outros, jogados sobre caixões funerários, diabos vermelhos, despegados de seus tridentes, aguardam a hora de se inflamar e ganhar vida. A comprida e prateada foice da morte, caída no chão e previamente manchada de sangue, sem pressa sonha erguer-se no escuro e, em lentas curvas, ceifar pescoços.

Assim são os espaços onde, em São João del-Rei, se preparam as máscaras, roupas, carros e adereços do Bloco dos Caveiras -cinquentona instituição carnavalesca que, tempos atrás, já fez medo a muitos hoje valentões marmanjos.

Ainda atualmente o Bloco dos Caveiras é inquietante. Mesmo desprovido de sua dramaticidade e seriedade anterior, fruto dos tempos modernos mais voltado para o escracho e para o deboche, em meio à cerveja, à cachaça com mel, à batucada e ao som eletrônico que são agora o Reino de Momo, o Bloco dos Caveiras, com sua bandinhade metais e efeitos sonoros, ainda traz flashes de um universo misterioso e sombrio: o outro lado vida, o mundo obscuro da imaginação, o Hades, o Limbo, a des-Ordem, o Caos, o Avesso, o Antes, o que pode vir depois.

De novo incorporado à cultura são-joanense provavelmente nos idos de 1960, agora no domínio popular e com formato carnavalesco, o Bloco dos Caveiras de São João del-Rei tem sua origem em uma manifestação religiosa que acontecia na cidade ainda nos séculos XVIII e XIX. Naquele tempo, anualmente, também no mês de fevereiro, a Ordem Terceira de São Francisco promovia a Procissão das Cinzas que, baseando-se na descrição de alguns viajantes europeus, pode-se dizer que, guardadas as devidas proporções, tinha muitas afinidades com o cortejo funerário-carnavalesco contemporâneo.

Ao que tudo indica, era uma celebração importante e muito alegórica, oficial, cara, organizada com esmero e que requeria grande espaço físico para sua montagem e produção. Tanto que, segundo pesquisa de Sebastião de Oliveira Cintra, há 239 anos, no dia 1º de fevereiro, "A Ordem de S. Francisco resolve não realizar em 1773 a Procissão de Cinzas - 'porque se achava dando princípio ao ajuste para a feitura da nova igreja'."
...........................................................................
Sobre o mesmo tema, leia também
No Bloco dos Caveiras, até a Morte dança...http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com/2011/03/no-bloco-dos-caveiras-ate-morte-danca.html

Comentários

  1. tradição de sair desde criança amo o bloco cada vez mais
    os antigos passando de pai pra filho e tals
    cara é bom demais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Anderson, concordo contigo que as gerações mais velhas passam o bastão para mais novas, que no caso são o caixão e o osso femur!KKK

      Também já saí nos Caveiras, há muitos anos, muitos mesmo. Naquele tempo o bloco parecia mesmo coisa do outro mundo. Era cabuloso, puro terror. Causava pavor.

      Hoje ele modernizou, pós-modernizou. Anda trocando o mistério pelo cotidiano, optando pela crítica explícita a figuras e fatos da cultura de massa. Tá se tornando um bloco deste mundo. Mas ainda é legal. Ainda causa algum medo, mas muito mais riso do que medo.

      Parabéns e respeito à falange do bloco! Carpe Diem! Resquiecat in Pace! Pensando bem: "Quando eu morrer, não quero choro nem vela, quero uma fita amarela...

      Gde abraço.

      Emilio.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …