Pular para o conteúdo principal

A História de São João del-Rei é feita de muitas histórias. E também de belas estórias...


Desde que no alvorecer do século XVIII Tomé Portes del-Rei fincou pé nas margens do Rio das Mortes, cobrando pedágio pela travessia fluvial que levava às portas do Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar, até a mais recente badalada dos sinos da Matriz do Pilar, muitos personagens estão - há mais de 300 anos, na lida do seu dia a dia - a escrever a história de nossa terra.

Brancos, negros, mulatos, morenos, criolos. Nobres, proscritos, desbravadores, déspotas, clandestinos, bandeirantes, sacerdotes, escravos. Livres, cativos, forros, libertos, sonhadores, serviçais. Intelectuais, iletrados, artistas, artesãos, analfabetos, escultores, músicos, cientistas, inventores de estórias que mais parecem a própria vida.

Depois de Tomé Portes, ainda no Arraial, a Guerra dos Emboabas, certamente acendeu o lume para a instituição da vila de São João del-Rei. Em 1717, o Conde de Assumar esteve aqui e foi saudado com a música do mestre Antônio do Carmo. Gostou tanto que voltou outras vezes. À época, aqui se destacou Maria Viegas, escrava liberta e mulher libertária, que formou filho padre e deixou portentosos testamento e inventário. Em 1746, Tiradentes nasceu nas terras da Vila são-joanense, que foi berço de Bárbara Heliodora e de seus filhos com o inconfidente Inácio José de Alvarenga Peixoto. No vale do Lenheiro também despontou e refulgiu o gênio de Francisco de Lima Cerqueira.

Mais uma vez, agora na virada do século XVIII, negros e mulatos firmaram a cor da história de São João del-Rei, escrevendo-a em pautas musicais, em recortes na pedra, na ourivessaria, no sopro e na corda dos instrumentos. O povo são-joanense começou a construir e consolidar sua identidade cultural ainda nos tempos do Brasil Colônia.

Ao longo do século XIX e no século XX, enriqueceu-se a história de São João del-Rei com a chegada dos imigrantes, principalmente  sirio-libaneses, árabes e italianos.  Mais são-joanenses continuaram trazendo novas contribuições para a cultura de nossa terra, alguns deles até transcendendo os limites da Serra do Lenheiro e destacando-se  nos mais diversos setores da vida nacional - na política, no direito, nas artes, na educação e nas ciências.

O nome de muitos facilmente nos salta do pensamento pela lembrança de suas imortalizadas obras, antigas ou recentes, e também de sua vanguardista atuação: padre José Maria Xavier, Aniceto de Souza Lopes, Venâncio do Espírito Santo, Jesuíno José Ferreira, Martiniano Ribeiro Bastos, Baptista Caetano de Almeida, Nhá Chica, Presciliano Silva, Ireno e Luiz Batista Lopes, Alexina Pinto, Lincoln de Souza, Dom Lucas Moreira Neves, Dr. Paulo Lustosa, irmãos Teixeira, Tancredo Neves, historiadores Sebastião Cintra e Fábio Nelson Guimarães, maestros Telêmaco Neves, José Maria Neves, Sílvio Padilha e Pedro de Souza, maestrina Maria Stella Neves Valle. A estes se somam os nomes do artista plástico Marcos Mazzoni, dos violinistas Japhet da Conceição e Geraldo Ivon da Silva - Geraldo Patusca -, do compositor Agostinho França, do capitão de congada Luís Santana e de tantos outros protagonistas que em corpo não estão mais entre nós.

Há aqueles que, sem ter nome oficializado pela historiografia oficial, fazem parte da memória sentimental e afetiva de São João del-Rei e reticentemente vêm sendo perpetuados pelo carinho da lembrança dos mais vividos. Entre eles, vagueiam João Catuta,  Elefante sem rabo,  Dona Maria Baronesa,  Chico Brugudum,  Maria Cachorra,  Periquito da Bateia, Nico Bunda, Henrique Parreira e  todos os anjos populares que, em nossa terra vivendo outro tempo e outro mundo, hoje dormem ossos misturados nos ossuários gerais.

Nonagenários, octogenários, septuagenários, idosos, maduros, jovens (graças a Deus muitos jovens!), a cada dia muitos são-joanenses continuam escrevendo, na sua lida cotidiana, a valorosa história de São João del-Rei. Brancos, negros, mulatos, morenos, criolos. Nobres, pobres, famosos, anônimos, vaidosos, humildes, analfabetos, trabalhadores braçais, serviçais. Intelectuais, iletrados, artistas, artesãos, analfabetos, escultores, músicos, cientistas, inventores de estórias que mais parecem a própria vida.

Todos eles são patrimônio cultural de São João del-Rei!...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …