Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei em festa: salve o Divino Espírito Santo!


São João del-Rei está sempre em festa. Graças a Deus! Foguetórios, alvoradas festivas, cortejos, toques de sino, procissões, orquestras, gente na rua, música, movimento...Se foi sempre assim, Tomé Portes Del-Rei, quando aqui chegou, em 1703, para fundar a cidade, deve ter sido saudado por uma banda de música e a primeira coisa que fez não pode ter sido outra coisa senão, de braço para o alto, soltar uma caixa de foguetes. Só depois disso, então, é que começou a catar ouro e a cobrar pedágio pela travessia de pessoas e cargas no caudaloso Rio das Mortes...

Agora falando sério, depois da amanhã, dia 2 de junho, São João del-Rei mais uma vez dá início a uma festa grandiosa: o Jubileu do Divino Espírito Santo.

As celebrações em honra à terceira pessoa da SantíssimaTrindade aqui são muito antigas. Começaram em 1774, no arraial de Matozinhos, da então Vila de São João del-Rei, e nove anos depois, em 1783, por sua importância para a Colônia - e talvez para todo o Reino Português -, foram elevadas pelo Papa Pio VI, à grandeza de Jubileu. Eram tão grandiosas quanto populares e, crescendo sempre, misturaram demais o sacro com o profano,  devoção com diversão. Assim, acabaram desagradando às elites e ao bispo de Mariana, que as inibiu em1924.Desativadas durante mais de 70 anos, quase desapareceram. Graças a Deus a Igreja e a sociedade evoluíram, possibilitando que, em 1998, a comunidade são-joanense, liderada por um grupo de folcloristas locais,  reconquistasse o direito resgatar esta tradição, recuperando inclusive sua "parte profana".

O que é, atualmente, a parte profana? Imagine: grupos de folia do Divino, ternos de congada, pastorinhas, manifestações de cultura afro-brasileira, cavalgada, cortejo imperial e coroação dos imperadores do Divino Espírito Santo, hasteamento / descida de mastros e shows populares. Nada que desaponte, macule, constranja, condene  ou envergonhe a Santa Madre Igreja.

Diferentemente das demais tradições religiosas bicentenárias de São João del-Rei, o Jubileu do Divino Espírito Santo não acontece no centro históricomas no bairro de Matosinhos, para muitos considerado o berço da cidade, por ser o local onde se fixou o fundador Tomé Portes del-Rei. Matosinhos fica nas proximidades do local onde, há mais de trezentos anos, aconteceu a sangrenta Guerra dos Emboabas.

Também é particularidade do Jubileu misturar o comando oficial da Igreja com a decisiva participação popular; a cultura clássico-barroca, representada pela Orquestra Lira São Joanense, com as manifestações telúricas das folias e dos ternos de congada. Nas várias atividades da festa, passado e contemporâneo se unem, culminando com uma procissão solene e luminosa, seguida de bênção do Santíssimo Sagramento e descida dos mastros, para dar lugar a um show popular, às vezes de violeiros e de música de raiz, às vezes de sertanejos urbanos. Milagres culturais do Espírito Santo...

Como em Sâo João del-Rei tudo é profundo, intenso e prolongado, para não fugir à regra, o Jubileu do Divino Espírito Santo dura dez dias. Este ano, terminará no dia 12 de junho.

Veja, no vídeo abaixo, os sineiros "catando o sino" e iniciando tencões, terentenas e floreados, na moderna igreja de Matozinhos, durante o Jubileu do Divino em 2010. A igreja antiga, construída no século XVIII, foi deliberadamente demolida, com consentimento de todos os responsáveis pelo bem e por sua preservação, há menos de quarenta anos. Dela, quase tudo foi vendido. O que não foi, publicamente desapareceu.

Restou no local apenas a fé do povo e a imagem do santo protetor, Senhor Bom Jesus de Matosinhos. A tomar pelo Jubileu, ele tem cumprido bem o papel que lhe deixaram, pois não desaponta os cidadãos são-joanenses, devotos ou não, nem desampara o Espírito Santo...

............................................................................
+   Serviço   +
Conheça a programação da festa acessando
http://www.diocesedesaojoaodelrei.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1286:jubileu-do-divino-espirito-santo-sjdr&catid=23:eventos&Itemid=131

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …