Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei comemorará em silêncio seus 300 anos de elevação à Vila?


Se é verdade que os mineiros são "come-quietos" e que "Minas trabalha em silêncio", os são-joanenses podem ficar tranquilos: as comemorações dos 300 anos da elevação do Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes à categoria de Vila, com o nome de São João del-Rei, em 2013, serão um sucesso retumbante.

Mesmo sem alardes, sequer sem notícias, se é verdade o ditado popular acima, já devem estar sendo programados e preparados eventos  e produções culturais compatíveis com a importância e grandiosidade do fato histórico a ser celebrado, que nos remonta a dezembro de 1713 - infância de Minas. Porém, pelo imaginado, tudo vem sendo cuidado inconfidentemente, "sob sete chaves".

Poder público, instituições acadêmicas e culturais, organizações governamentais e não-governamentais, pesquisadores, intelectuais, todos enfim que de algum modo têm missão ou compromisso com a história, a memória, a cultura, o turismo e o desenvolvimento social e econômico de São João del-Rei precisam ter em mente que 2013 já bate à nossa porta. E que realizações culturais requerem dedicação, tempo, competência, organização, responsabilidade, agilidade, desprendimento, objetividade e, principalmente, espírito coletivo e compromisso com o bem comum. E também, quase sempre, patrocínio...

Para serem de fato importantes para São João del-Rei, é ideal que as comemorações sejam dedicadas e destinadas ao povo de são-joanense - autor, protagonista, sujeito, objeto, agente e proprietário legítimo da história cultuada. Eventos oficiais e formalidades são próprios, mas em geral soam como expressão da (e reverência à) aristocracia decadente porque em geral se limitam a uma esfera de poder que para a atualidade tem cheiro de naftalina. Do mesmo modo, bom será se as comemorações conseguirem não se esgotar em si próprias, deixando resíduos que impulsionem transformação, fortalecimento e desenvolvimento cultural, econômico, social e acadêmico.

Nesta perspectiva, a programação será tão mais grandiosa e edificante quanto mais acontecer em praças públicas, envolver o maior número de pessoas de todas as condições sociais e econômicas, gerar produtos culturais duradouros que difundam a cultura, a história e a memória de São João del-Rei, inclusive constituindo subsídios e apoio para outras e futuras produções. E também quanto mais incentive e promova a revitalização, preservação e conservação de bens, edifícios e áreas urbanas de importância patrimonial, como por exemplo o Chafariz da Legalidade. Pensar na "descoberta" e "reconquista" da Ponte da Misericórdia é sonhar muito alto? E o projeto de conservação / preservação estrutural da Matriz do Pilar?

Ativação e inauguração do Museu da Rua das Flores, concertos, festivais, relançamento de livros antigos importantes sobre São João del-Rei, exposições, concursos, restauração de peças sacras, partituras e bens museológicos, cursos, seminários e ciclo de palestras, mostras de teatro, cinema e folclore, bailes públicos, enredos carnavalescos - enfim absoluta efervescência cultural, consistente e responsável. Tudo isto será muito bem-vindo!..

Sobre o mesmo tema, leia também

...........................................................................
Foto: Detalhe da portada da igreja do Carmo, de São João del-Rei, considerada uma das seis  mais belas obras de Aleijadinho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …