terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

São João del-Rei guarda precioso tesouro da Revolução Francesa

De um modo geral, não se tem noção de quão vasto e precioso é o patrimônio cultural de São João del-Rei. Um exemplo disso é a coleção de jornais Le moniteur universel, publicada em Paris na época em que Joaquim José da Silva Xavier, nosso herói Tiradentes, subia e descia montanhas de Minas difundindo com inflamado entusiasmo os ideais da Inconfidência Mineira.

Desde 1827 a coleção pertence ao acervo da Biblioteca Baptista Caetano de Almeida - a primeira biblioteca pública de São João del-Rei e de Minas Gerais. Sobre ela o Jornal do Brasil publicou, há 20 anos, o texto transcrito abaixo, assinado pelo jornalista Wilson Coutinho. Classificado como "Recado", pedia proteção e cuidados visando a conservação e preservação daquela preciosidade:

Salvem ‘Le moniteur universel’
Em São João D’El Rey, uma rara coleção do jornal
da Revolução Francesa precisa de cuidados
Wilson Coutinho

A Biblioteca Baptista Caetano d’Almeida, em São João D’El Rey, guarda uma relíquia em suas estantes, coleção única no Brasil e raríssima no mundo. Trata-se das edições do jornal Le moniteur universel – o órgão oficial da Revolução Francesa, ou melhor, da República. O acervo foi parar em Minas Gerais quando o fundador da biblioteca, Baptista Caetano, o adquiriu, em 1827, num leilão no Rio de Janeiro. Desconhece-se ainda quem foi seu proprietário original e como a valiosa coleção do jornal revolucionário veio parar no Brasil.

Lendas rondam São João D’El Rey, que como todas as cidades históricas mineiras têm prazer de cultivá-las. Conta-se que os jornais pertenciam aos inconfidentes ou que estudantes, em Coimbra ou Paris,  os traziam escondidos como aríetes literários da subversão. Lendas boas de ouvir e que servem para puxar a imaginação. Imagine Bárbara Heliodora, mulher do inconfidente Alvarenga Peixoto, folheando as suas páginas, atrás de notícias sobre a Assembléia, ou lendo o processo que condenou Maria Antonieta.

Que as lendas vivam, mas o fato é que os jornais chegaram em São João D’El Rey no século passado. Le moniteur foi criado em 5 de maio de 1789 por Charles Joseph Packoucke, o célebre editor de Voltaire, e proprietário de Le Mercure de France. Foi transformado em diário em 24 de novembro, cuja primeira edição pode ser encontrada na Biblioteca Baptista Caetano d’Almeida.

O editorial não é, ao contrário dos panfletos da época, incendiário. Chama a atenção seu tom equilibrado, a proposta de publica seu noticiário com “exatidão pelos fatos, fidelidade escrupulosa na transcrição dos decretos”. Baseado nesses critérios, o jornal manteve-se, seguiu todas as marchas e contramarchas do período revolucionário e só fechou em 1901. Hoje é um documento de raro valor.

Historiadores franceses, quando visitam a biblioteca, ficam admirados em encontrar um tal monumento no Brasil. Mas há problemas. Apesar do esforço da Prefeitura e do carinho das bibliotecárias, a coleção luta contra traças, precisa de um local mais apropriado para ser guardada e necessita de trabalho de técnicos especializados para preservá-la antes que seja tarde demais.

É preciso salvar Le moniteur por tudo que representa: como documento, como história, pelo ideário iluminista que descreve em meio aos conflitos da época. Um secretário de Cultura, como Sérgio Paulo Rouanet, iluminista de coração e idéias, não deve deixar a coleção para a engorda das traças nem para sucumbir à umidade. Um poeta como Affonso Romano de Sant’Anna, diretor da Biblioteca Nacional, pode dar uma ajuda. Além de empresas privadas e ricos, destes que pouco fazem pelo país. Vale qualquer esforço para salvar um monumento que registrou um dos mais ricos períodos da história da humanidade.
.................................................................

Publicado pelo Jornal do Brasil, edição de 2/05/1992, Caderno Ideias / Livros & Ensaios, página 3 - retranca Recado.
.................................................................

Wilson Coutinho, era carioca, jornalista, crítico de arte e mestre em Filosofia pela Universidade Católica de Louvain, Bélgica. Trabalhou nos jornais Opinião, Jornal do Brasil / Caderno Idéias, O Globo, Folha de São Paulo e Tribuna de Imprensa e nas revistas Veja e Arte Hoje. Foi curador e diretor do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e vencedor, em 1969, do Concurso Esso de Literatura; idealizador e organizador das coleções Perfis do Rio, Arenas do Rio e Cantos do Rio. Faleceu em agosto de 2003

Nenhum comentário:

Postar um comentário