Pular para o conteúdo principal

São Miguel Arcanjo. Há 300 anos Príncipe da Milícia Celeste protege São João del-Rei


Faz mais de 300 anos que São Miguel Arcanjo chegou a São João del-Rei, ainda Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes. Aqui, ele viu o ouro brotar da terra e, por cobiça humana, facões e espadas crisparem seus metais, acendendo no ar raios e relâmpagos. Arcabuzes lançarem pólvora e estouro de trovão e até o Córrego do Lenheiro correr tinto de sangue na Guerra dos Emboabas. Há quem diga que, sinal de sua força e poder, ele escapou das chamas que incendiaram a primitiva capela de Nossa Senhora do Pilar, no Morro da Forca, saindo a salvo na companhia de seu vizinho, o guerreiro e mártir São Sebastião.

Vencidas as chamas e abrandado o calor das pedras em brasa, em 1716 São Miguel criou seu exército humano na recém-criada Vila de São João del-Rei: a Irmandade de São Miguel e Almas. Desde então, toda segunda-feira é saudado com uma missa vespertina e no mês de setembro festejado com muita oração e especial louvor. Depois de um tríduo noturno, de leituras e cânticos barrocos, na quarta noite,  dia 29, São Miguel sai sobre andor em revista às ruas, largos, ladeiras, vielas e becos do centro histórico de São João del-Rei, dobrando esquinas, cruzando encruzilhadas, rondando cantos e recantos, para certificar-se de que em toda parte brilha a luz eterna e espantar para longe, de onde for preciso, o príncipe das trevas e das enganadoras artimanhas, que põem a perder as almas.

São Miguel é muito querido dos autênticos são-joanenses, que em respeito ao seu nome não lhe invocam em quase momento algum. Os antigos, na sua fé inabalável, acreditavam que, se chamado, não era impossível comparecer  em imediato socorro. Por isso, como escudo contra o Inimigo, tinham dele em casa imagem ou estampa e, sempre ao alcance da mão, ou como patuá no pescoço, a Oração de São Miguel, muito forte para afastar a presença maligna e resgatar a paz de Deus.

Para os são-joanenses, São Miguel Arcanjo tudo pode. Na Matriz do Pilar, seu altar fica do lado direito do arco-cruzeiro e honraria igual só tem Nossa Senhora da Boa Morte, no lado esquerdo. Se por um lado cabe a ele manter preso Satanás no Inferno, o que faz em São João del-Rei tendo à mão direita a Cruz de Cristo e o estandarte vermelho da Santíssima Trindade, por outro, na porta do Céu, ele pesa as virtudes e vícios humanos na balança que tem à mão esquerda, para conferir, segundo aqueles méritos, qual será o destino das almas que, ao deixar o corpo e a Terra, ali chegam.



Post Scriptum - A presença de São Miguel na vida do povo de São João del-Rei é tão representativa e democrática como expressão de fé e religiosidade que no alto da antiga Rua São Miguel, arredores da igreja das Mercês, há incontáveis décadas funciona o Centro Espírita Kardecista São Miguel Arcanjo. A autêntica cultura são-joanense é verdadeira quanto à pratica de seus princípios humanistas e ecumenicamente evoluída quanto ao respeito à diversidade religiosa.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …