Pular para o conteúdo principal

Encontro de Verônicas de São João del-Rei. Resgatar, revelar, projetar e eternizar


São João del-Rei vive a olhar para dentro do peito e, mirando a própria alma, a trazê-la em essência sempre para a superfície. Resgatar, revelar, renovar, reinventar, projetar e eternizar, mantendo-a assim viva e pulsante.

Isto foi o que mais uma vez se percebeu recentemente, no I Encontro de Verônicas que homenageou a maestrina Maria Stella Neves Valle. Em tudo singular, Verônica é um dos mais importantes ícones da religiosidade e da tradição barroca de São João del-Rei. Sua existência dura poucas horas de uma noite tenebrosa quando, na Sexta Feira da Paixão, ela canta por sete vezes uma lamentação milenar, enquanto mostra um sudário alvo, estampado em vermelho com a face ensanguentada de Cristo.

Rio frio de vento e silêncio transpassa os largos, esquinas e encruzilhadas onde ela canta. Ninguém fala palavra, criança não chora, mal se respira ou suspira. Prende-se, ou perde-se, o ar. Coberta de preto até a cabeça, nem mãos à mostra, encobertas por luvas também pretas, Verônica personifica a própria noite. É a memória antes da lembrança. Não há são-joanense que não a conheça, que não venha de longe nem se esprema em multidão para vê-la e ouví-la. Que não a respeite quase como a Senhora das Dores e o Senhor Morto.

No encontro que este ano aconteceu pela primeira vez, Verônica saiu da Sexta Feira  da Paixão para uma quinta-feira de junho. Se multiplicou em várias. Cantou o mesmo lamento na criação de vários compositores barrocos. Eram as mulheres que já foram Verônica nas Semanas Santas de São João del-Rei. Para vê-las, o sobradão do Memorial Dom Lucas Moreira Neves e a rua em frente à escadaria e adro da Matriz do Pilar estavam tão cheios de gente que lembrava mesmo aquele território na noite de Sexta Feira da Paixão.

O folclorista Ulisses  Passarelli - um dos maiores estudiosos e conhecedores modernos da cultura popular de São João del-Rei e da região - assim descreveu o Encontro:

"Com pontualidade britânica, às oito em ponto Padre Ramiro abriu o Primeiro Encontro de Verônicas, com casa cheia e rua abarrotada de gente. O povo apinhou nas janelas porque não cabia mais no lado de dentro do Memorial.

Evento criterioso, levou de viva voz muita informação histórica sobre a origen das verônicas, significados, multiplicidade musical sobre a mesma letra do canto. Ouviu-se vozes belíssimas em interpretações impecáveis, ambientadas no casarão colonial, com cheiro de rosmaninho e manjericão que um anjinho de procissão distribuía aos que ali estavam.

Todas as verônicas, vestidas a rigor, cantavam do alto da escada, enquanto vagarosamente abriam a toalha alva para expor a face ensanguentada do Divino Mestre.

Evento único. Inusitado. Notável. Que venha o segundo. O terceiro. O quarto..."


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …