segunda-feira, 29 de agosto de 2011

São João del-Rei, "de barro e oca. Barroca."


Desde há muito tempo viajantes e escritores, passando por São João del-Rei, inspirados pela magia do lugar, dedicaram-se a registrar, em seus apontamentos, principalmente na forma de versos e poemas, singularidades são-joanenses.

O Conde de Sant'Ana, por exemplo, quando aqui esteve, referindo-se ao anoitecer de nossa terra, escreveu o seguinte:

"Às seis horas da tarde, em São João del-Rei, os sinos dobram.
Rumo às igrejas, os devotos buscam a paz, a crença e momentos
de serenidade. O altar é iluminado, a música sacra entoa.

De suas janelas, pessoas contemplativas admiram
o mistério que envolve o anoitecer na cidade."

Nas ruas coloniais, que no tempo do ouro conheceram Tiradentes, Alvarenga Peixoto, Bárbara Heliodora e todos os sonhos inconfidentes de liberdade, ainda hoje é assim!

Leia também
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com/2011/05/as-boas-coisas-de-sao-joao-del-rei.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário