Pular para o conteúdo principal

A que tempo, a que espaço e a que lembranças levam as reticentes ruas de São João del-Rei?


Rua da Alegria, Beco do Cotovelo, Bica da Prata, Rua da Cachaça, Rua do Ouro, Rua da Prata, Beco Sujo, Buraquinho, Beco da Escadinha, Cajangá, Beco do Agá, Rua das Mônicas, Morro da Forca, Rua da Graça, Biquinha, Beco da Romeira, Matola, Morro Mané José, Rua da Laje, Beco do Salto, Rua do Barro, Rua do Fogo, Subida da Muxinga, Largo da Cruz. Muito pitorescos e originais eram os antigos nomes das ruas de São João del-Rei, vários homenageando velhos e importantes moradores do próprio logradouro ou informando, já no nome, aspectos da geografia, flora ou atividade predominante no local.

Com o passar do tempo, o avanço da urbanização formalizante, o desejo de um progresso burocrático e o culto à vaidade de políticos, heróis e autoridades, também foram substituindo denominações espontâneas por nomes precedidos de títulos, cargos e funções. Alguns deles resistiram bravamente na memória popular, atravessando séculos e enfrentando em pé de igualdade a formalidade administrativa, a tal ponto de ter-se, na cidade, algumas ruas com duas placas. Uma com a antiga denominação e outra com o nome atual.

Um bom exemplo desta situação é o Pau D'angá, também conhecida como Rua Carvalho Resende, sobrenome de Francisco Inácio de Carvalho Resende. Na língua do povo, a via tem uma preposição a mais - Rua Carvalho de Resende. Nem todos sabem onde ela  fica, mas quem não sabe onde fica o Pau D'Angá?

O nome popular também fixou uma corruptela - Pau de Ingá, árvore ingazeira que há trezentos anos existia no caminho que ligava o centro da vila às lavras de ouro do Barro Vermelho, hoje simplesmente Rua do Barro. Voltando ao Pau D'Angá, ainda no século XVIII a rua foi urbanizada. Documentos de época registram que a 31 de dezembro de 1786 o pedreiro Antônio Francisco Salzedo arrematou a obra de "reparos nas calçadas do caminho que vai para o Pau de Ingá." Em 1805, portanto logo no começo do século XIX, a Câmara mandou que "se fizessem consertos no paredão do Pau de Ingá."

O primeiro jornal de São João del-Rei, o Astro de Minas, fala sobre o Pau D'Angá na edição do dia 27 de novembro de1827. O escritor são-joanense Modesto de Paiva, no livro Noites de Insônia, publicado em 1892,  resgatando a lenda A Sombra do Enforcado em versos assim refere-se ao Pau D'Angá:

            "Jesus, que casa assombrada!
              Coitado de quem for lá...
             Junto à subida chamada
             Ladeira do Pau D'Angá".


Em uma bela pedreira, em um pequeno largo, na metade da ladeira, existe um imponente Cruzeiro da Penitência, que em uma sexta feira da Quaresma é ponto da terceira Encomendação de Almas. Teria sido erigido ali para afastar as tenebrosas assombrações?

A verdade é que, no começo do século XX, o largo do cruzeiro do Pau D'Angá foi palco de animadas festas religiosas. Em 9 de junho de 1918 o vigário Monsenhor Gustavo Ernesto Coelho fez ali pegação que deu início à temporã e tocante cerimônia da Adoração da Cruz. A praça iluminada e enfeitada. tinha no centro um coreto onde se apresentou de uma das duas bicentenárias orquestras barrocas de São João del-Rei.

Sobre as ruas de São João del-Rei, leia também:
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com/2012/02/poesia-e-beleza-que-se-revelam-nas.html
...........................................................................
Fonte: http://www.sjdr.com.br/historia/igrejas_monumentos/ruas/rua08.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O dia em que os sinos de São João del-Rei chamaram para um programa de televisão

Para quem nasceu, viveu ou vive em São João del-Rei, o toque de um sino é sempre um chamado: para uma missa, para uma novena, para uma procissão, para um enterro, para uma bênção, para uma Via Sacra, para um Te Deum.

Mesmo quando não se está na cidade é assim. Assistindo a qualquer filme ou vídeo lá gravado no centro histórico, é possível saber a que horas ocorreu aquela cena simplesmente ficando atento às pancadas que de vez em quando bate o sino-relógio da Matriz do Pilar.

Na quarta-feira da semana passada, dia 16 - coincidentemente dia festivo na cidade, consagrado a Nossa Senhora do Carmo - os são-joanenses em São João del-Rei e em todas as partes do Brasil, na metade da manhã, surpreenderam-se com o toque dos sinos chamando-os para um lugar inusitado: para a frente da televisão.

Não que o aparelho estivesse no alto de uma torre ou sobre um altar, mas é que em sua tela a apresentadora Ana Maria Braga e seu "escudeiro" Loro José apresentaram uma reportagem de oito minuto…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Santa Clara, clareai minha São João del-Rei!

São João del-Rei é um lugar onde o viver feliz requer, dia e noite, céu aberto. Suas ruas estreitas e sinuosas, seus becos, jardins e largos são palcos públicos onde desde sempre tudo acontece, para todos. O entusiasmo, a vitalidade e a alegria dos são-joanenses precisam de céu limpo para se materializar como procissões, desfiles de carnaval, cortejos, concertos, serenatas, cinema,teatro, recitais e retretas - tudo ao ar livre.

Antigamente, nos tempos românticos que duraram até os anos setenta, era comum as pessoas ficarem nas janelas ou sentadas na calçada ou soleira da porta de suas casas, olhando o tempo e a vida passar. Algumas vezes por dia iam dar uma volta na rua, para comprar a verdura e a carne do almoço, encontrar com os conhecidos, ler o Jornal do Poste, saber quem morreu ou se internou e mandar lembrança para os amigos.

Tudo a céu aberto. Podiam até levar sombrinha ou guarda-chuva, tanto se prevenindo de algum aguaceiro quanto se protegendo do sol forte. Dor de cabeça? Me…