Pular para o conteúdo principal

Em São João del-Rei, Procissão dos Mártires pagou carrasco com uma penca de 25 cobres. Ia-se 1886.


De interior bastante simples e fachada totalmente atípica em relação às demais igrejas setecentistas e oitocentistas de São João del-Rei, contemporâneas a ela, a igreja de São Gonçalo Garcia demorou 131 anos para ficar pronta. Sua construção atravessou parte do século XVIII, todo o século XIX e o começo do século XX, tendo se iniciado em 1772 e só terminado em 1903. A conclusão de seu entorno, no formato atual, avançou até 1915, quando ficou pronta sua bela, semicircular e alta escadaria.

Sobre a evolução da obra, o viajante Richard Burton, quando passou por São João del-Rei em 1868, na viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho, registrou em sua caderneta de anotações:

         "A igreja de São Gonçalo Garcia ... é uma simples casca, uma inacabada ruína,
           de tão exposta, e, sem dúvida, exigirá muito tempo para se tornar uma casa
           de Deus apresentável". Sua previsão de futuro foi acertada...

A Irmandade de São Gonçalo Garcia de São João del-Rei, ligada à aristocrática Ordem Terceira de São Francisco de Assis da Penitência, era a alternativa franciscana para os homens pardos e crioulos. Sua criação é anterior a 1759 e tinha sede na capela de Nossa Senhora das Mercês.

Em tempos passados, a Irmandade de São Gonçalo promovia, esporadicamente, a Procissão dos Mártires que, a exemplo da Procissão das Cinzas, era um cortejo de muitas insígnias e figurantes inusitados, tirados dos mais diversos capítulos da iconografia católica e da história bíblica.

Consta, por exemplo, que, em 1886, a dita procissão tinha "26 figurantes de mártires, sendo 6 adultos e 20 fradinhos" que, portando-se como os tradicionais penitentes espanhóis, carregavam cruzes. Além deles, se destacavam as alegorias da Fé, da Esperança e da Caridade, Adão e Eva e a heroína Judith, tendo às mãos uma espada sangrenta e a cabeça do gigante Holofernes. Verdade ou exagero, acredite quem quiser, o jornal Astro de Minas divulgou que a procissão daquele ano foi vista por dez mil pessoas.

Um anúncio crítico e capcioso - Chamando para o  grande evento, dias antes da curiosa procissão, o mesmo periódico veiculou, há 126 anos, o seguinte chamado:

               "Precisa-se de um oficial da guarda nacional, fardado,
                para servir de tirano na Procissão dos Mártires.
                Quem quiser, apresente-se e, se servir bem, garante-se-lhe
                o papel de Abraão na procissão de Sexta Feira Santa.
                Além do cartucho (de amêndoas doces), gratifica-se
                com uma penca de 25 cobres ou 1$000."

O assinante da convocação? Zé de Mamão!
..........................................................................
Fonte: GAIO SOBRINHO, Antonio. Visita à Colonial Cidade de São João del-Rei. Fundação de Ensino Superior de São João del-Rei - FUNREI. São João del-Rei, 2001.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …