Pular para o conteúdo principal

Jubileu do Divino Espírito Santo 2012 incendeia o coração flamejante de São João del-Rei



Imperador Perpétuo do Jubileu do Divino Espírito Santo - São João del-Rei*
 
É assim desde fins do século XVIII: por ocasião do tempo de Pentecostes, o espírito de Deus, na forma de pomba branca da qual irradiam raios luminosos, pousa sobre São João del-Rei e, por dez dias,  com suas poderosas línguas de fogo, ilumina a inteligência e incendeia o coração do povo do Campo das Vertentes.

Em especial o coração do povo de Matosinhos, pois é naquele movimentado e progressista bairro são-joanense - em cujas imediações dizem ter acontecido em 1709 a sangrenta e traiçoeira Guerra dos Emboabas - que, desde o dia 17 até o dia 27 deste mês, acontecem as celebrações do Jubileu do Divino Espírito Santo.

A origem da festa certamente é anterior a 1783, pois este foi o ano em que o Papa concedeu-lhe a importância de Jubileu, título só conferido pela Igreja, na época, a festas já tradicionais e de grande  representatividade junto à população.

Segundo o historiador e folclorista Ulisses Passarelli (2004), nos séculos XVIII e XIX romeiros se deslocavam de várias regiões para, devotamente, comparecerem à festa e, a partir de 1881, até a recém-inaugurada Maria Fumaça foi posta a este serviço. Consta que, "em 1917, rodaram para Matosinhos, na ocasião da festa, 42 trens por dia, perfazendo 11.000 passagens diárias."

Paralelamente à parte religiosa, que era o Jubileu propriamente dito, aconteciam muitas atrações, como bandas de música, bailados, corrida de touros, cavalhadas, dança-dos-velhos, dança-das-fitas, foguetório e toda sorte de divertimentos públicos.

Uma peculiaridade do Jubileu do Divino Espírito Santo de São João del-Rei é que além do imperador e imperatriz escolhidos a cada ano para contribuirem financeiramente para a realização da festa, foi instituída também a figura do Imperador Perpétuo. Era Santo Antônio, eleito pelos comerciantes, que faziam doações significativas, mas espontâneas. É possível que tal eleição se deva ao fato de que, em muitos anos, o Dia de Pentecostes cai em data próxima ao dia de Santo Antônio.

Imperador Perpétuo é cargo importante. Tanto que Santo Antônio vai carregado em liteira colonial, da igreja de São Francisco até a igreja de Bom Jesus de Matosinhos, precedido de um cortejo que tem à frente o Alferes da Bandeira - um cavaleiro imponente, montado em um cavalo garboso, empunhando o estandarte vermelho do Divino Espírito Santo.

Mas contra a vontade de todos - certamenite até de Santo Antônio e do próprio Espírito Santo - houve um tempo em que a realização do Jubileu foi proibida. Entendia a Igreja, no caso representada pelo bispo de Mariana, Dom Helvécio Gomes de Oliveira, que as jogatinas de roleta e jaburu, que se instalavam nas imediações do Largo de Matosinhos, maculavam a festa sagrada.

Como proibiram a festa mas deixaram os jogos e demoliram o "artístico e monumental" Pavilhão de Matosinhos, a inteligência e alíngua do povo, inspiradas pelas línguas de fogo do Espírito Santo, perceberam que tal medida teve segundas intenções, ou seja, promover e valorizar o Jubileu do Senhor Bom Jesus de Matosinhos de Congonhas do Campo. Entretanto, lá aconteciam abertamente as mesmas coisas que ao bispo pareciam condenáveis em São João del-Rei.

Ficou assim por 74 anos. Mas  o mundo dá muitas voltas e muita água do Rio das Mortes, veia aorta do coração de Matosinhos, passou debaixo da ponte. Assim, em 1998, novamente o Espírito de Deus, na forma de uma pomba branca, irradiando raios refulgentes de entusiasmo, sabedoria, inteligência e linguas de fogo voltou a pousar sobre São João del-Rei. Especialmente sobre as cabeças do padre José Raimundo da Costa e do escultor sacro Osni Paiva, inspirando-os no sonho de resgatar a antiga tradição. Para isso, eles
 arrebataram outros interessados e desde então, cada ano com mais brilho, o Jubileu do Divino Espírito Santo novamente enriquece o calendário religioso e cultural de São João del-Rei.

Mas isto já é assunto para outro dia, para outro post neste almanaque eletrônico.

* Foto: Reprodução de  http://www.santuariodematosinhos.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …