Pular para o conteúdo principal

Setembro floresce fé, festa, fogos e flores em São João del-Rei


O calendário das festas religiosas de São João del-Rei seguramente é o mais vasto, diversificado e intenso do Brasil. Começou a ser construído em 1703, quando no vale da Serra do Lenheiro chegaram os primeiros bandeirantes e forasteiros, trazendo como padroeira uma imagem primitiva de Nossa Senhora do Pilar. Se sofisticou e singularizou ao longo dos séculos XVIII e XIX, perpetuando-se nos séculos XX e XXI.

Neste calendário, setembro é um mês que se destaca. Somente em novenas e tríduos, somam-se 30 dias, e a eles se somam 5 tradicionais procissões: Senhor dos Montes, Bom Jesus de Matosinhos, Nossa Senhora das Mercês, São Miguel Arcanjo e Anjos Custódios.

A de Bom Jesus de Matosinhos (foto), por exemplo, acontece no dia 14, quando também se celebra a Exaltação da Santa Cruz. Sem dúvida, é realizada desde a segunda metade dos anos setecentos e tem o status de Jubileu. Outra peculiaridade é que acontece em um bairro comercialmente muito movimentado e distante do centro histórico. Dura doze dias e, seguindo a feição do Bairro de Matosinhos, tem características mais urbanas, bem diferentes daquelas tradicionais que acontecem na área colonial ou adjacente.

A igreja original de Bom Jesus de Matosinhos, de feição setecentista, foi deliberadamente demolida no começo da década de 70 e de seus adornos ninguém sabe. A não ser a artística portada de pedra sabão, que foi vendida para um afortunado paulista. Mas após incansável luta do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, com a morte do comprador, segundo o multiqualificado são-joanense Jota Dangelo, em sua coluna semanal Pelas Esquinas, publicada na Gazeta de São João del-Rei, os herdeiros concordaram em devolver a São João del-Rei aquela joia barroca.

O templo que substituiu a igreja demolida é um edifício moderno, "diferente", e generosamente pode ser classificado como, no mínimo, "cubista". Em sua fachada não há cabimento estético que justifique deixar ali a preciosa portada. Certamente o povo de São João del-Rei, a Igreja local e os órgãos de preservação, em consenso, encontrarão a alternativa ideal para que aquele pórtico integre algum acervo e fique permanentemente em exposição, inclusive como alerta para prejuízos irremediáveis que a insensibilidade e a ignorância podem causar ao bem público, no caso ao patrimônio cultural brasileiro.

Que Bom Jesus de Matosinhos ajude e que a sociedade são-joanense, na questão capitaneada pelos três setores citados, se una, se comprometa e se mobilize, com seriedade e competência, para que a portada volte logo para São João del-Rei e aqui receba a destinação e o cuidado que merece.

............................................................................ 

Foto: reprodução de cartaz publicado site da Diocese de São João del-Rei

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …