Pular para o conteúdo principal

Em São João del-Rei, anjos barrocos brincam de roda com seu criador: Aniceto de Souza Lopes


Há quase duzentos anos, ou melhor, há exatamente 198 anos, no dia 15 de maio, São João del-Rei perdia um de seus mais importantes artistas: o arquiteto, construtor e escultor Aniceto de Souza Lopes.

Seu nome não é lá conhecido pela maioria da população são-joanense, mas os monumentos que tiveram seu toque de mestre, muito pelo contrário, não há quem não se encante e não se orgulhe deles - as igrejas de São Francisco e de Nossa Senhora do Carmo e o pelourinho, hoje no Largo das Mercês.

Aniceto de Souza Lopes era alferes. Na igreja de São Francisco, atribui-se ao seu talento partes da escultura da magnífica fachada, como o relevo do frontão, esculpido em 1809, e a composição da qual fazem parte o Cristo Seráfico e São Francisco ajoelhado, recebendo os estigmas no Monte Alverne. Na igreja do Carmo, muitas são as obras de sua genialidade.

Já o pelourinho, esculpido em 1812, está completando este ano dois séculos. A coluna com duas bacias, sobre três degraus, que conhecemos hoje quase em frente ao Passinho da Paixão no Largo das Mercês, aliás, é apenas um fragmento do que era no tempo colonial. Originalmente, descrevem os historiadores, tinha em seu coruchéu uma escultura da deusa grega Astréa, voltada para o oriente. Na mão direita empunhava uma espada e da esquerda pendia uma balança, oscilante e sempre em desequilíbrio pela pretensão de pesar o movimento dos ventos e a gravidade do ar parado.

O pelourinho de São João del-Rei é um dos únicos cinco que sobreviveram no Brasil à abolição da escravatura, pois a esmagadora maioria foi destruída por ação e influência dos abolucionistas, imediatamente após a assinatura da Lei Áurea. É possível que tenha sido neste afã que a deusa Astréa foi derrubada do píncaro, o que danificou sua cabeça, braços e adereços. O corpo da bela escultura felizmente ainda existe, sob a guarda, dizem, do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei.

Modesta homenagem a tão qualificado e extraordinário artista, um jardim lateral da igreja de São Francisco de Assis de São João del-Rei, com um pequeno marco de bronze, chama o nome Aniceto de Souza Lopes. Há quem sonhe até que, em certas noites de frio e neblina, anjos barrocos brincam de roda com o alferes Aniceto, entre as hortências, manacás, quaresmeiras e ipês que florescem ali. Os sinos de São Francisco, nos domingos, pela manhã, também contam esta estória...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …