Pular para o conteúdo principal

Novo sino do Carmo ameniza efeitos do tempo no patrimônio sonoro de São João del-Rei


Dizem que o mineiro trabalha em silêncio. Se isto é verdade, o são-joanense, então... Mesmo e até quando trabalha para fazer barulho! É assim sempre que um novo sino vai ser batizado e subir à torre de uma barroca igreja de São João del-Rei: intenção, dedicação, ação, emoção em palavras certas, no tom exato. Pura e silenciosa melodia.

Mal o domingo amanhece e tudo o que no centro histórico de São João se ouve é um melodioso e vivaz concerto de sinos. Anunciando as celebrações matutinas, em horas esparsas, as torres das igrejas de São Gonçalo, São Francisco, Bonfim, Rosário, Matriz do Pilar, Mercês e Carmo dobram seus sinos, anunciando que aquele é o Dia do Senhor. E que por isso, em instantes, naquela igreja começará uma missa.

Mas no próximo domingo, 22 de junho, a partir das 8 horas, além de chamar para a missa costumeira, os sinos da igreja do Carmo dobrarão ainda mais alegres e festivos, por um motivo maior: a bênção e batismo do sino São João da Cruz e sua subida à torre esquerda e angulosa daquele templo que é considerado um dos seis mais belos projetos religiosos do mestre Aleijadinho. O novo sino ocupará o lugar antes preenchido pelo sino São João Batista que, depois de 98 anos de ininterrupta função, apresentou rachadura em sua bacia, desafinando sua sonoridade. Assim, domingo será mais um dia de louvor e festa em São João del-Rei.

As igrejas, as orquestras, a música barroca, a Semana Santa, o Carnaval, a Festa de Passos, as procissões, as Pastorinhas, folias e congadas, os jubileus, as Encomendações de Almas, o Largo de São Francisco, do Rosário, das Mercês, os chafarizes, as pontes da Cadeia e do Rosário, os tapetes de rua, o teatro, o artesanato, a gastronomia. Patrimônios singulares de São João del-Rei, tesouros de valor inestimável, que vêm vencendo séculos com o desejo de se eternizar.

Nesta trajetória, não se pode enganar nem esquecer: o povo são-joanense é, antes de tudo, a principal riqueza de São João del-Rei. É ele que, desde aqui a descoberta do ouro, no raiar do século XVIII, constrói, sustenta e mantém esta cultura sem igual, que é única em Minas Gerais, no Brasil e no mundo. É ele que a preserva como uma graça divina. Que a guarda no coração, a vivifica no dia a dia e tem para com ela um compromisso de perpetuidade, para que ela vença o tempo no passar dos séculos. Como uma tocha olímpica, sempre transmitida da geração atual para a geração vindoura, rumo à eternidade.


O jovem Eduardo Valim é o Prior da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo e dedica sua vida a zelar desta organização, que possui inestimável patrimônio material e imaterial em São João del-Rei. Nesta função, foi responsável pelos esforços que viabilizaram e tornaram realidade a conquista que os são-joanenses festejarão na manhã do próximo domingo: o batismo, bênção e elevação à torre do sino São João da Cruz. Com a modéstia sincera dos cidadãos valorosos, em poucas frases ele nos resume esta história:

"O sino que vamos suspender é uma réplica do nosso sino antigo, de nome João Batista, fundido em 1913 e doado por um irmão da nossa Ordem Terceira, chamado João Batista Viegas. Ficava na torre direita da igreja (do lado do Cemitério), mas apresentou distorção no som em novembro de 2011, quando dobrava pela solenidade dos defuntos. Após análise, constatamos que a dissonância era resultado de uma rachadura.

Descido o sino, colocamos em seu lugar o sino São Simão Stock, que a Ordem Terceira conseguiu comprar no ano passado. Deste modo, a torre esquerda ficou praticamente um ano sem o seu sino grande.

O processo de obtenção do novo sino começou com os contatos que mantive com a Marinha, que prometeu a fundição. O professor André Dangelo foi parceiro na composição do dossiê e encaminhamentos ao IPHAN, que aprovou nossa proposta.

O novo sino é uma réplica do sino antigo, que serviu como molde e foi fundido no Rio de Janeiro, pelo Arsenal de Guerra da Marinha. Pesa 550 quilos e também é afinado em Fá. Como possui a mesma liga, o som deve ser muito semelhante ao do sino centenário. Provavelmente se chamará São João da Cruz, que é um dos mais importantes santos carmelitas. O corpo está sendo montado com a ajuda do técnico do IPHAN, José Trindade.

O sino João Batista, de 101 anos, é patrimônio da Ordem Terceira do Carmo e continuará exposto na igreja do Carmo, até que se escolha um local definitivo para sua exposição. Quem sabe um futuro museu próprio da Ordem Terceira do Carmo?"


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …