Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei: onde o céu abraça o chão

Onde o céu não desce ao chão, em São João del-Rei, a geografia se eleva, disposta a projetar o são-joanense ao infinito. O morro do Bonfim é um lugar assim: talvez o ponto mais elevado da cidade, mas com certeza o que mais bela visão oferece da Serra do Lenheiro, roxa e verde no seu ondular de seios, fendas, cascatas e vales.

Pequenina, a capelinha de Nosso Senhor do Bonfim fica no horizonte da linha tênue onde céu e terra, se separados, se juntam; se juntos, se separam. Tão diminuta que parece de papel, foi construída em 1769, pelo devoto José Garcia de Carvalho, nas imediações de onde semearam, na infância do Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes, a primitiva capela da santa padroeira, incendiada nos idos de 1709, pelos ódios e labaredas da Guerra dos Emboabas.

Delicada, bandeirante, de janelas azuis, torre e sino singelos, cercada de cheirosos manacás, a capelinha branca parece uma ovelha desgarrada, à espera do árcade e crucificado pastor. Bonfim. Seu nome chama esperança e acena adeus alentoso, no desejo inocente de apagar as letras graves que, evocando o alto patíbulo ali outrora plantado, insiste em ainda hoje manter o que está escrito na memória - Morro da Forca.

Dizem que foi por aquele alto que, em 1717, chegou o Conde de Assumar à Vila de São João del-Rei e ali mesmo recebeu saudações das mais importantes autoridades, da nobreza e do clero locais, ao som da música comandada por mestre Antônio do Carmo. Um século depois, os cientistas alemães Spix e Martius, também passando por ali, registraram em suas cadernetas de anotação a visão privilegiada que se tem do alto do Bonfim. Mais cinquenta anos e o viajante inglês Richard Burton, em 1868, confirmou a mesma impressão.

Também no século XIX, por volta desta mesma época, era no alto do Bonfim que a Sociedade Patriótica Ypiranga comemorava, todo 7 de setembro, a Independência do Brasil. A festa começava cedo, com alvorada festiva, e prosseguia por todo o dia, com toques de tambores e clarins, discursos e homenagens. Só terminava à noite, na capela, com o canto do "hino sagrado" Te Deum Laudamus.

Como já vai longe esse tempo, voltemos a 2012. Esta semana, até o anoitecer do próximo domingo, o alto do Bonfim está em festa, para homenagear Nosso Senhor. Toque de sinos, missas, bandas de música, cânticos, orações, barraquinhas, jogos inocentes, alto-falante, foguetórios, leilões, pipoca, algodão doce, víspora, pés de moleque, maçã do amor, beijo quente, quentão, quebra-queixo. As lembranças, as sortes, as alegrias e as delícias do tempo e da infância pulando dos bolsos qual azuis bolinhas de gude, girando coloridas no largo como iluminadas rodas-gigante, se esfolando ofegantes nas pedras e no cascalho.

Tudo entre o céu e o chão, em honra ao padroeiro agonizante que do alto de sua colina, há 243 anos, complascente e cordioso, vigia São João del-Rei, protegendo-a nesta guerra cotidiana de outros emboabas...

............................................................................
Fonte: GAIO SOBRINHO, Antônio. Notas sobre o Bairro do Bonfim. Jornal da ASAPAcessado em http://saojoaodelreitransparente.com.br/works/view/12

Comentários

  1. Lindo! Quando vou à São João del Rei é lá que fico, no Bonfim, onde boa parte da família do meu pai ainda reside. E tenho de minha janela vista privilegiada e tão bem descrita por você.
    Abraços. KK

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …