Pular para o conteúdo principal

Igreja do Carmo: brilho luminoso, estrela da manhã dos olhos de São João del-Rei - 1

16 de julho. O dia maior em que São João del-Rei realiza, com pompa grandiosa, a procissão de Nossa Senhora do Carmo, é um bom momento para se fazer um passeio histórico sobre um dos mais belos monumentos religiosos do barroco brasileiro: a igreja são-joanense de Nossa Senhora do Monte Carmelo.

Mal começara 1733 - portanto exatamente 20 anos após ter sido criada a Vila de São João del-Rei - e escravos, artífices e artistas, sob as riquezas e o poderio da Irmandade de Nossa Senhora do Carmo, já se movimentavam na construção da capela primitiva daquela padroeira. Tamanhos foram o investimento em ouro puro, empenho e a mão de obra empregada que às vésperas do natal de 1734, o padre Antônio Pereira Correa benzeu o pequeno templo. Entre a autorização para a obra, no dia 10 de dezembro de 1732, até sua inauguração, no dia 20 de dezembro de 1734, passaram-se apenas dois anos e dez dias.

Uma das mais ricas e precisas descrições do templo carmelita de São João del-Rei foi escrita pelo historiador Luís de Melo Alvarenga e publicada pela Editora Vozes, em 1963, no livro Igrejas de São João del-Rei - Minas Gerais, ilustrado pelo artista plástico J. Fortuna. São-joanense devotado, Alvarenga apresenta o templo detalhe a detalhe. Sobre a fachada, ele diz:

"A atual fachada foi iniciada em 1787, tendo como diretor de obras e seu artífice o grande mestre português Francisco de Lima Cerqueira, que na ocasião trabalhava também na construção da igreja de São Francisco de Assis. Seu conjunto [o conjunto da igreja do Carmo] talvez exceda em equilíbrio e perfeição de desenho à de São Francisco, sendo porém menos rico do que aquela em ornatos e trabalhos (Rodrigo de Mello Franco de Andrade) ..."

As torres e o frontispício da igreja do Carmo de São João del-Rei são singulares, únicos em Minas Gerais e talvez até mesmo no Brasil. Referindo-se a elas, escreveu o historiador:

"As torres, desde a base até as cúpulas sustentadas por prolongamento das pilastras e nova cimalha, são em formato octagonal, com frestas abertas nas arestas, o que é considerado raro na arquitetura colonial. As cúpulas, em forma bulbar, terminam por uma coroa armilar e cruz de metal.

O frontão tem por moldura volutas e contravolutas, que graciosamente se encontram no centro. É encimado, bem no centro, por uma cruz de acanto apoiada em uma esfera, tudo em pedra azulada. Este conjunto é considerado uma obra-prima da cidade.

No espaço  entre o frontão e a portada acha-se um óculo redondo envidraçado e duas grandes janelas, dando claridade ao coro. As janelas tem padieiras ornatas com bonitos florões que descem um pouco pelas ombreiras. Abaixo do peitoril também existem artísticos enfeites."

A descrição da igreja do Carmo, feita magistralmente por Luís de Melo Alvarenga na obra citada, é tão completa que merece ser reproduzida na íntegra. E o será, em partes, em futuros posts deste almanaque eletrônico. Enquanto isso, veja abaixo flashes da procissão de Nossa Senhora do Carmo, que todo ano se realiza no dia 16 de julho.


...........................................................................
Fonte: ALVARENGA, Luís de Melo. Igrejas de São João del-Rei . Editora Vozes . Petrópolis, Rio de Janeiro, 1963.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …