Pular para o conteúdo principal

Democratizar mais a cultura de São João del-Rei

Por mais que existam canais para divulgar a riqueza cultural de São João del-Rei, nunca é demais criar novos meios que possibilitem divulgar e difundir o olhar com que vê e o sentimento com que o são-joanense vive o mundo. Foi com este objetivo que este blog nasceu logo nos primeiros dias de 2011, trazendo no nome - Tencões & Terentenas - uma alusão a dois dos mais belos toques de sinos de nossa terra.

Ao homenagear os sineiros, que há dois séculos guardam na memória e reproduzem com o coração os signos sonoros de uma linguagem que está entre as características mais fortes e originais desta setecentista cidade, o blog homenageia também todos aqueles que, ao longo de três séculos vêm criando, produzindo, zelando e democratizando a rica produção histórico-artístico-cultural de São João del-Rei, eternizando-a evolutivamente rumo a um tempo e a um mundo melhores.

Acesse-o com frequência. Recomende-o a seus amigos. Comente. Encaminhe sugestões, idéias, indique textos que possam ser partilhados. Este blog será tão mais vivo e atual quanto mais intensa for sua participação!

Comentários

  1. Mais um espaço para divulgar nossas riquezas! Vida longa ao blog! Adorei o nome, pois como todo são-joanense, tencões e terentenas estão cravados na minha alma! Abraços e obrigada pela visita em 'Ambição Literária'

    ResponderExcluir
  2. Valeu, KK, obrigado. A idéia do nome do blog surgiu quando vi, na torre do Rosário, às 12h30 do dia 24 de dezembro passado,os sineiros executarem magistralmente os seguintes toques natalinos: Tencão Festivo, Nove, Terentena e Floreados.
    Interpretei como representação sonora dos instantes finais da gestação de Jesus, sendo as Nove espaçadas pancadas alusão explícita aos nove meses que antecedeu seu nascimento.

    ResponderExcluir
  3. Morando fora de São João e valorizando a terra mais que os moradores que aqui residem.
    Espero que você sirva de exemplo para todos nós.
    Que o Blog seja quente como bolinho de feijão...
    Abraço com cheiro de rosmaninho e beijo com sabor de amêndoa.

    Patrícia Monteiro

    ResponderExcluir
  4. Patrícia,
    Para a criação deste blog foi importante inspiração e vigoroso impulso sua mensagem de Ano Novo, reproduzindo Guimarães Rosa: "O que a vida espera da gente é coragem..."

    Êh, saudade do bolinho de feijão...

    ResponderExcluir
  5. Olá, Emílio.
    Você, a ambientação de tencões e terentenas me fez realizar, ao lado da Alzira Agostini, uma exposição síntese da arte, integralmente saojoanense do meu pai, Marcos Mazzoni.
    E é sempre assim que sobrevivo, me ausentando de onde estou para vagar pelas ruas de São João, eterna e plenamente inconfidente...

    ResponderExcluir
  6. Marina,

    mais do que ninguém, você sabe: São João del-Rei pede - ou melhor, impõe - a quem lhe ama uma alma barroca, inconfidente. Mazzoni e sua arte são pura expressão desse estigma são-joanense.Grande abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…