Pular para o conteúdo principal

13 de maio - Brasil reconheceu, em São João del-Rei, influência afro-brasileira no barroco mineiro

Não é sem motivo que se diz: a cultura afro-brasileira cada vez ganha mais espaço, é reconhecida e fortalecida em São João del-Rei. Transcendendo o aspecto cultura / folclore / espetáculo (sem dúvida também muito importante), a questão volta e meia é tratada com grande profundidade e abrangência nacional, por instituições respeitáveis. Até sob novos enfoques, como por exemplo reconhecendo a participação negra na autoria e construção da arte "clássica" mineira.

Exemplo disto foi a 22ª Assembleia Nacional do Instituto Mariama - associação que congrega bispos, padres e diáconos do Brasil - realizada na cidade há menos de um ano, mais precisamente no período de 26 a 30 de julho de 2010. Presidida pelo padre Guanair da Silva Santos, era propósito do evento, progressista e ousado: "... Trabalhar para que os padres sejam homens comprometidos com a transformação da realidade a partir do anúncio do Evangelho, que nos impulsiona a estar com os olhos abertos à situação atual da comunidade negra no Brasil."

A assembleia teve como tema central "A contribuição dos artistas negros na arte sacra do estado de Minas Gerais". Sobre ele, ao final dos trabalhos, que contaram com notável colaboração do historiador são-joanense Antonio Gaio Sobrinho, foi aprovada uma mensagem de grande valor, que destaca:

"Embora não seja fácil encontrar referências documentais sobre a contribuição dos negros na arte sacra, sabemos que trouxeram da África técnicas, habilidades, saberes e conhecimentos artísticos, que aqui foram utilizados e ressignificados. Muitos negros e mulatos se distinguiram como mestres em diferentes artes., entre eles Aleijadinho, Aniceto de Sousa Lopes, Venâncio do Espírito Santo, João da Mata, Ireno Batista Lopes, Luiz Batista Lopes, Manoel Dias de Oliveira e Padre José Maria Xavier. Isto nos leva a crer que, mesmo diante do ocultamento histórico, os artistas negros conseguiram imprimir seus traços no embelezamento e na riqueza cultural de nosso país.

Sobre isso, o papa João Paulo II assim escreveu aos artistas em 1999: "através das obras realizadas, o artista fala e comunica com os outros. Por isso, a história da arte não é apenas uma história de obras, mas também história de seres humanos. As obras de arte falam de seus autores, dão a conhecer seu íntimo e revelam a contribuição original que eles oferecem à história da cultura."

Situando a assembleia no contexto da realidade dos negros no Brasil, o documento lembra os compromissos sociais, políticos e humanos da Igreja Católica, ressaltando: "Diante de forças que negam vida plena aos negros e negras na sociedade, nós, ministros ordenados, na medida em que assumimos, com consciência, nossa negritude, explicitamos melhor a identidade de nossa Igreja, marcada, desde o seu nascimento, pela diversidade cultural, num discipulado de reparação, missionário e dialogante. (...) A Igreja precisará ajudar para que as feridas culturais injustamente sofridas na história dos afro-americanos, não absorvam nem paralisem, a partir do seu interior, o dinamismo de sua personalidade humana, de sua identidade étnica, de sua memória cultural, de seu desenvolvimento social nos novos cenários que se apresentam."

Ao apresentar a síntese de alguns aspectos da Mensagem da 22ª Assembléia Nacional do Instituto Mariama, o almanaque eletrônico Tencões & terentenas marca a passagem deste 13 de maio como oportunidade de reflexão sobre a realidade do negro no Brasil, especialmente em São João del-Rei, lembrando a importância de que, continuamente, sejam realizadas abolições & ebulições.

Veja, nos vídeos abaixo, uma abordagem histórico-artística da obra de Aleijadinho, o grande mestre mulato que deu cor brasileira à arte do século XVIII. O filme tem direção do consagrado cineasta Joaquim Pedro de Andrade.

                


................................................................................................
*     Serviço     *
Conheça a íntegra da Mensagem da 22ª Assembleia Nacional do Instituto Mariama acessando http://www.geledes.org.br/escultura/acontribui%C3%A7%C3%A3odosartistasnegrosnaartesacra04/08/2010.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …