Pular para o conteúdo principal

Sineiros de São João del-Rei e a barroca Festa da Boa Morte


Novamente São João del-Rei está em festa barroca, desta vez em honra de Nossa Senhora da Boa Morte, de sua Assunção e Coroação. Realizada anualmente no período de 5 a 15 de agosto, é uma tradição muito antiga, surgida na metade do século XVIII e que, especialmente na terra onde os sinos falam, tem cores locais. Não só cores, mas também rica e única musicalidade,  pontuada  por três "naipes": os sinos, a orquestra Lira Sanjoanense e a Banda Theodoro de Faria.

Cada qual com sua função. A banda, acompanhando e ditando ritmo às procissões, enchendo  becos e largos com notas harmonicamente cadenciadas. A orquestra, executando partituras barrocas na novena, na missa solene e de quando em quando, nas procissões. Os sinos, bem, os toques dos sinos...

Dizem que o toque A Senhora é Morta de todos é o mais bonito. Executado apenas na Matriz do Pilar, noite de 13 de agosto e em determinadas horas do dia 14, parece uma conversa de anjos - contando um para o outro que a Senhora, sobre-humanamente, adormeceu.

O ofício de sineiro hoje é reconhecido como valorosa atividade cultural. A este respeito, assim registrou o IPHAN: "A tradição do toque dos sinos, eminentemente masculina, se mantém viva em São João del-Rei como referência de identidade cultural da cidade e como atividade afetiva, lúdica e devocional dos sineiros. A estrutura, composição e o saber tocar sinos estão na memória e na habilidade dos sineiros, que conhecem de cor um repertório não escrito de toques, constituídos de pancadas, badaladas e repiques e dobres  adequados  a ocasiões festivas ou fúnebres."

"Os sineiros são detentores e responsáveis pela reiteração e transmissão da habilidade e do conhecimento requeridos por essa forma de expressão e do seu repertório, pois esta prática não se aprende na escola. Este aprendizado requer observação, envolvimento e dedicação desde a infância, quando os meninos, que não têm acesso às torres, começam a reproduzir os sons dos campanários em panelas, postes, enxadas, picaretas e tudo o mais que possa servir como objeto de percussão."

"A partir da adolescência eles passam a frequentar as torres das igrejas para ouvir, ver e acompanhar a execução dos toques. Aos domingos, em São João del-Rei, estes aprendizes saem em "via sacra a percorrer as torres das principais igrejas para aprender e, ocasionalmente, tocar os sinos."

"Outra característica da formação dos sineiros é que geralmente eles mantém estreita relação com bandas, orquestras, liras, escolas de samba e outros espaços de expressão da musicalidade. Dizem que é possível, pelo toque, identificar o sineiro."

"A atividade de sineiro é uma prática e uma arte que envolve criação e aprimoramento de toques, indo além da mera repetição de um repertório. Sineiros experientes criam adereços para os sinos e incorporam novas técnicas ao seu trabalho, como por exemplo a colocação do gancho entre o badalo e a corda. Os sineiros se autoclassificam como antigos (tocam os sinos esporadicamente e são chamados para esclarecer dúvidas), jovens (tocam os sinos no dia a dia), zeladores (dão condição aos jovens sineiros de realizarem sua tarefa e tocam os sinos quando estes não conseguem) e mestres (sineiros já falecidos que fazem parte da história da localidade e são referências desse saber e do seu ofício)."

Sabendo disso, que tal ouvirmos o toque A Senhora é Morta e ver, na prática, algumas coisas de que fala o texto?

........................................................................
Foto: reprodução de imagem do site www.diocesedesaojoaodelrei.com.br


Comentários

  1. É um toque lindo e também melancólico como pede a ocasião. Meus irmãos que foram sineiros, tocaram muito. Que privilégio ser menino e tocar sino! Que saudades!

    ResponderExcluir
  2. Mais uma ótima matéria Emilio,eu me identifiquei aqui pois sou sineiro (embora não tão ativo como antes) desde os 10 anos de idade,já frequentei as torres das igrejas de N.S. do Pilar,N.S. do Carmo,São Gonçalo,São Francisco,N.S. do Rosário,N.S. das Mercês,Dom Bosco (nessa eu e mais dois amigos tocávamos os carrilhões e fomos os primeiros e únicos a levar a linguagem dos sinos para essa igreja) e fui sineiro da igreja do Senhor Bom Jesus de Matosinhos,mais uma vez meus amigos e eu retornamos com a linguagem dos sinos que havia desaparecido havia uns 20 anos e um sineiro antigo subiu na torre e se emocionou ao ouvir os mesmos toques que ele fazia na igreja antiga que foi demolida.
    Aproveito para lhe agradecer as palavras de incentivo que você me enviou por e-mail e estou preparando uma série de postagens para o meu blog com muitas fotos raras da bitolinha.
    Abraço e fique com Deus!

    Thiago

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thiago,

      desde sempre os grandes são-joanenses constroem e escrevem a história de São João del-Rei cotidianamente, com o próprio viver. Você, com sua trajetória e com seu exemplo, é um deles.

      Grande abraço.

      Excluir
  3. KK, como vc sabe, em SJDR não é tradição mulheres subirem nas torres para dobrar sinos. São pesados, requerem acrobacia perigosa.Talvez, se fossem harpas...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …