Pular para o conteúdo principal

Helvécio Benigno da Silva: uma câmera na mão e muito amor por São João del-Rei e suas tradições

Em São João del-Rei, quem passa pela colonial Rua Santo Antônio vai sempre ser encantado pela magia daquele local. Construída na rota exata que em 1704 era o caminho dos bandeirantes, ela é a via mais poética e mais musical da cidade. Nela, além de Santo Antônio em sua capela, de artistas sacros, compositores, maestros, músicos, de uma banda musical centenária e das duas orquestras barrocas mais antigas das Américas, mora também, na casa número 62, um são-joanense de 57 anos, quase 20 dos quais dedicados exclusivamente a registrar, em vídeos, as tradições religiosas desta terra onde os sinos falam.

E por falar em sinos, aqui estamos falando de Helvécio Benigno da Silva que, inclusive, foi sineiro na igreja de São Francisco de Assis. O amor e a intimidade de Helvécio com as festas religiosas de São João del-Rei vem de longa data. Filho de carpinteiro, aprendeu o ofício com o pai, mas logo com o primeiro salário comprou uma câmera fotográfica Minolta, já que o sonho de ter uma filmadora ainda estava longe de ser realizado. Mas enquanto este dia não chegava, Helvécio - despretensiosamente mas com grande interesse - tirava fotos em sequência, na tentativa aproximar-se do que, mesmo à visão estática, desse a ideia de movimento. Era 1997.

Alguns anos depois, filmadora em punho, lentes e foco exatos, Helvécio começou a gravar, com visão etnográfica, vídeos das procissões, ofícios, novenas e toda a profusão das liturgias e paraliturgias barrocas de São João del-Rei. Entre uma "festa" e outra, ele começou a produzir uma obra, que julga imprescindível. Um documentário exclusivamente sobre os sinos de São João del-Rei: seus nomes, histórias, toques tradicionais e contexto em que eles acontecem - tudo em uma linguagem simples, informativa e didático-explicativa, fácil de ser entendida tanto pelos leigos quanto pelos turistas que visitam a cidade e se encantam não só com o que veem, mas também com o que ouvem.

Mas por um golpe de má-sorte, em 1999 a câmera foi furtada e, com ela, foram-se para o nunca mais todas as gravações e registros. Ficou novo sonho, que será realizado em breve, de realizar este trabalho, desta vez até a  fase final de conclusão, divulgação e ampla distribuição.

Helvécio possui documentadas, ano a ano, as festas celebrativas de quase todas as irmandades de São João del-Rei e é possível, até, que seja quem produziu maior acervo cronologicamente sequencial sobre este tema. Entretanto, este material não foi catalogado por nenhuma instituição religiosa ou cultural são-joanense, nem possui cópia disponível para conhecimento ou consulta em nenhum espaço de memória e saber de nossa terra.

Do mesmo modo, poucos são os lugares em que se pode adquirir um ou outro trabalho de Helvécio; às vezes no balcão da Casa Paroquial da Matriz do Pilar. O mais certo mesmo é pelo telefone (32) 3371-  ou diretamente na Rua Santo Antônio, 62, logo na primeira curva após a igreja do Rosário, ao lado da sede da Orquestra Ribeiro Bastos. É só tocar a campainha do portão que ele mesmo vem, com sua discreta e mineira cordialidade, atender com satisfação...

Veja, abaixo, em vídeo, o sofisticado repique Tonstolin, gravado por Helvécio Benigno e disponível no Youtube:






Comentários

  1. Excelente postagem, Emílio! Taí a importância do registro dos fatos de hoje, que amanhã serão história! Parabéns ao Helvécio por este trabalho deveras benigno! Léo Morato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Léo, o trabalho realizado por Helvécio é muito precioso. Ele grava ano a ano as mesmas celebrações religiosas, com absoluto cuidado, o que permite ver como a tradição vem sendo mantida ou eventuais alterações que vez ou outra acontecem por força das circunstâncias. É um trabalho que ele verdadeiramente faz por amor, já que não possui uma estrutura mínima para distribuição. Ajudemo-lo a divulgar! Grande abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …