segunda-feira, 7 de maio de 2012

Conspiração Gastronômica em São João del-Rei

Largo das Mercês, Pelourinho e Passo da Paixão. SJDel-Rei. Foto do Autor


Autêntica de origem, genuína de alma, voluptosa nos ingredientes, barroca no tempero, delicada e sublime no preparo. A cozinha mineira de São João del-Rei é singular, como tudo o que é próprio da cidade.

Tutu de feijão preto, decorado com molho de tomate e cebola, linguiça fritinha enrolada em espiral, flores de ovos e folhas de salsa. Para acompanhar? Arroz branquinho e seco, couve bem fina, picada e repicada a mão, lombo suíno assado ou de panela, salada simples, de alface, tomate e limão. Frango a molho pardo ou com quiabo, diante de angu de fubá moinho d'água, macio e cremoso, mexido na hora. Vaca atolada de costela bovina e mandioca; canjiquinha de milho amarelo com costelinha de porco, maneco com jaleco, maneco sem jaleco, bambá de couve e abóbora vermelha, chouriço de sangue de porco com salsinha e pimenta, moela ao molho vermelho, torresmo, chuchu picadinho, abobrinha batida, mugango, mostarda, taioba, erva fresca, chicória, molho de ovos, farofa de salsa, gembê de mamão verde. Arroz doce, doce de leite, doce de abóbora, doce de mamão, doce de batata doce, doce de figo - em calda e cristalizado -, doce de cidra, de laranja da terra, de marmelo, goiabada cascão, pirulito de mel. Broa de milho, broinha de queijo, pão de queijo, quebra-quebra, pão estrela de coco, pão com queijo, açúcar e canela, brevidade, pé de moleque, cocada, amêndoa doce de amendoim e de coco. Queijo catiara, queijo minas, queijo prato, queijo gouda, queijo curado, queijo parmesão, queijo provolone, queijo mussarela, queijo cobocó, queijo gorgonzola. Licor de figo, licor de jabuticaba, licor capim-gordura. E a depravada branquinha. Para escrever a primeira letra dos pratos que compõem o cardápio de São João del-Rei precisa-se de muitos alfabetos.

Nas grandes cidades e naquelas de maior visibilidade turística, a culinária fake, espetacularizada, está em toda parte e custa tão ou mais caro do que do aqui custava no tempo da descoberta do ouro, quando Minas vivia a mais absoluta escassez de alimentos. Como encontrar tudo o que é autêntico, genuíno, voluptuoso, barroco e sublime não é tarefa fácil, também em São João del-Rei é preciso garimpar e faiscar - além das primeiras esquinas - para merecer localizar estes preciosos tesouros de paladar esplêndido e tão raro sabor.

Estão, quase todos, nas cozinhas das casas mais simples. Também nos botecos furtivos e nos restaurantes modestos que, desconfiadamente, se esquivam dos grandes monumentos de pedra e ouro semeados pelos mestres Aleijadinho e Francisco de Lima Cerqueira. Com certeza, são brasa dormida e chama flamejante na lembrança e na memória dos verdadeiros são-joanenses.

Dizem que São João del-Rei vai fazer parte do projeto Conspiração Gastronômica. Tomara que aconteça, pois sendo assim todos muito irão ganhar. Principalmente a divulgação da verdadeira cozinha mineira...

Para saber mais sobre este assunto, acesse
 http://bdm.bce.unb.br/bitstream/10483/994/1/2009_AntonioEmilioCosta.pdf

Nenhum comentário:

Postar um comentário