Pular para o conteúdo principal

Em São João del-Rei, sino tem nome, tem voz e até anuncia a própria morte


Sonoridade, sinos, São João del-Rei. Ao "pé da letra" estas palavras não rimam, mas tão grande é a afinidade existente entre a cidade e a musicalidade, que não é errado dizer que não só elas rimam quanto são também sinônimas. É pura verdade!

Assim como as bicentenárias pontes de pedra, os lampiões antigos cujos suportes lembram ferozes dragões, as torres e monumentais frontispícios das igrejas barrocas, os sinos são símbolos e signos de São João del-Rei, o que a tornou conhecida como "cidade dos sinos" e, ainda, "terra onde os sinos falam".

Em São João del-Rei, desde sempre, sino tem nome de homem: Daniel, Bailão, Elias, Eliseu, Jerônimo. Até hoje eles informam, várias vezes por dia (e até à noite) o que está acontecendo ou vai acontecer dentro ou no entorno de sua igreja: novena, missa, procissão, Te Deum Laudamus, enterro, fatos e datas especiais do universo litúrgico católico.

A chegada de um sino novo para a torre e seu batismo são sempre uma festa. Tem banda de música tocando, bênção religiosa e até discurso pode ter. Torna-se um acontecimento social e de lazer importante, atraindo muitas pessoas especialmente para aquele largo, onde se tornarão testemunhas de um fato histórico memorável.

Se a subida de um sino à torre é alegre, sua despedida e silêncio definitivo são nostálgicos e agonizantes como a morte do tradicional homem são-joanense. Na solidão aérea de sua torre, ele dobra pungente suas próprias exéquias, lançando sons compassados sobre telhados, largos e jardins.

Com o sino Elias, da igreja do Carmo, está sendo assim. O tempo e os dobres provocaram uma rachadura em sua bacia, deformando sua sonoridade e criando riscos de ameaçadora quebra do bronze. Por isso ele está se despedindo. Justamente ele - que melancolicamente, a 18 de novembro do ano passado, anunciou a passagem de meu pai - Geraldo Sebastião da Costa - do pórtico da  igreja do Carmo até o monumental portão de ferro do Cemitério da mesma Ordem Terceira (foto) - há algum tempo já começou a anunciar sua própria morte.

É isto o que nos mostra o cineasta são-joanense e sineiro Helvécio Benigno, no vídeo que pode ser acessado clicando no link http://www.youtube.com/watch?v=0izBgg8HdIw&feature=relmfu. Vale observar, principalmente,  o movimento pendular espontâneo do minuto final.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …