Pular para o conteúdo principal

Iconografia de São João del-Rei é tesouro precioso, desconhecido e inexplorado

Ainda em grande parte desconhecido, certamente deve ser grande e precioso o volume de logomarcas criadas em São João del-Rei no século XIX e início do século XX, com o objetivo de identificar instituições comerciais, civis, religiosas, culturais, educacionais, públicas e das mais diversas naturezas. Bancos, lojas, escolas, irmandades, hospitais, grêmios, clubes, funerárias, produtos - todos estampavam em logomarcas, carimbos, selos e rótulos, elementos estéticos e simbólicos que evidenciavam sua importância na sociedade são-joanense, ao mesmo tempo em que espelhavam aspectos marcantes da cultural local.

Um bom exemplo da riqueza iconográfica de São João del-Rei é a logomarca da Santa Casa de Misericórdia, harmoniosamente composta com a representação de alguns estigmas da Paixão de Cristo. Do mesmo modo, a logomarca da Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Passos, que também utiliza elementos sacros da mesma natureza.

Não se tem notícia de nenhuma pesquisa, análise ou documentário sobre a iconografia produzida em São João del-Rei nos séculos XIX e XX, mas sem dúvida este é um interessante empreendimento cultural a ser realizado, seja sob o enfoque histórico, sociológico, antropológico, econômico ou artístico. Sequer da existência de um banco de dados e da organização de um acervo físico ou virtual sobre a linguagem iconográfica são-joanense se sabe.

Fica a sugestão para as instituições culturais governamentais e não governamentais, para as universidades públicas e particulares, para os abnegados pesquisadores autônomos e para os estudantes que procuram temas interessantes para seus TCCs, monografias e teses...

Comentários

  1. Pois é meu amigo,mas você sem querer querendo acabou de iniciar a pesquisa sobre essas logomarcas,isso é interessantíssimo,já se falou muito sobre várias coisas,mas é a primeira vez que alguém tocou nesse assunto,em uma acasião li em um site como foi o processo de escolha da logomarca da RFFSA,durante muitos anos aquela foi uma das marcas brasileiras mais famosas no exterior (como a Coca-Cola,Pan-Am,etc...),a logo da RFFSA é muito interessante e eu nunca tinha parado para observá-lo direito,trata-se de um AMV (desvio),então meus parabéns por essa postagem,nossa cidade tem muita história (boas e ruins)e resgatar nem que seja alguns pedacinhos dela já é um grande feito.Muito bom mesmo.

    ResponderExcluir
  2. Thiago,

    há muito tempo observo a riqueza da iconografia de São João del-Rei, tanto a oficial quanto a espontânea, mas não sei de ninguém que tenha se debruçado sobre este universo, que está na sombra e, com certeza, aos poucos irremediavelmente se apagando a cada dia.

    Uma pesquisa multidisciplinar (desenvolvida por uma equipe que reuna e integre historiadores, artistas plásticos, comunicadores, cientistas sociais, autodidatas, independentes e interessados etc) com certeza revelaria preciosidades inimaginadas.

    Isto tanto nos possibilitaria conhecer ainda mais São João del-Rei e sua cultura quanto dimensionar sob novas fontes e novo enfoque a evolução e o desenvolvimento socio-econômico-cultural da sociedade são-joanense ao longo dos séculos.

    Que se habilitem os capacitados e os interessados!...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …