Pular para o conteúdo principal

Na São João del-Rei das beiras-seveiras, entre encruzilhadas e esquinas

Este fim de janeiro, quando São João del-Rei começa a se despedir do festival gastronômico Happy Hour, que chegou à cidade juntamente com o ano de 2013  e vai até o primeiro fim de semana de fevereiro, é o momento certo para se lembrar de um interessante espaço gastronômico-cultural surgido em fins dos anos 80 "na rua mais antiga, mais poética e mais bonita da cidade" - o Beira Seveira Bar e Restaurante.

Instalado no número 17 da Rua Santo Antônio, a ele se chegava descendo por uma estreita escadaria  que se abria do estreito vestíbulo e levava para um lugar inusitado: um porão colonial, sustentado por várias colunas de pedra construídas na metade do século XVIII. Eram elas que projetavam para o alto o casão, colocando-o no nível da rua calçada com pedras pretas pé-de-moleque.

Sua iluminação, vazada de lampiões e arandelas, acentuava o clima de mistério, criado a partir dos bancos e mesas de antiquário e de muitos utensílios e utilitários de estanho e cobre. Ao fundo, nas paredes também de pedra, intrigantes obras de arte.

O cardápio, assim como o nome do restaurante, homenageavam elementos da mineração, da arquiterura e do urbanismo local de três séculos. Rocalha, água-furtada, beiral, cascalho, voluta, cimalha, cangalha, aldabra, bateia, gamela e outros davam nomes a pratos, petiscos, tira-gostos, bebidas e drinks. Tudo feito com os melhores produtos, o cuidado e o zelo que são próprios da culinária mineira, sobretudo da que se desfruta na região.

O cardápio artístico cultural não deixava nada a desejar: o melhor da música popular mineira preenchia ao vivo todo o espaço, quando não cedia lugar para o teatro de bonecos, apresentações teatrais, saraus poético-literários e lançamento de livros. No Beira Seveira se saciava as fomes do corpo, da alma e do espírito.

Floresceram-se primaveras, aqueceram-se verões, amadureceram-se outonos e chegaram-se também invernos. Depois de algum tempo, o Beira-Seveira mudou-se para outra cidade, mas não resistindo à saudade da Rua Santo Antônio e de São João del-Rei, despediu-se e fechou as portas.

"Aconchego, música, fogão de lenha, tudo com gosto do bem feito, num ambiente especial,
 único em São João del-Rei, na rua mais antiga, mais poética e mais antiga da cidade."

Era isso o que o Restaurante e Bar Beira-Seveira prometia e oferecia. É assim que ele ficou na recordação de quem o conheceu e frequentou naqueles tempos, e até hoje o frequenta, em lembrança, memória e saudade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …