Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei: a música barroca de José Maria Xavier a José Maria Neves

Agosto é o mês da música barroca em São João del-Rei. Pena que ninguém se lembra.

Maior injustiça com o oitavo mês do ano, que trouxe ao mundo, em São João del-Rei, dois grandes expoentes da música barroca são-joanense. São-joanense não: brasileira. Dois José Marias, nascidos com uma diferença de apenas 3 dias. Um em um século e outro em outro. Passados 124 anos.

Coincidência ou não, os dois moraram na mesma rua; o primeiro, inclusive, nasceu nela. O outro, é possível que nela também tenha nascido, mas não tive oportunidade de indagar.Que felicidade, a da Rua Santo Antônio, com seu casario colonial de altos muros e quintais de pitangueiras, jaboticabeiras, jasmins, com sua capelinha minúscula e não por isso menos preciosa, e com a sede de três das mais importantes corporações musicais de São João del-Rei - Orquestra Lira Sanjoanense, Orquestra Ribeiro Bastos e Banda Theodoro de Faria.Que outra rua, em nosso país, tem tão rica história (e tão valioso patrimônio) musical?

Seus nomes? José Maria Xavier e José Maria Neves.

O compositor Padre José Maria Xavier nasceu a 23 de agosto de 1819, em uma casa branca de grandes  janelas azuis e telhado colonial (foto) na esquina do segundo serpentear da Rua Santo Antonio, seguindo dos funtos da igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Negros em direção ao Tejuco.

Viveu 68 anos e deixou como herança para São João del-Rei um dos mais ricos e mais importantes acervos de músicas sacras coloniais do Brasil no século XIX. Ofícios para Endoenças e Semana Santa, Te Deums, novenas, ladainhas, antífonas, solos ao pregador, hinos, matinas e muitas peças que ainda hoje fazem parte do repertório da Festa de Passos, da Semana Santa e da Festa da Boa Morte, entre outras. Tão elevada era sua cultura que, mesmo morando no interior de Minas e dois séculos atrás, dominava os idiomas latim e francês.

Contam que morreu como um menino, ao cair de cima de uma árvore de seu quintal. Então, desde 22 de janeiro de 1887, Padre José Maria Xavier dorme tranquilo no Cemitério do Rosário. Mas como um menino, desce sempre a ladeira da Muxinga para ouvir suas próprias músicas tocadas nas igrejas e ruas de São João del-Rei.

José Maria Neves era maestro, nasceu a 20 de agosto de 1943 e, como o Padre José Maria Xavier, também morou na Rua Santo Antônio. Membro de uma respeitável família de músicos, entre eles a maestrina Maria Stella Neves Vale, começou a estudar música em São João del-Rei e daqui seguiu para o Rio de Janeiro e depois para Paris, onde formou-se Doutor em Musicologia pela Universidade de Sorbone.

Ao maestro José Maria Neves, São João del-Rei tem muito a agradecer. Além realizar, produzir epublicar vários estudos sobre a música sacra local, foi um grande incentivador da música barroca na cidade, postando-se, algumas décadas, à frente da Orquestra Ribeiro Bastos. Por sua influência foram gravados em long plays os primeiros registros fonográficos do barroco musical são-joanense, com os discos Matinas do Natal do Padre José Maria Xavier, Festa de Passos e Semana Santa, Novena do Carmo e Missa Grande, de Antonio dos Santos Cunha. Levando a música de São João del-Rei para além dos limites da Serra do Lenheiro, José Maria Neves impulsionou apresentações da Orquestra Ribeiro Bastos em capitais e grandes cidades de diversos estados brasileiros.

A vida não foi tão generosa com São João del-Rei, levando cedo o maestro José Maria Neves, aos .... anos. Se, do mesmo modo que o Padre José Maria Xavier, ele também dorme no Cemitério do Rosário, não sei. Pode ser que sim, pode ser que não. O certo é que, em espírito, ele continua incentivando os músicos da Orquestra Ribeiro Bastos e, apaixonadamente, os regendo, agora com olhar e mãos de eternidade...

Por tudo isto, São João del-Rei bem podia consagrar a terceira semana de agosto a estes dois músicos e reverenciá-los com a institucionalização da Semana da Música Barroca de São João del-Rei. Na programação, a realização de concertos, recitais, cursos, palestras e outros eventos ligados à música, especialmente à música barroca local. Compositor e maestro merecem. A memória musical brasileira precisa. O povo de São João del-Rei vai gostar. E com certeza aplaudir.!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …