Pular para o conteúdo principal

Banda Theodoro de Faria espalha noite e dia música e alegria pelas ruas de São João del-Rei

Não é raro deparar com a conversa alegre das notas musicais, saltando de polidos instrumentos de sopro e percussão, dando ainda mais ritmo, vida e cor às ruas coloniais de São João del-Rei. Sempre que isso acontece (e acontece com muita frequência!) os são-joanenses sabem: a Banda Theodoro de Faria está passando.

Há 109 anos é assim. A Banda Theodoro de Faria é presença certa em procissões, retretas e concertos, nas ruas, nos becos, nos largos, nas praças, no coreto e até no Teatro Municipal, marcando presença em comemorações religiosas, cívicas, culturais e de lazer. Seu repertório é vasto e vai das oitocentistas marchas processionais de compositores são-joanenses até clássicos da música brasileira e internacional de todos os tempos, passando até pelo tema de grandes filmes.

A Banda Theodoro de Faria foi criada logo no raiar do século XX, em 1902, como dissidência da "Banda de Música do Ribeiro Bastos", fundada no século XIX. Inicialmente era conhecida como "Banda do Augusto de Faria", em alusão ao seu primeiro maestro, Augusto Theodoro de Faria que, estrategicamente idealista, cuidoru logo de juntar aprendizes com músicos experientes. Desta forma, ao mesmo tempo em que aumentava a formação musical dos jovens são-joanenses, os atraia para a nova corporação, seduzidos pela visibilidade, reconhecimento e prestígio de se apresentarem publicamente.

Quinze anos depois, o comando da Banda passou para o maestro Teófilo Inácio Rodrigues, cuja atuação foi tão importante que a comunidade são-joanense informalmente passou a designá-la "Banda do Seu Tiófilo". Para se ter ideia de sua dedicação, "Seu Tiófilo" transformou vários cômodos de sua residência em local de ensaios, de ensino, de arquivo, depósito - enfim na própria sede da Banda, que se tornou mais um membro da família Rodrigues. Como a única fonte dos poucos recursos eram as apresentações, o maestro comprava instrumentos de segunda mão e consertava os danificados, sempre pensando em aumentar o corpo musical.

O nome Banda Theodoro de Faria foi oficializado em 1954 - ano que a Corporação apresentou-se uniformizada pela primeira vez - e, a partir daquele tempo, fruto da união dos componentes, iniciaram-se ações que conduziram à compra de terreno na Rua Santo Antônio e construção da sede própria, inaugurada em 1967.

A Banda Theodoro de Faria ocupa um lugar de destaque no universo da música e das instituições culturais de São João del-Rei. Oferece cursos regulares de música com aulas individuais de teoria musical, leitura ritmica, solfejo e  técnica instrumental, sendo base para músicos que se destacam nas orquestras bicentenárias, na Sociedade de Concertos Sinfônicos de São João del-Rei e na Banda de Música do 11º Batalhão de Infantaria, sediado na cidade.

Atualmente a Banda Theodoro de Faria tem cerca de 60 músicos, em sua maioria jovens, estudantes. Além de participar das tradicionais procissões, especialmente na Semana Santa, também realiza apresentações públicas, inclusive concertos comemorativos no Teatro Municipal de São João del-Rei. Veja e ouça, no vídeo abaixo, a Banda Theodoro de Faria em trecho da opereta A Viúva Alegre, peça que há mais de meio século faz parte da cultura musical da cidade.

...........................................................................
Fontes: http://www.saojoaodelreitransparente.com.br/organizations/view/34
              http://theodorodefaria.blogspot.com/
Foto da abertura: Alzira Agostini Hadad (Atitude Cultural)  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …