Pular para o conteúdo principal

Em São João del-Rei, cidadania e liberdade, poesia e prece pelo heroi Tiradentes


Na semana em que São João del-Rei celebra os 265 anos de nascimento e batismo de Tiradentes, com  programação enriquecida pela outorga da Comenda da Liberdade e da Cidadania, que tal relembrar o poema que Cecília Meireles escreveu em 1955, uma conversa entre o menino Joaquim José e a Virgem na capela de Nossa Senhora da Ajuda, Fazenda do Pombal, então Termo da Vila de São João del-Rei.

O altar da citada capela (foto acima) é parte do rico acervo histórico são-joanense e pode ser conhecido no Museu de Arte Sacra, localizado no Largo do Rosário de São João del Rei.

Romance XII ou De Nossa Senhora da Ajuda
Havia várias imagens na capela do Pombal. E portada de cortinas, e sanefa de damasco,
e, no altar, o seu frontal. São Francisco, Santo Antônio olhavam para Jesus
que explicava, noite e dia, com sua simples presença, a aprendizagem da cruz.

Havia prato e galhetas, panos roxos e missal. E dois castiçais de estanho,
e vozes puxando rezas, na capela do Pombal. (Pequenas imagens de pouco valor,
os Santos, a Virgem e Nosso Senhor) Aquilo que mais valia na capela do Pombal
era a Senhora da Ajuda, com seu cetro, com seu manto e coroa, com seus olhos de cristal.

Sete crianças, na capela, rezavam, cheias de fé, à grande Santa Formosa.
Eram três de cada lado, os filhos do almotacé. Suplicam as sete crianças
que a Santa as livre do Mal. Três meninas, três meninos.
E um grande silêncio reina na capela do Pombal...

(Mas esse, do meio, tão sério, quem é?
- Eu, Nossa Senhora, sou Joaquim José!)

Ah! como ficam pequenos os doces poderes seus! Este é sem Anjo da Guarda,
sem Estrela, sem Madrinha...Que o proteja a mão de Deus!
Diante deste solitário, na capela do Pombal, Nossa Senhora da Ajuda é
uma grande imagem triste, longe do mundo mortal.

(Nossa Senhora da Ajuda, entre os meninos que estão rezando aqui na capela,
um vai ser levado à forca, com baraço e com pregão!)
(Salvai-o, Senhora, com Vosso Poder, do triste destino que vai padecer!)
(Pois vai ser levado à forca, para morte natural,  este que não estais ouvindo -
tão contrito, de mãos postas - na capela do Pombal!)

Sete crianças se levantam. Todas sete estão de pé, fitando a Santa formosa,
de cetro, manto e coroa. No meio Joaquim José.

(Agora são tempos de ouro. Os de sangue vêm depois. Vêm algemas,
vêm sentenças, vêm cordas e cadafalsos, na era de noventa e dois.)

(Lá vai um menino entre seis irmãos.
Senhora da Ajuda, pelo Vosso nome, estendei-lhe as mãos!)
.........................................................................
MEIRELES, Cecília. Romanceiro da Inconfidência.
Foto: Altar da capela de Nossa Senhora da Ajuda da Fazenda do Pombal. Acervo Museu de Arte Sacra. São João del-Rei

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …