Pular para o conteúdo principal

Nhá Chica. Refulgente estrela do Rio das Mortes. Doce candura de São João del-Rei

Não é todo verdade o dito popular de que o brasileiro deixa tudo para a última hora. Pelo menos em Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno, ou simplesmente Rio das Mortes - um dos cinco distritos de São João del-Rei. Lá, a notar pela movimentação que já começa, tudo o que é importante recebe atenção e planejamento; é preparado com bastante antecedência, tal qual uma festa de casamento ou um batizado.

O grande orgulho do povo simples do Rio das Mortes não são os templos barrocos, as pontes de pedra, as orquestras quase tricentenárias nem a magnífica Semana Santa de São João del-Rei, "metrópole" daquela "colônia". O que faz o coração daquela gente bater mais forte e seus olhos brilharem mais luminosamente é a lembrança de que ali nasceu a primeira santa brasileira, já beatificada para em breve começar o processo de canonização: Nhá Chica. Não só nasceu mas ali também foi batizada e viveu os dez primeiros anos de sua vida dedicada a Deus, a Nossa Senhora da Conceição e aos pobres. Por isso, a Nhá Chica do Rio das Mortes é menina, tem sua virtude na inocência e na pureza da infância, que ali foram cultivadas e mais tarde se tornaram a base e o lume de toda sua existência.

Contrariando o ditado popular, sabiamente já começaram, no distrito são-joanense do Rio das Mortes, as primeiras ações para a intensa programação comemorativa que marcará 203º aniversário de nascimento e batismo de Nhá Chica. Mas a festa só acontecerá em abril do ano que vem, ou seja, daqui a sete meses.

Pela quarta vez, será uma festa autêntica, genuína, em tudo fiel à fé, à simplicidade, à alegria pródiga, ao espírito generoso, laborativo e telúrico dos conterrâneos da santa brasileira. Isto se expressará nas mais diversas formas e linguagens: celebrações religiosas, gastronomia, artesanato, literatura, artes, música, confraternização - enfim, em tudo o que é sublime e que também serve para elevar o homem, louvar a Deus e agradecê-lo pela existência e memória de Nhá Chica.

Além dos moradores do Rio das Mortes, o projeto também tem encantado são-joanenses e não são-joanenses que, voluntariamente, se dispõem a colaborar, in loco ou à distância, com tão importante empreitada. Todos inspirados e iluminados por aquela que, por suas virtudes e por sua dedicação, foi denominada Serva de Deus e Mãe dos Pobres.


Comentários

  1. Ave, Salve Venerável Nhá Chica! Nossa amada, amável Santinha Nhá Chica! Parabéns, Emílio! Seu almanaque é esplendoroso! Fernanda Scarpa.

    ResponderExcluir
  2. Já tive o prazer de participar do ANIVERSÁRIO DE NASCIMENTO DA AMADA SANTA NHÁ CHICA lá no Distrito do Rio das Mortes, em 2011, e esta notícia sobre o início dos preparativos da próxima festa, em 2013, tudo narrado, descrito com tanta poesia, singeleza... me remeteu para aquele lugar, aquele momento: lembranças agradabilíssimas e indeléveis! Lindo texto e maravilhosa iniciativa!

    ResponderExcluir
  3. A candura, a doçura, a ternura de nossa amada Santa Nhá Chica são uma moldura, neste texto que mais parece uma pintura. Ao lê-lo resplandece, brilha, refulge ainda mais nosso amor por ela!

    ResponderExcluir
  4. Santa Nhá Chica, a santa do Rio das Mortes, de São João del-Rei, de Baependi, de Minas, do Brasil para o mundo! Vamos todos juntos celebrar, comemorar, festejar!

    ResponderExcluir
  5. Acho fundamental celebrar, comemorar, festejar também no Distrito do Rio das Mortes, também em São João del-Rei, a SANTA NHÁ CHICA, A SANTA DO RIO DAS MORTES, DE SÃO JOÃO DEL-REI, DE BAEPENDI, DE MINAS, DO BRASIL PARA O MUNDO!

    MAIS DO QUE NUNCA O 26 DE ABRIL E TODAS AS FESTIVIDADES QUE A DATA MERECE PRECISAM FICAR GRAVADAS DE FORMA INDELÉVEL NO CALENDÁRIO DE SÃO JOÃO DEL-REI, NO CALENDÁRIO DE MINAS, NO CALENDÁRIO DO BRASIL...

    Sempre me pergunto, como terá sido a vida, o cotidiano da menina FRANCISCA DE PAULA JESUS no RIO DAS MORTES?

    Também me indago como os são-joanenses constroem em seu imaginário a menina FRANCISCA, agora SANTA NHÁ CHICA?

    SALVE SANTA NHÁ CHICA!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …