Pular para o conteúdo principal

Tencões & terentenas: 2 anos - Vila de São João del-Rei: 300 anos

Na primeira sexta-feira deste primeiro mês de 2013 - dia 4 passado - o almanaque eletrônico Tencões & terentenas completou dois anos de ativa existência, no endereço eletrônico http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com.br
.  Foram, até aquela data, 447 postagens, acessadas mais de 56 mil vezes, o que daria uma média aproximada de 74 acessos / dia, estatística sempre ascendente considerando que, desde janeiro de 2012, o número de visitas diárias está na faixa de 85 -100 acessos.
Houve dias em que se ultrapassou 220 acessos e, em vários meses, superou a casa de 3.500. trilhando por outra estatística, chegamos à marca de 127 visitas por postagem.

Este fato merece registro, pois raros são os blogs que conseguem viver, ou sobreviver, com atualizações tão frequentes, muitas vezes diárias, por mais de um ano. Ainda mais quando possuem linha editorial tão definida, em torno de uma proposta tão específica, no caso a valorização e divulgação do patrimônio, da cultura e da memória de São João del-Rei, que este ano completa 300 anos de elevação à categoria de vila.A rigor, patrimônio, cultura e memória são a mesma coisa, nas por uma questão peculiar, neste veículo digital, apresentam-se tal qual a Santíssima Trindade: três pessoas em um só corpo e um só espírito. Entretanto, três pessoas distintas...

No entusiasmo de um ano novo e de uma nova aurora e na desejada - e já em curso - efervescência das comemorações dos 300 anos da Vila de São João del-Rei, Tencões & terentenas completa seu segundo aniversário. Mira com humildade, mas também com satisfação, o trabalho já realizado. Orgulha-se dos resultados. Agradece a todos, principalmente a São João del-Rei e a seus célebres e anônimos baluartes, operários, sonhadores, construtores, realizadores, sonhadores - todos, enfim, que com seu espírito e sua humanidade tornam tão singular esta nossa "terra tão querida e formosa. Salve Terra de São João del-Rei!"

Cumprindo o hino que seu ouve ao clicar no brasão abaixo, sejamos nós, sempre, "felizes e gloriosos, sentinelas da crença e da lei."


Comentários

  1. São João del-Rei é um lugar fantástico!
    A cidade une o respeito por suas tradições, tem uma intensa vida cultural e está aberta para novas perspectivas do futuro, sem perder suas raízes.
    Na minha opinião é uma rara e feliz união de consciência e participação do poder público e dos moradores para, propositalmente, conservar um estilo de vida com o qual se identificam.
    Moro em Juiz de Fora, mas se tiver a oportunidade de me mudar para São João del-Rei, não penso duas vezes.
    Parabéns ao blog e aos moradores da cidade, pelo privilégio de viverem um assunto tão belo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sylvio,

      http://www.youtube.com/watch?v=nwhl2xzG1ks

      É com esta música - Pai Grande - que agradeço este comentário e outros dois que você hoje publicou neste almanaque eletrônico.

      São João del-Rei é exatamente o que você percebe e generosamente manifestou. Isto devemos a muitos são-joanenses, tanto nativos quanto adotivos / adotados. Desde os tempos emboabas, a territorialidade são-joanense não tem fronteiras.

      Por isso, seja sempre bem-vindo a São João del-Rei. Se, e quando, puder, para sempre. Não se arrependerá. Lembre-se de que desde seu setecentista alvorecer, São João demonstra praticar, em reconhecimento e gratidão, o que diz a música: "... minha gente é esta agora. Estou aqui / trouxe de lá / um amor tão longe de mentiras / quero a quem quiser me amar!"

      Grande abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …