Pular para o conteúdo principal

Carnaval de São João del-Rei pode ter mais do que Liberdade Condicional


Carnaval, com certeza, dura mais do que três dias, ou, sendo mais objetivo, dura o tempo todo que nele se pensa ou que dele se lembra. A não ser a data fixada por calendário e o estabelecimento de "áreas" geográficas e cronológicas que, disciplinadoramente, fixam locais e horários, e da oficialização manifesta pelo estabelecimento - por meio da subvenção - de algumas atividades organizadas, como desfiles das escolas de samba, blocos, ranchos, tudo no Carnaval genuíno é espontâneo. Algo como se fosse a subjetividade coletiva. Por isso, vez por outra se ouve dizer "espírito do carnaval", "alma carnavalesca" e por aí afora...

Pensando assim, chega-se à conclusão que Carnaval, no seu sentido autêntico e verdadeiro, é uma festa onde não cabe a "liberdade condicional", ou seja, é uma festa que transcende a oficialização que tentam adotar como sua determinante. Indo direto ao assunto, falo do fato de condicionarem e submeterem esta prática cultural à subvenção financeira do poder público, resumindo-a ao desfile de agremiações carnavalescas.

Lançada esta isca de pensamento e reflexão, vamos dar uma volta pelas lembranças e relembranças do reinado de Momo nos velhos carnavais de São João del-Rei? Os são-joanenses octogenários com certeza se lembrarão do Rancho Carnavalesco do Boi Gordo e do Bloco União das Flores. Os são-joanenses antigos se lembrarão do Príncipe da Lua, do Custa Mas 'Vae', do Bate Paus, da Depois Eu Digo, da Qualquer Nome Serve, da Falem de Mim, do Largo da Cruz, do Pão Molhado. Os mais jovens têm como referências a Bandalheira, o Bloco da Alvorada, a Lesma Lerda, as Domésticas e o Vamos a La Playa.

Cidade plural, múltipla, diversa, construída e vivida por muitos - muitos velhos e muitos jovens - São João del-Rei, tal qual no tempo do ouro, hoje harmoniza nativos e forasteiros. Com um olho e com uma mão conserva e preserva riquezas culturais de ontem, mas com outro olho procura ver o futuro e com outra mão construir o amanhã, tudo no tempo marcado pelo coração.

Folhear o Carnaval de rua, espontâneo, de ontem, de São João del-Rei em décadas passadas é como folhear um livro de Debret. Negas Malucas, diabos, melindrosas, ciganos, havaianas, piratas, baianas, carrascos, palhaços, colombinas, gatinhos, Donas Onças, Zé-Pereiras, malandros, centuriões, bailarinhas, presidiários, pierrôs, borboletas, demônios, mosquitos, caveiras, fadas - a fantasia interior de cada um a brincar pelas ruas, becos, jardins, ladeiras e largos de São João del-Rei, dando asas à imaginação e criando uma ambiência lúdica que nâo tinha lugar em outros dias do ano. Fantasia interior, asas da imaginação e ambiência lúdica que não eram subvencionadas.

O olhar de São João del-Rei que busca o futuro bem podia olhar-se neste espelho e ver nele a necessidade que existe de libertar e fantasiar o Carnaval. Cada um pondo na rua seu sonho, sua imaginação e sua fantasia, brincando em liberdade criativa, ampla, responsável, geral e irrestrita. A alegria verdadeira é incompatível com a liberdade condicional.
...........................................................................
Leia também

Comentários

  1. Olá sou do estado do Espirito Santo e estou planejando passar o carnaval ai em São João Del Rei, gostaria de saber se alem de muita folia no carnaval tambem posso visitar os monumentos historicos da cidade ou eles ficam fechados para visitação nesses dias?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, bem-vinda!

      Você conhecerá uma cidade-monumento vivo, construída ao longo de 3 séculos. Sua arquitetura, de vários estilos (do colonial barroco até o moderno, com expressões dos séculos XIX e XX), é harmônica e deixa bem evidente a evolução.

      Os museus fecham porque ficam no trajeto da folia, mas as igrejas cumprem funções religiosas normalmente. Assim, você poderá visitá-las nos horários das missas.

      No mais,São João del-Rei te espera. Seja bem-vinda!

      Excluir
  2. Obrigada Antonio pela sua resposta, estou cada vez mais interessada em conhecer São João Del Rei, e gostaria de mais uma informação sua, se for possível me responder claro, queria mais informações a respeito de hospedagens. Estou indo com meu namorado, o que você me sugere?
    Mais uma vez obrigada e boa noite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Com certeza, com o olhar arte-educador você encontrará muita coisa para ver em São João del-Rei. Principalmente se buscar o que está além do óbvio e do explícito, mas sim presente no que é singelo, ingênuo, autêntico e sutil.

      Não se sabe de nada que deponha contra a higiene, a segurança e a qualidade do atendimento das pousadas são-joanenses, mas não se pode esquecer que, no Carnaval, em qualquer lugar do mundo, às vezes acontecem coisas inesperadas e imprevisíveis.

      Uma dica: não demore para escolher e reservar, pois a procura é sempre grande.

      Muita alegria, bom carnaval e folheie sempre este almanaque eletrônico. Inclusive para encontrar dicas do que visitar em São João e conhecer previamente um pouco da história, da cultura e das curiosidades e fatos pitorescos da cidade.

      Grande abraço.

      Excluir
    2. Claubol, sumiu um pedaço da mensagem anterior, que repito aqui:

      Para garantir autonomia plena a este almanaque eletrônico, a linha editorial de Tencões & terentenas é restritiva quanto à indicação de estabelecimentos comerciais. Contudo, como muitas pousadas são-joanenses têm site, sugiro que você os acesse para subsidiar sua escolha.

      Grande abraço!

      Excluir
  3. Sua linha editorial, ou melhor, suas percepções, são fantásticas Emílio. Sem pedir "licença", divulguei este link no Daqui de Pitangui, hoje.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leonardo, obrigado pela força, que vem de longa data. Quanto ao elogio, tanto quanto eu você sabe como nos dedicamos e esforçamos para fazer bem à nossa terra natal. Continuemos juntos e solidários, São João del-Rei e Pitangui, nesta empreitada. Grande abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …