Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei, enternecida, lembra a morte de São Francisco de Assis


Neste dia 4, desde cedo, em São João del-Rei, os sinos das altas torres do templo franciscano tocam graves, compassados e langorosos para lembrar aos são-joanenses que no dia 3 de outubro de 1226 - portanto há 787 anos - morria, irmão da água e do fogo, da Terra, da Morte, do Sol e da Lua, São Francisco de Assis.

Mesmo que seja azul e iluminado, o dia escorre triste no jardim em forma de lira, tendo palmeiras como cordas. Esparsamente, pessoas atravessam largo e adro, entram na igreja sombria e silenciosa  e levam orações para o santo, penitente, piedoso, magrinho e de hábito preto, austero e solitário em seu andor. Já no século XVIII era assim.

Às três da tarde, os sinos tocam mais insistentes e mais tristes ainda. É hora de celebrar o momento em que São Francisco - em imagem deitado no chão da igreja - deixou este mundo. Em volta, também de hábitos pretos, irmãos e irmãs da Ordem Terceira oram contritos em memória da sentida passagem.

Pouco depois, no adro da igreja, os animais são abençoados, em reconhecimento à sua pureza e inocência. Gotas de água benta respingam também em seus donos, lembrando-lhes do humilde pedido que a Deus fizera o santo:

                              "Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz. 
                               Onde houver ódio, que eu leve o amor. 
                               Onde houver ofensa, que eu leve o perdão. 
                               Onde houver tristeza, que eu leve alegria. 
                               Onde houver dúvida, que eu leve a fé".

Logo que anoitece, na igreja de São Francisco tem missa solene e barroca, ao som de instrumentos e vozes da bicentenária Orquestra Ribeiro Bastos. Depois rasoura pelas ruas coloniais e, para encerrar, de volta ao templo, canto do Te Deum Laudamus.

São Francisco é caridoso. Estende uma mão para Cristo crucificado, de quem recebeu as chagas, e a outra para o povo de São João del-Rei, a quem abriga em seu coração.
....................................

Neste vídeo, passeie virtualmente pela igreja de São Francisco de Assis de São João del-Rei. Risco de Aleijadinho e obra de Francisco de Lima Cerqueira e Aniceto de Souza Lopes.


Para finalizar, ouça, abaixo, uma homenagem de Milton Nascimento a São Francisco, na voz de Mônica Salmaso. De tão delicada e bela, é quase uma sonora oração.




Comentários

  1. Bela postagem, Emilio! Despertou em mim, as melhores lembranças de momentos de paz na bela e querida São João del-Rei! Seu blog cada dia mais encantador e acolhedor!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, Emílio. Intimista, poético e inspirador! Então,como diz Gil "Andar com Fé eu vou, que a Fé não custuma faiá". Abraço Daqui de Pitangui.

    ResponderExcluir
  3. Postagem cheia de fé, emoções e tradições. Viva São João del-Rei!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …