Pular para o conteúdo principal

Semana Santa de São João del-Rei: a fé, a crença, a magia e a projeção das trevas que há em todos nós

Antigamente, desde seu começo, no Domingo de Ramos, a Semana Santa era um tempo impregnado não só de religiosidade, mas também de muito misticismo, em São João del-Rei. Entre as pessoas mais velhas, e também entre as mais simples, ainda é assim.

Acreditavam que especialmente no período máximo do sofrimento de Cristo, até o instante de sua ressurreição, as forças negativas e perversas, capitaneadas por Satanás, estavam soltas sobre a Terra, castigando Jesus e tentando os homens. Semeando armadilhas e espalhando riscos, provocando pavores, desconstruindo o equilíbrio, institucionalizando a des-ordem que constitui o caos. Tinham certeza que o Diabo estava solto e furioso porque se aproximavam do fim seus dias de incontrolado convívio entre os homens e a natureza bruta.

Por isso jejuavam, se martirizavam, se abstinham, se sacrificavam, se mantinham em longos e meditativos silêncios, na crença de assim não assanhar o Coisa Ruim, de mantê-lo à distância, de não provocá-lo, de passarem despercebidos por ele e escaparem de suas más artimanhas.

Supunham que coisas misteriosas, sobrenaturais e inexplicáveis aconteciam nos cantos escuros, nos telhados, nos fundos dos quintais, nos galinheiros e chiqueiros, no meio dos bambuzais, nos avessos onde sobrevivem animais peçonhenos, embaraçam raízes, emaranharam-se galhos, fermentam imundícies, germinam o primitivo e o que à luz não se vê.

Temiam ser tempo fértil para feitiços, malefícios, mandingas, encantamentos perversos, castigos espirituais, amarrações amorosas, vinganças por ciúmes, por inveja, ambição desmedida, avareza, luxúria não correspondida, ou mesmo ruindade pura.

Do mesmo modo, viam na Semana Santa  o tempo ideal para benzeções e simpatias, principalmente na Sexta-Feira da Paixão. Para confeccionar amuletos e patuás com dentes de animais e orações fortes, colher ervas e raízes medicinais, pagar promessas, confessar e se arrepender dos pecados, tomar banhos purificadores, daqueles de lavar da alma todo peso e culpa.

Às claras, hoje isto tudo é superstição, folclore, atraso. Mas quando chega a Semana Santa, todo coração são-joanense bate em certo descompasso, treme arritmias que ninguém explica. Mesmo que todo mundo negue até depois que o galo cantar três vezes.

Comentários

  1. Você não é fácil, Emílio... Este é o fio da meada! A alma da cultura popular que impregna a quaresma e por extensão a Semana Santa está fielmente retratada nesta postagem! Este texto é uma pérola. Com um abraço são-joanense me despeço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …