Pular para o conteúdo principal

Senhor Bom Jesus dos Montes, do alto de vossa colina, olhai misericordioso para São João del-Rei!


Reprodução de imagem de cartaz 2007 - Paroquia Sr. do Monte


Em São João del-Rei, o povo do Senhor dos Montes já está em festa. Desde a tarde desta sexta-feira, 26 de agosto, mal o sol se despede por detrás da Serra do Lenheiro, no alto da colina do Cristo, foguetes fazem riscos de cometa dourado e estouram no céu crepuscular. Avisam que dentro em pouco começará a novena ao generoso e complascente crucificado padroeiro. O sino, da capela humilde, dobra leve e veloz, espalhando pelos quatro ventos seu som menino. A vida não envelhece no alto do Senhor dos Montes. Pode ser que se ouça até, pelo autofalante, o canto da Ave Maria. Coisas imemoriais de São João del-Rei, de alguns recantos esquecidos de Minas...

Durante toda a semana será assim. E mais: a comunidade do bairro se mobilizará limpando a pequenina igreja, roçando o mato, capinando a rua, lavando a roupa dos santos e dos anjinhos, lustrando as lanternas, aparando as velas das tochas, recolhendo prendas para os leilões, preparando empadinhas de massa grossa, quentão, caipirinha, biscoitos fritos de açúcar e coco, bolos de laranja, quibes, pastéis, coxinhas e tudo saudoso que só se encontra nas barraquinhas sobreviventes de um tempo que já se foi. Mas que no bairro do Senhor dos Montes, felizmente, volta todo ano, no começo de setembro, até que chegue o primeiro domingo do mês. Neste dia santos saem em procissão.

O bairro do Senhor dos Montes tem como muralha protetora a Serra do Lenheiro, onde à mão, sobre a terra, no cascalho, se catou muito ouro nos primeiros anos setecentos. Entre ela e ele, corre o Ribeirão de São Francisco Xavier - cordão d'água que atraiu, amarrou e amansou violentos bandeirantes, seduzidos pela cobiça e pela riqueza, mal se assentara naquele chão de meu Deus o Arrarial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes.

Daquele tempo, o ouro acabou. Contemporânea, a violência encontrou outras causas, outras raízes, sobreviveu, se urbanizou. Mas a riqueza interior do povo do Senhor dos Montes - indiferente ao exaurir aurífero e às insanidades humanas que se nutrem de desigualdades e injustiças - prossegue serena, convicta e inabalável, setembro a setembro, como o olhar indagativo da imagem do Cristo crucificado, de Nossa Senhora das Dores e de Nossa Senhora da Piedade que este ano, no entardecer do próximo dia 4, percorrerão as ruas, becos, atalhos e trilhas do Senhor dos Montes, olhando do alto, contemplativos e misericordiosos, para a outra - barroca e altiva - São João del-Rei.

Esta, cá de baixo, mirando os foguetes, ouvindo os sinos, imaginando o sabor das delicias e ansiando as emoções que já não sente mais, cidade importante, imponente, barroca e altiva sentirá no coração um aperto:

Leia também

Comentários

  1. Adorei o post sobre meu bairro, você descreveu com propriedade essa linda manifestação religiosa que aqui acontece a cada ano. Só faltou uma foto da nossa igrejinha.

    ResponderExcluir
  2. Andrea, realmente faltou, mas porque eu não tenho em meu acervo. Peço desculpas ao povo do Senhor dos Montes, de quem eu gosto tanto (do bairro, do povo e do santo).

    Mas você pode me ajudar a corrigir esta falta: que tal fotografar a igreja e festa do padroeiro e me enviar? Se você fizer isso, então eu tenho como substituir a foto que ilustra a matéria.

    Obrigado por seu contato e reivindicação. Estou esperando,hein?!

    Grande abraço.Emilio.

    ResponderExcluir
  3. Olá Emílio, será um prazer poder contribuir um pouquinho. Ah, a matéria e foto sobre a festa das Mercês ficaram ótimas. Parabéns por esse espaço onde realmente pode-se conhecer mais do que fotografias de São João del-Rei, aqui se conhece também a história da cidade e de seu povo.
    Um abraço e até mais.

    ResponderExcluir
  4. Valeu, Andrea, contribuições são sempre bem-vindas; pois a proposta deste almanaque eletrônico é ser um ambiente colaborativo em favor de São João del-Rei, não só sua paisagem física e cultural, mas também a paisagem viva, que é seu povo.

    Tô esperando as fotos. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Andrea, obrigado pela foto. Confira: http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com/2011/09/sao-joao-del-rei-sauda-o-senhor-dos.html

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …