Pular para o conteúdo principal

As boas coisas de São João del-Rei: a Taberna d'Omar e seus mistérios...

Em São João del-Rei, dizem que os menores frascos guardam os melhores perfumes e secretam os piores venenos. Quem aqui conhece a Taberna d'Omar não só confirma este adágio quanto fica completamente intrigado: como pode em um lugar tão diminuto se encontrar tantas coisas boas?

Diminuto é quase pouco, pois o lugar é - alegoricamente falando - uma pepita de prata onde a Rua Direita fica estreita no centro histórico de São João del-Rei. Mas ali se degusta, e também se compra, o que de mais delicado e refinado existe para o paladar de quem procura uma pausa. Cervejas artesanais, cachacinhas especiais, drinks descomunais, chás orientais, sucos frugais, petiscos transcedentais e até mesmo o irrecusável cafezinho, que é a bebida preferida de muitos mortais.

Queijo catauá do João Dutra? Lá tem. Doce de leite Caxambu? Lá tem. Geleias da própria casa? Lá tem... Livros do Professor Gaio? Lá tem. CDs das orquestras barrocas e dos músicos de São João del-Rei? Lá bem podia ter...

Poucas mesas, três pequenos balcões - um, inclusive, para se conversar do lado de fora da porta -  muito esparsos quadros de fotos p&b, duas pequenas estantes, uma prateleira e uma, mini, geladeira. Tudo na Taberna d'Omar é minimalista.

Mas numa coisa a casa exagera: na cordialidade sincera de seus donos, na ordem natural que ali garante harmonia e equilíbrio a todas as coisas, fazendo do lugar um recanto claro, iluminado e ventilado. E também, por seu tamanho, intimista.

Na sua proposta de ser útil a quem tem fome e sede de algo mais do que alimento para o corpo, a taberna, além do seu horário noturno, costuma ficar aberta em horas diurnas incomuns para bares, bistrôs e cafés em São João del-Rei. Como por exemplo nas tardes e anoiteceres de domingo.

Se bem que às10 da ensolarada manhã do Domingo da Ressurreição (ah! a sonhada ressurreição...), quem estava lá, rodando em vinil na vitrola, entre os clientes, era ninguém mais, ninguém menos, do que o grande violonista espanhol Paco de Lucia. Solo quiero caminar...

A Taberna d'Omar tem estes encantamentos...


Sobre as boas coisas de São João del-Rei, leia também
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com.br/2011/05/as-boas-coisas-de-sao-joao-del-rei.html
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com.br/2013/04/as-boas-coisas-de-sao-joao-del-rei-8.html
. http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com.br/2012/04/as-coisas-boas-de-sao-joao-del-rei.html

Comentários

  1. Concordo em gênero, número e grau!
    A Taberna D'Omar é um dos meus lugares eleitos como deliciosos de São João!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Sem dúvida, Eglea! A Taberna tem "um jeito mineiro de ser".

    Aliás, mto legal o seu blog http://jeitomineirodeser.blogspot.com.br/ . Ensolarado, delicado e gracioso como a alma das mulheres dos campos e dos descampados, das vertentes e das montanhas de Minas.

    Grande abraço pra vc também!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …