Pular para o conteúdo principal

De tristeza, sinos de São João del-Rei dobram "de trás pra frente, pelo avesso" no dia de Finados


No principiar de novembro, São João del-Rei volta no tempo. É tempo de Finados. Desde o entardecer do dia 1º até o entardecer do dia 2, de tempos em tempos os sinos das igrejas barrocas dobram Finados - dobre triste, é como um toque inverso, pelo avesso, de trás para frente.

Já na manhã do primeiro dia, nas ruas coloniais do centro histórico, se percebe que é véspera. Os são-joanenses mais antigos, previamente, visitam os cemitérios, vistoriando, limpando e zelando das tumbas e ossuários. Depois, transitam pelas lojas, prevenidos que são, comprando flores artificiais que no dia seguinte serão entregues aos seus mortos. Em São João del-Rei, túmulo descuidado é o mesmo que defunto esquecido, desonrado ou por gosto abandonado, intencionalmente deixado para trás.

Antigamente, no dia 2, as velhas igrejas são-joanenses montavam em seu interior uma instalação funerária, na nave do templo ou em sua capela-mor: um tapete retangular preto ou roxo de galões dourados, quatro altos castiçais com velas compridas acesas, um em cada canto e, no centro, uma "eça" - alta mesa, de madeira escura, algumas com entalhe de caveira nas quatro faces, sobre a qual, em tempos passados, se depositava o caixão com o defunto para as orações do padre, abençoando e encomendando (ou deveria ser recomendando?) a alma a um bom destino no universo sem fim da eternidade.

Também era recomendado que, a pedido do Papa, os fiéis visitassem as igrejas que tivessem estes monumentos fúnebres, entrando nove vezes pela porta principal e saindo pela porta da sacristia, e rezando para a salvação de todas as almas. Em troca, receberiam "indulgências plenárias".

Desde um tempo longínquo se celebra uma missa barroca, às vezes na capelinha do Cemitério da Matriz, às vezes na própria Matriz do Pilar, ao som dos responsórios do Ofício de Trevas da Semana Santa, executados por uma das bicentenárias orquestras locais.

Assim, ao som esparsado dos sinos que de tristeza parecem chorar, tocando pelo avesso, de trás para frente; entre velas, flores e lágrimas, ainda se esvai cada dois de novembro em São João del-Rei, na certeza  indesejada de que muitos, hoje no lado de cá, ano que vem estarão no lado de lá.

Veja, no vídeo abaixo, o registro que uma turista fez de um enterro comum em São João del-Rei. Na descrição, ela menciona o que mais lhe chamou a atenção: o respeito dos são-joanenses diante do cortejo fúnebre, inclusive do comércio, que cerra as portas quando por aquela rua vai passar um defunto. Somente respeito, ou crença e superstição? Memórias antigas podem responder porque. Mas isto é tema para os pesquisadores de São João del-Rei.

Comentários

  1. não entedi bem"como um toque inverso, pelo avesso, de trás para frente."
    eles so dobram de traz para quando é padre.
    helvecio benigno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Helvécio,

      este almanaque eletrônico se sente muito prestigiado com sua visita e com seu comentário. Para quem não sabe, Helvécio é profundo conhecedor dos toques de sino de SJDR e cinegrafista com preciosos registros videográficos sobre as tradições barrocas da cidade. É de sua autoria, por exemplo, o vídeo A Senhora é Morta, já apresentado como ilustração neste Tencões & terentenas.

      Sobre a expressão "toque inverso, pelo avesso, de tras para frente", a escrevi como um exercício de linguagem, como uma licença poética. Com ela, minha intenção era mostrar que o toque de Finados, por ser de tristeza profunda, é muito diferente da maioria dos toques de sinos de nossa terra, que são de festa e alegria.

      Sinceramente, não sabia que o toque "de tras para frente" existe de fato e é executado para anunciar a morte de padres. Isto aprendi agora, com você.

      Mais uma vez obrigado e um abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …