Pular para o conteúdo principal

Assim como rei, valete e dama, conde também foi carta de ouro no baralho de São João del-Rei

Além da violência bruta das emboscadas, saques, mortes e incêndios que arrasaram o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes, a Guerra dos Emboabas lançou fortes luzes sobre a semente de São João del-Rei. Por isso o governo português na Capitania das Minas de Ouro, mal acabado o sangrento conflito, em 1713 transformou o nascente arraial em Vila de São João del-Rei, mantendo nela  olhos de severa vigília.

Certamente foi neste intuito que o governador da Capitania, Dom Pedro de Almeida Portugal, Conde de Assumar, visitou a vila em 1717, ocasião em que São João del-Rei mostrou para a metrópole e para a colônia sua vocação musical. Depois voltou aqui várias vezes, ainda na segunda década do século XVIII.

Dois anos depois da primeira visita, no dia 25 de agosto de 1719, novamente ele estava na Vila de São João del-Rei, pois daqui escreveu para o Senado da Câmara local informando que já estavam no Rio de Janeiro as tropas que serviriam nos quartéis desta Vila. Por isso, orientava que se apressassem na finalização das obras das fortalezas, pois enquanto elas não ficassem prontas os militares ocupariam as casas dos moradores da Vila, o que reconhecia sem dúvida ser "causador de grande opressão, que era preciso evitar". E finalizou a mensagem com um pedido que, a bem da verdade, era uma velada advertência: "Espero de seu zelo o façam de sorte que fique Sua Majestade servida e os povos sem vexação".

A visita do Governador a São João del-Rei não foi breve nem de cortesia, pois no dia 28 de agosto do mesmo ano ainda estava na Vila, agora empenhado em vistoriar a construção, já em curso, da Casa de Fundição. Na mesma data e sobre o mesmo assunto, escreveu duas cartas, destinadas a duas autoridades do Rio de Janeiro. Para um, noticiou que as obras estavam adiantadas e que os soldados e mais materiais para finalizar as construções logo chegariam . Para o outro, informou já ter recebido os equipamentos necessários para o funcionamento da Casa de Fundição e pediu que se comprasse, no Rio de Janeiro, os cavalos que serviriam para o trabalho das tropas que guardariam a Vila, impedindo que o ouro fosse desviado do local de fundição, e as estradas, para que as riquezas não fossem roubadas em assaltos de bandoleiros.

Esta visita do nobre e cruel conde português não saiu barata e, como sempre acontece, quem a custeou foram os cofres públicos. Naquela época custou nada mais, nada menos, do que 275 oitavas de ouro, pagas pelo Senado da Câmara. Mas os quartéis não foram construídos e quem bancou a hospedagem dos militares foi mesmo o povo da Vila de São João del-Rei, dividindo com eles as próprias casas.

Tudo indica que o Conde de Assumar gostava mesmo de escrever. No dia 6 de agosto de 1720, redigiu uma correspondência para alguns moradores da Vila de São João del-Rei, agradecendo a lealdade e a oferta de escravos para a defesa do Governo na sedição militar de Vila Rica. Quatro dias depois escreveu para o Senado da Câmara local, desta vez para elogiar e agradecer a fidelidade do povo são-joanense. Na ocasião, mostrou ao emissário, FelicianoVaz Pinto de Vasconcelos, a cópia manuscrita da carta que enviou à Sua Majestade "nomeando a todos pelos seus nomes e pedindo que tanto a estes quanto a esta Câmara os honre com as mais avantajadas mercês e privilégios". No dia 6 de setembro, nova carta, agora endereçada para o Ouvidor Geral da Vila de São João del-Rei,  recomendando que não se pagasse mais do que uma libra de ouro aos vigários, diferentemente do que era feito em outras vilas, até que chegasse outra ordem real.
...........................................................................
Fonte: CINTRA, Sebastião de Oliveira. Efemérides de São João del-Rei, volume II, 2a edição - revista e aumentada. Imprensa Oficial de Minas Gerais. Belo Horizonte, 1982.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …