quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Vandalismo e conto do vigário na Matriz do Pilar de São João del-Rei. Era 24 de janeiro de 1844...

Com quase trezentos anos, a Matriz de Nossa Senhora do Pilar figura como um dos mais belos, imponentes e importantes templos  barrocos de São João del-Rei. Não só de nossa cidade, mas também de Minas Gerais e do Brasil. Sua talha dourada é requintada, as pinturas de seu teto muito originais e singulares, sua prataria refinada e valiosa e suas imagens, todas muito antigas e expressivas. Dizem até que algumas existem desde o tempo da capela primitiva que, no morro do Bonfim, foi incendiada durante a Guerra dos Emboabas.

Pois bem, há 169 anos, no dia 24 de janeiro, o "vetusto" templo foi alvo de vandalismo que, na verdade, começou com um conto do vigário. Sabe como aconteceu?

Altas horas, o sacristão dormia em sua casa, em beco próximo à igreja, quando foi acordado com fortes pancadas em sua porta e alguém gritando: - "A porta lateral da igreja, no lado do Cemitério está aberta! Convém fechar!".

Preocupado, ele não pensou duas vezes. Vestiu um agasalho, pegou a penca de chaves e, no ainda escuro, saiu em direção à Matriz. Mal deu alguns passos e foi atacado por dois embuçados que, com pistolas em punho, tomaram-lhe as chaves e o forçaram a acompanhá-los até a igreja.

Lá, foram direto ao assunto, ou melhor, ao que interessava - o ambiente decorativo que havia sido criado para celebração das exéquias do senador padre Diogo Antonio de Feijó, que seriam oficiadas no dia 30 daquele mês. Desmantelaram o monumento funerário, destruíram o cenário, desmancharam e inutilizaram os enfeites. Tudo sem dizer uma palavra.

Em seguida, também em silêncio, devolveram a penca de chaves ao assustado sacristão. E sumiram na noite de becos estreitos, de ruas escuras e muitas estrelas. Não havia lua no céu...
 ............................................................................
Fonte: CINTRA, Sebastião de Oliveira. Efemérides de São João del-Rei, volume I, 2a edição revista e aumentada. Imprensa Oficial de Minas Gerais. Belo Horizonte, 1982.

Um comentário:

  1. Caro Emílio, excelente textO rebuscado de Barroco! Neste ano em que SJDR completa 300 anos, quero visitar a cidade e, queM sabe, descobrir mais detalhes deste conto do vigário. Um abraço.

    ResponderExcluir