Pular para o conteúdo principal

Semana Santa São João del-Rei 2012: angústia, solidão e saudade no Setenário das Dores

Nesta sexta-feira, a quinta da Quaresma, começa em São João del-Rei a terceira e última etapa das Celebrações dos Passos de Nosso Senhor Jesus Cristo a caminho do Calvário - o Setenário das Dores.

Promovido ininterruptamente há quase trezentos anos pela Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Passos, consiste em sete dias consecutivos de missa barroca, celebrada as 19 horas, seguida de ofícios sacros que rememoram e fazem refletir sobre as sete espadas de dor que traspassaram o coração de Nossa Senhora, desde o nascimento de Cristo até seu sepultamento. Não se tem notícia de outra cidade que realize o Setenário das Dores com tanta e tão tradicional exaltação e nesta mesma época da Quaresma.

O Setenário das Dores é uma solenidade a um só tempo terna e austera, que conjuga a doçura do amor maternal com os sentimentos agudos de ausência do filho que sofre e se vai, desta vida para sempre. Da apresentação do Menino no templo - quando Simeão à Mãe previu um doloroso futuro - até a volta para casa sem o filho sequer morto, passando pela fuga para o Egito perseguidos por Herodes, pelo desaparecimento do Menino, pelo encontro na Rua da Amargura, pela crucifixão, acolhimento do filho morto em seus braços e sepultamento, tudo é cantado no ofício do Setenário, na voz do celebrante e pela bicentenária Orquestra Ribeiro Bastos.

Além de orações especiais, só entoadas nesta celebração, também são executados motetos raros e outras peças barrocas, compostas nos séculos XVIII e XIX (veja vídeo ao final). O toque do sino dos Passos, melancólico e langoroso, em horas tradicionalmente próprias, complementa a riqueza musical do Setenário das Dores.

O ciclo da Festa dos Passos encerra-se na sexta feira seguinte, a sexta da Quaresma, que em 2012 será dia 30 de março, quando acontece a Procissão das Lágrimas, também conhecida como Procissão da Soledade, Procissão da Saudade, Procissão da Piedade de Nossa Senhora. Nela, o andor com a imagem setecentista de Nossa Senhora das Dores percorre as ruas do centro histórico de São João del-Rei, fazendo um percurso quase inverso ao da Procissão do Senhor Morto. Durante o trajeto, em ritual semelhante ao da Procissão do Encontro, para diante dos cinco Passinhos, quando a Orquestra Ribeiro Bastos executa os Motetos das Dores, de autoria oitocentista dos compositores Martiniano Ribeiro Bastos e Francisco de Paula Vilela.

O Setenário das Dores é uma celebração tão dramáticamente circunspectiva que não se utiliza flores, nem no altar-mor, nem no andor. No lugar delas, apenas arnica da Serra do Lenheiro - planta medicinal, utilizada em infusão de alcool para aliviar dores de entorses e contusões. Também aí, mais uma vez, pode-se notar uma alusão ao sofrimento de Cristo, nas quedas e escoriações que teve a caminho do Calvário, quando carregava a cruz às costas.

Manjericão, também, tradicionalmente, nesta celebração não é planta utilizada. O rústico rosmaninho, ao contrário, é desfolhado no chão da Matriz do Pilar, para seu perfume juntar-se ao aroma do insenso e, assim, aguçar sensorialmente o olfato dos fiéis.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …