Pular para o conteúdo principal

Conspiração Gastronômica em São João del-Rei

Largo das Mercês, Pelourinho e Passo da Paixão. SJDel-Rei. Foto do Autor


Autêntica de origem, genuína de alma, voluptosa nos ingredientes, barroca no tempero, delicada e sublime no preparo. A cozinha mineira de São João del-Rei é singular, como tudo o que é próprio da cidade.

Tutu de feijão preto, decorado com molho de tomate e cebola, linguiça fritinha enrolada em espiral, flores de ovos e folhas de salsa. Para acompanhar? Arroz branquinho e seco, couve bem fina, picada e repicada a mão, lombo suíno assado ou de panela, salada simples, de alface, tomate e limão. Frango a molho pardo ou com quiabo, diante de angu de fubá moinho d'água, macio e cremoso, mexido na hora. Vaca atolada de costela bovina e mandioca; canjiquinha de milho amarelo com costelinha de porco, maneco com jaleco, maneco sem jaleco, bambá de couve e abóbora vermelha, chouriço de sangue de porco com salsinha e pimenta, moela ao molho vermelho, torresmo, chuchu picadinho, abobrinha batida, mugango, mostarda, taioba, erva fresca, chicória, molho de ovos, farofa de salsa, gembê de mamão verde. Arroz doce, doce de leite, doce de abóbora, doce de mamão, doce de batata doce, doce de figo - em calda e cristalizado -, doce de cidra, de laranja da terra, de marmelo, goiabada cascão, pirulito de mel. Broa de milho, broinha de queijo, pão de queijo, quebra-quebra, pão estrela de coco, pão com queijo, açúcar e canela, brevidade, pé de moleque, cocada, amêndoa doce de amendoim e de coco. Queijo catiara, queijo minas, queijo prato, queijo gouda, queijo curado, queijo parmesão, queijo provolone, queijo mussarela, queijo cobocó, queijo gorgonzola. Licor de figo, licor de jabuticaba, licor capim-gordura. E a depravada branquinha. Para escrever a primeira letra dos pratos que compõem o cardápio de São João del-Rei precisa-se de muitos alfabetos.

Nas grandes cidades e naquelas de maior visibilidade turística, a culinária fake, espetacularizada, está em toda parte e custa tão ou mais caro do que do aqui custava no tempo da descoberta do ouro, quando Minas vivia a mais absoluta escassez de alimentos. Como encontrar tudo o que é autêntico, genuíno, voluptuoso, barroco e sublime não é tarefa fácil, também em São João del-Rei é preciso garimpar e faiscar - além das primeiras esquinas - para merecer localizar estes preciosos tesouros de paladar esplêndido e tão raro sabor.

Estão, quase todos, nas cozinhas das casas mais simples. Também nos botecos furtivos e nos restaurantes modestos que, desconfiadamente, se esquivam dos grandes monumentos de pedra e ouro semeados pelos mestres Aleijadinho e Francisco de Lima Cerqueira. Com certeza, são brasa dormida e chama flamejante na lembrança e na memória dos verdadeiros são-joanenses.

Dizem que São João del-Rei vai fazer parte do projeto Conspiração Gastronômica. Tomara que aconteça, pois sendo assim todos muito irão ganhar. Principalmente a divulgação da verdadeira cozinha mineira...

Para saber mais sobre este assunto, acesse
 http://bdm.bce.unb.br/bitstream/10483/994/1/2009_AntonioEmilioCosta.pdf

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …